Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1058
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Contra-ataque com guinada populista

27/10/2009 na edição 561

O roteiro é conhecido: em queda nos índices de popularidade e com promessas importantes de campanha paradas, líder tenta isolar a mídia mais crítica a ele, ataca a associação de empresários mais poderosa e critica em público banqueiros. A diferença são o protagonista e o local: em vez de um líder bolivariano na América Latina, o presidente Barack Obama, nos EUA.

Depois de passar o verão americano apanhando dos conservadores por conta de sua proposta da reforma do sistema de saúde -considerada socializante demais- e da opinião pública em geral devido ao aumento da taxa de desemprego -hoje, 1 em cada 10 adultos não tem trabalho nos EUA-, o comando obamista resolveu contra-atacar.

O primeiro alvo foi a emissora conservadora Fox News, que durante a gestão anterior era chamada de a voz de George W. Bush e que, desde a posse do democrata, é a mais dura crítica do novo governo. Pois no governo Obama ela foi rebatizada de ‘braço do Partido Republicano’ pela diretora de comunicações da Casa Branca, Anita Dunn, há duas semanas.

Na quarta, foi a vez de o próprio Obama se pronunciar sobre o assunto, dizendo que as empresas de mídia seriam tratadas pela Casa Branca dependendo de como agissem.

‘Se estão operando basicamente num formato de ‘talk-radio’, então é uma coisa’, disse Obama, referindo-se aos programas de rádio popularescos e com apresentadores ultraopinativos. ‘Mas se estão operando como uma empresa de notícias, então é outra.’

Saco de pancadas

Na avaliação da Casa Branca, a Fox News oferecia perigo por estar começando a contagiar a agenda dos meios de imprensa tidos como independentes -em vários casos, na verdade simpáticos ao presidente.

Isso ficou claro em dois casos: uma investigação exclusiva da emissora que levou à demissão do chamado ‘czar dos empregos verdes’ de Obama e uma denúncia contra a Acorn, organização progressista para a qual Obama já colaborou.

Ambos os casos foram noticiados primeiro pela emissora conservadora e só depois encampados pelo resto da mídia. Mas diários como o ‘New York Times’ e emissoras como a CNN vieram a público fazer autocrítica, dizendo que demoraram muito a perceber o potencial jornalístico e que passariam a prestar mais atenção às denúncias desse tipo.

O segundo alvo foi a Câmara Americana de Comércio, maior entidade patronal do país, que diz reunir 3 milhões de empresas (reportagem da revista de esquerda ‘Mother Jones’ diz que, na verdade, são 300 mil). O governo democrata e o comando da entidade vinham travando uma queda de braço silenciosa que na última semana veio a público.

A Câmara lidera o lobby contra as reformas ambiental e de regulação financeira propostas pelo presidente. Faz isso com anúncios na TV, campanhas públicas e doações a políticos de oposição. Diante disso, nos últimos meses, a Casa Branca passou a negociar apoios a suas propostas diretamente com 50 das maiores empresas associadas, numa tentativa de esvaziar a entidade.

A iniciativa começa a dar frutos. Nos últimos dias, sete empresas, entre elas a Apple, anunciaram que estavam deixando a entidade, citando divergências quanto ao enfoque sobre ambiente; a Nike avisou que se retiraria do quadro de diretores.

O terceiro alvo é um velho saco de pancadas de Obama: banqueiros e executivos do mercado financeiro. Na quarta-feira, o democrata criticou o que chamou de ‘falta de visão’ de Wall Street, ao comentar o descolamento entre a economia dos pregões, que voltaram a subir, e a da vida real, ainda em crise.

***

Ação é comparada exageradamente à de Nixon

Se o contra-ataque de Barack Obama aos opositores começa a dar resultados, a reação a ele ameaça alienar parte de sua base e pelo menos afastar setores da imprensa que até agora evitaram ser críticos demais ao político. Poucas horas depois de o presidente democrata comparar a Fox News a talk-radio, jornalistas se solidarizavam contra o tratamento dispensado pela Casa Branca a um repórter da emissora.

Na quinta, a todas as cinco principais emissoras foi oferecida entrevista com um funcionário graduado da Secretaria do Tesouro -menos ao jornalista da Fox News. Quando souberam da discriminação, os convidados resolveram boicotar o evento. Diante da reação negativa, o governo recuou. ‘Todas as emissoras disseram, ‘nesse caso, vocês foram longe demais’, disse Chip Reid, correspondente na Casa Branca da CBS News, um dos inicialmente convidados.

Alguns empresários ligados à Câmara de Comércio também vieram a público reclamar da pressão obamista. Em entrevista ao Wall Street Journal de sábado (24/10), o presidente da entidade, Tom Donohue, ameaçou fechar a torneira de milhões de dólares que a câmara doa todos os anos também às campanhas de políticos democratas, principalmente os moderados.

Isso fez com que esses membros do partido de Obama também criticassem a atitude do presidente. São os que concorrem à reeleição no ano que vem, quando o Congresso renova parte de suas cadeiras. ‘É um erro’, disse Jason Altmire, representante (deputado) da Pensilvânia, referindo-se aos ataques públicos. ‘Não fica bem para a Casa Branca entrar nesse jogo de toma-lá-dá-cá.’

Com ele concordam alguns analistas políticos. Alguns lembraram -com uma boa dose de exagero, dada a natureza das duas Presidências- da famosa ‘lista de inimigos’ do republicano Richard Nixon (1969-1974), que deixou o governo em desgraça. Ruth Marcus, do Washington Post, escreveu que a coisa toda tinha ‘um aroma nixoniano inconfundível’. David Zurawik, do Baltimore Sun, fez a mesma comparação. Ken Rudin, da NPR, usou outro neologismo: ‘quase nixonesco’ -ele depois se desculparia.

Outros, como Lamar Alexander, terceiro republicano mais graduado do Senado, começam a usar termos mais sérios, como ‘abuso de poder federal’ e ‘mentalidade de bunker’. ‘Há alguma evidência disso’, disse. Alexander deve saber do que fala: em 1969, ele fez parte do time de Nixon. (S.D.)

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem