Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > ELEIÇÕES 2010

Com a paciência esgotada

Por Luciano Martins Costa em 27/10/2010 na edição 613

Às vésperas do segundo turno da eleição para a Presidência da República, os jornais abrigam citações dando conta de que ninguém mais aguenta os discursos, os factóides e as discussões de campanha. Esta seria, segundo algumas análises, a causa do aumento no número de eleitores que se declaram indecisos ou adeptos do voto nulo ou em branco.


Segundo o instituto Datafolha, o índice de pessoas que não pretendem dar o voto a nenhum dos dois candidatos subiu de 2% para 5% entre as duas últimas pesquisas, enquanto o total de indecisos subiu de 3% para 8%.


Esses indicadores apontam a possibilidade de que muita gente se anime a viajar para a praia ou para o campo no sábado (29/10), aproveitando o prolongamento do feriado de 2 de novembro.


No Rio de Janeiro, o governo do estado mudou o feriado do Dia do Servidor Público Estadual de quinta para a segunda-feira (1/11), o que, segundo os jornais, deve estimular os eleitores de renda mais alta a se ausentar no dia da votação. Segundo a Folha de S.Paulo, essa medida tenderia a reduzir a votação nos bolsões da Zona Sul do Rio, onde se concentram os eleitores de José Serra.


Direito ao voto


Há de tudo nas análises, mas o ponto comum entre elas é certo esgotamento com o debate superficial e a baixaria que marcaram a campanha neste segundo turno.


Depois de contaminada pela questão do aborto, que foi artificialmente amplificada pela própria imprensa, a disputa se enredou em denúncias de corrupção lançadas e requentadas diariamente, e em nenhum momento o debate se aproximou das eventuais idéias que os contendores possuem para seus planos de governo. Promessas e acusações mútuas encerram o espetáculo.


Nesse estado de espírito, o eleitorado aguarda o último debate, marcado para esta sexta-feira na Rede Globo – depois da novela, claro. É bastante provável que, nesse horário, muitos deles já estejam em seus carros ou nas filas dos aeroportos, viajando para longe das urnas.


Na segunda-feira, 1º de novembro, a imprensa vai provavelmente registrar os altos índices de abstenção e alertar para o risco que corre a democracia quando a população se desinteressa do direito ao voto – sem tocar na hipótese de que a própria imprensa, ao estimular a baixaria, teria contribuído para o desânimo do eleitor.

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/10/2010 Rodrigo Cardozo

    Concordo plenamente com o articulista.Não resta dúvida de que a imprensa tem enorme responsabilidade nesse processo de degradação da disputa eleitoral.
    PS: como é bom ver Luciano Martins exercendo seu papel de observador de forma racional e equilibrada,deixando de lado o habitual engajamento partidário.

  2. Comentou em 27/10/2010 roberto dias paiva dias paiva

    parafraseando o presidente ; ‘nunca antes na história deste país’ vai se ver tamanho percentual de votos nulos e brancos…

  3. Comentou em 27/10/2010 Ricardo Kotscho

    Brilhante comentário, caro Luciano. O último parágrafo do teu artigo resume tudo. A imprensa deu o tom da campanha, quer dizer, alimentou a baixaria, pautou o debate, tomou partido e perdeu o que lhe restava de credibilidade. Eles não perdoam e não aprendem.
    Abraços,
    Ricardo Kotscho

  4. Comentou em 27/10/2010 Ricardo Kotscho

    Brilhante comentário, caro Luciano. O último parágrafo do teu artigo resume tudo. A imprensa deu o tom da campanha, quer dizer, alimentou a baixaria, pautou o debate, tomou partido e perdeu o que lhe restava de credibilidade. Eles não perdoam e não aprendem.
    Abraços,
    Ricardo Kotscho

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem