JORNAL DE DEBATES > LEITURAS DE VEJA

Capitão Bolsonaro, a história esquecida

Por Luiz Egypto em 06/04/2011 na edição 636

Na barulhenta cobertura da mídia sobre as declarações racistas e homofóbicas do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao programa CQC, da Rede Bandeirantes, ficou esquecido, no fundo de um arquivo qualquer, um episódio de 24 anos atrás, também protagonizado pelo agora deputado federal, e que tocou em um dos fundamentos da atividade jornalística – qual seja, as declarações off the records, isto é, aquelas informações utilizadas pelo jornalista sob o compromisso de resguardar o anonimato de sua fonte.


A história é a seguinte. No segundo semestre de 1987, finda a ditadura e já sob o governo civil de José Sarney, a economia estava combalida em razão do fracasso do Plano Cruzado. A inflação era alta, tendendo a índices estratosféricos, e grassava forte insatisfação nos quartéis devido à política de reajustes dos soldos dos militares – além, é claro, do incômodo, sobretudo entre a oficialidade média, pela perda do poder político que gozaram por 21 anos seguidos.


Jair Bolsonaro era então capitão do Exército, da ativa, cursava a Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais (ESAO) e morava na Vila Militar, na Zona Norte do Rio. Em setembro de 1986, ele assinara um artigo na revista Veja no qual protestava contra os baixos vencimentos dos militares. Por isso ele foi preso e, na época, sua punição provocou protestos de mulheres de oficiais da ativa – que, ao contrário dos maridos, podiam sair em passeata sem correr o risco de serem presas.


‘Só para assustar’


Bolsonaro tornou-se fonte da revista. Em meados de outubro 1987, a prisão de outro militar, capitão Saldon Pereira Filho, pelo mesmo motivo, levou à Vila Militar a repórter Cassia Maria, de Veja, destacada para repercutir o ocorrido. Ali ela conversou com Jair Bolsonaro, que estava acompanhado de outro capitão e da mulher deste.


Sob condição de sigilo, a mulher do militar contou à repórter – e depois Bolsonaro e seu colega confirmaram – que estava sendo preparado um plano batizado de ‘Beco sem saída’. O objetivo era explodir bombas de baixa potência em banheiros da Vila Militar, da Academia Militar de Agulhas Negras, em Resende (RJ), e em alguns quartéis. A intenção era não machucar ninguém, mas deixar clara a insatisfação da oficialidade com o índice de reajuste salarial que seria anunciado dali a poucos dias. E com a política para a tropa do então ministro do Exército Leônidas Pires Gonçalves – que teria sua autoridade seriamente arranhada com os atentados.


‘Serão apenas explosões pequenas, para assustar o ministro. Só o suficiente para o presidente José Sarney entender que o Leônidas não exerce nenhum controle sobre a tropa’, ouviu a repórter de Ligia, mulher do colega de Bolsonaro, identificado com o codinome de ‘Xerife’.


Frase isolada


A repórter havia apurado uma bomba, no sentido literal e no figurado. Veja não respeitou o off – no que fez muito bem, neste caso, pois do contrário estaria acobertando atos terroristas – e quebrou o pacto de sigilo com a fonte. A história toda foi contada nas páginas 40 e 41 da edição 999 (de 27/10/1987) da revista. A repórter Cassia Maria anotou em seu relato:




‘‘Temos um ministro incompetente e até racista’, disse Bolsonaro a certa altura. ‘Ele disse em Manaus que os militares são a classe de vagabundos mais bem remunerada que existe no país. Só concordamos em que ele está realmente criando vagabundos, pois hoje em dia o soldado fica o ano inteiro pintando de branco o meio-fio dos quartéis, esperando a visita dos generais, fazendo faxina ou dando plantão’. Perguntei, então, se eles pretendiam realizar alguma operação maior nos quartéis. ‘Só a explosão de algumas espoletas’, brincou Bolsonaro. Depois, sérios, confirmaram a operação que Lígia chamara de Beco sem Saída. ‘Falamos, falamos, e eles não resolvem nada’, disseram. ‘Agora o pessoal está pensando em explorar alguns pontos sensíveis.’


Sem o menor constrangimento, o capitão Bolsonaro deu uma detalhada explicação sobre como construir uma bomba-relógio. O explosivo seria o trinitrotolueno, o TNT, a popular dinamite. O plano dos oficiais foi feito para que não houvesse vítimas. A intenção era demonstrar a insatisfação com os salários e criar problemas para o ministro Leônidas.


(…)


Nervoso, Bolsonaro advertiu-me mais uma vez para não publicar nada sobre nossas conversas. ‘Você sabe em que terreno está entrando, não sabe?’, perguntou. E eu respondi: ‘Você não pode esquecer que sou uma profissional’.’


Com esses antecedentes, não deixa de ser curioso que agora, quando o personagem volta à baila, a cobertura da edição (nº 2211, com data de capa de 6/4/2011) desta semana de Veja sobre o explosivo episódio de racismo, que suscitou tanta repercussão, resuma-se a uma mísera frase de Bolsonaro reproduzida na seção ‘Veja Essa’.


Faltou um curioso da Redação para examinar o arquivo digital da revista. Faria um gol.

Todos os comentários

  1. Comentou em 07/04/2011 Edno Lima

    Tá cheio de jornalista que não tendo o quê fazer e usa o tempo de ócio para procurar bobagens. Bolsonaro disse há vinte e quatro anos que iria explodir bombas de baixa potência nos banheiros da vila militar, seriam ‘pequenas explosões, para assustar o ministro’. Bolsonaro estava errado, porém não explodir os tais artefatos. O ex-presidente Collor, não foi o único, promoveu um grande festival de corrupção durante seu governo e está aí lépido e faceiro no senado, tendo sido elogiado pelo então presidente da república e está lá sem ser incomodado por qualquer jornalista de esquerda. Durante a visita de Obama, alguns manifstantes esquerdistas atiraram uma bomba de fabricação caseira contra o consulado americano e feriram um vigilante, e não vi qualquer jornalista condenar tal fato. Não defendo as atitudes de Bolsonaro, mas para o jornalistas parciais não importa quem o fato, mas quem produziu; se for de esquerda ou da base aliada passa batido, se for conservador pau nele, aí vale até desenterrar fatos ocorridos há vinte e tantos anos.

  2. Comentou em 07/04/2011 Edno Lima

    Tá cheio de jornalista que não tendo o quê fazer e usa o tempo de ócio para procurar bobagens. Bolsonaro disse há vinte e quatro anos que iria explodir bombas de baixa potência nos banheiros da vila militar, seriam ‘pequenas explosões, para assustar o ministro’. Bolsonaro estava errado, porém não explodir os tais artefatos. O ex-presidente Collor, não foi o único, promoveu um grande festival de corrupção durante seu governo e está aí lépido e faceiro no senado, tendo sido elogiado pelo então presidente da república e está lá sem ser incomodado por qualquer jornalista de esquerda. Durante a visita de Obama, alguns manifstantes esquerdistas atiraram uma bomba de fabricação caseira contra o consulado americano e feriram um vigilante, e não vi qualquer jornalista condenar tal fato. Não defendo as atitudes de Bolsonaro, mas para o jornalistas parciais não importa quem o fato, mas quem produziu; se for de esquerda ou da base aliada passa batido, se for conservador pau nele, aí vale até desenterrar fatos ocorridos há vinte e tantos anos.

  3. Comentou em 06/04/2011 Max Suel

    afinal … explodiram alguma espoleta ? ou tudo não passou de bravata?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem