Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Com o dedo na ferida

Por Luciano Martins Costa em 26/07/2010 na edição 599

A ombudsman da Folha de S.Paulo, Suzana Singer, comenta na edição de domingo (25/7) mensagem de um leitor que diz o seguinte: ‘Sai do armário, Folha‘. O texto se refere a reportagem publicada na semana anterior, na qual o jornal, aparentemente sem qualquer fato motivador, reafirmava seus princípios editoriais, destacando sua determinação de ser ‘crítico, apartidário, moderno e pluralista’ na cobertura da disputa eleitoral.


Oficialmente, a Folha diz que resolveu reafirmar seus princípios editoriais porque, com o fim da Copa do Mundo, as atenções voltariam a se concentrar na política, com as polêmicas aumentando naturalmente.


A reação dos leitores não foi favorável. Para a maioria deles, a Folha privilegia um dos candidatos a presidente da República. Das 25 mensagens analisadas pela ombudsman, 24 acusam a Folha de favorecer o candidato do PSDB José Serra, enquanto uma afirma que o jornal é favorável à candidata petista, Dilma Rousseff.


Declarações solenes


A situação fica ainda mais estranha porque tanto o jornal quanto os leitores esquecem que há uma terceira opção com condições de chegar ao segundo turno, a candidatura da senadora Marina Silva, do PV. Segundo a ombudsman, alguns leitores acham que o jornal deveria declarar oficialmente seu voto, em editorial, como fez o New York Times em 2008 em relação a Barack Obama.


O texto da crítica interna expõe um dos dramas dos grandes jornais diante de eventos como a eleição presidencial. Não há como dissimular as preferências que predominam na imprensa, mas ao mesmo tempo a tradição assumida pela mídia, segundo a qual o veículo, e não o noticiário, deve ser isento, torna desaconselhável abrir o jogo.


Os dirigentes dos jornais entendem que, se declararem qualquer alinhamento com um político ou um partido, podem perder credibilidade.


O comentário da ombudsman da Folha demonstra que a credibilidade também corre risco por causa de declarações solenes que não encontram confirmação no noticiário do dia-a-dia.


***


Bizarrices do caso Eliza


A leitura de jornais e revistas nos últimos dez dias pode produzir no observador desconfiado a suspeita de que existe um movimento, com participação voluntária ou indireta de alguns veículos da mídia, para livrar o goleiro Bruno Fernandes de condenação no caso do desaparecimento de sua ex-amante Eliza Samudio.


Desde a veiculação, no Fantástico de domingo, dia 18 de julho, e no Jornal Nacional na noite seguinte, de um vídeo ‘plantado’ no avião que transportava o jogador e seu amigo e suposto cúmplice Luiz Henrique Romão, conhecido como ‘Macarrão’, o viés das investigações mudou de rumo. A polícia parece tender a concentrar as responsabilidades no amigo do atleta.


Em outro vídeo, gravado dentro da penitenciária na região de Belo Horizonte, onde está hospedado, Bruno Fernandes lembra que o prazo da acusação está acabando e ameaça processar o Estado.


No fim de semana, nem uma palavra dos jornais sobre o assunto. Na segunda-feira (26/7), ainda nenhuma novidade no Estado de S.Paulo e duas notas na Folha de S.Paulo e no Globo.


No Globo, o Judiciário responde dizendo que o goleiro pode ficar mais trinta dias preso com os outros sete acusados, porque, quando em liberdade, eles tentaram atrapalhar as investigações, ocultando provas e manipulando testemunhas.


Caminho livre


Depois da divulgação dos vídeos, ganham menção na imprensa e na internet frases que induzem o leitor a acreditar que a jovem Eliza Samudio na verdade não estaria morta, apenas resolveu desaparecer para se vingar do ex-amante.


A imprensa não parece estranhar que os acusados sejam defendidos pelo mesmo advogado, mesmo com as evidências de que, em muitos aspectos, eles têm interesses contrários.


A ex-mulher do goleiro já foi e voltou algumas vezes em sua decisão de trocar de advogado, enquanto o adolescente J. e outra testemunha, primo de Bruno, entram em seguidas contradições conforme quem conduz o interrogatório.


Todas as versões desses depoimentos ganham igual atenção, sem diferenciação crítica por parte dos jornais. Na Folha, declaração do governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, na segunda-feira (26), afirmando que o vazamento dos dois vídeos depõe contra a polícia mineira.


A polícia mineira ganhou notoriedade como… a polícia mineira – aquela que consegue fazer urubu confessar que é gavião.


O desinteresse da imprensa pode deixar o caminho aberto para qualquer manobra no inquérito.

Todos os comentários

  1. Comentou em 26/07/2010 Boris Dunas

    A ombudsman é filha de Paul Singer, secretário de Economia Solidária do governo federal (seja lá o que for essa coisa), e irmã de André Singer, que foi porta-voz de Lula. Como se vê, a Folha age em nome da ‘isenção’ e da ‘imparcialidade’. Ninguém precisa ser exatamente um gênio para imaginar o que a militância petista diria se o ombudsman fosse, sei lá, um primo em 5o. grau de qualquer peessedebista da ‘raia miúda’…

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem