Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1033
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Democracia, a bandeira esquecida

Por Alberto Dines em 20/07/2013 na edição 755

Mesmo quando distanciado do jogo partidário, há momentos em que o cidadão percebe que a política cruza o seu caminho. Isso não se dá exclusivamente na hora de depositar o voto na urna. A agenda eleitoral, como todas as rotinas, tem algo de automatizado. No Brasil vota-se porque o voto é obrigatório, mas as libações cívicas de junho e estas ressacas de julho – principalmente elas – configuram uma dessas tangências entre o caminhar desatento da pessoa física e o despertar dos instintos da pessoa cívica.

O motim da noite de quarta-feira (17/7) no Rio, a poucos dias da visita do papa Francisco, não assustou apenas os cariocas pela violência das ações ou pela paralisia da polícia em exercer algum controle. Assustou o país inteiro pela gratuidade. Comparado com Paulo Maluf, o governador Sérgio Cabral Filho é um anjo impoluto. José Sarney, que já protagonizou os maiores despudores da nossa cena política, conseguiu safar-se e se manteve absolutamente invisível e intocado ao longo dessas quase oito semanas de desabafos e efervescência.

Os descalabros na administração carioca e fluminense justificariam ações políticas e sanções judiciais. Não a baderna que se viu. A tentativa de invasão de uma das dependências da Rede Globo lembra os empastelamentos das redações e oficinas de jornais no passado. Existem maneiras mais democráticas de discordar e exercer a crítica ao desempenho da imprensa.

Palavra-chave

Estamos assistindo a uma escalada totalitária, esta é a verdade. Em junho as marchas eram geralmente pacíficas, às vezes desvirtuadas pela ação de gangues infiltradas na multidão. Agora, as investidas são ostensivamente destruidoras, violentas. A surpreendente constatação da Secretaria de Segurança do Rio de que não está preparada para lidar com os protestos não é apenas um estímulo para ataques mais estúpidos, é também um convite às forças armadas para manter a ordem e a segurança pública quando parecerem ameaçadas.

O quadro é preocupante, não reconhecê-lo só favorece o clima de desentendimento e desagregação num momento em que a conjuntura econômica e a situação internacional se mostram tão adversas. A portentosa obra de engenharia chamada Base Aliada – em nome da qual se cometeram tantos desatinos – racha e se fragmenta a cada dia. O PMDB está confirmando os temores de que, ao menor sinal de perigo, pularia do barco. É a sua maestria, identidade: partido de náufragos e sobreviventes.

Com o seu faro para ocupar todos os espaços, o ex-presidente Lula reapareceu na Hora H e finalmente rompeu o silêncio: não deixará Dilma Rousseff sozinha, estará nos palanques ao seu lado. É uma ótima notícia, inclusive para os adversários. Quando apelou aos jovens que o ouviam para não negarem a política (mesmo quando estiverem indignados com Dilma ou com ele), Lula estava falando em democracia.

Democracia é a palavra-chave, a bandeira esquecida que precisa ser urgentemente desfraldada para dar sentido às mudanças.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem