Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

ENTRE ASPAS >

Duas páginas de fantasmas

Por Diego B. Cruz em 06/10/2009 na edição 558

Que a revista Veja seja o semanário representante da direita mais tosca não é novidade para ninguém. Surpreende, porém, o nível cada vez mais baixo que a publicação vem atingindo no último período.

A revista, por exemplo, vocifera contra a atualização dos índices de produtividade exigida pelo MST, mesmo que a medida possa atingir uma extrema minoria dos latifundiários. O MST, aliás, que a publicação adora demonizar. Em relação ao golpe de Honduras, Veja não se envergonha em se colocar ao lado dos golpistas que depuseram Manuel Zelaya, isolando-se até mesmo entre os seus pares ideológicos. Veja se coloca ao lado de representantes folclóricos, como Olavo de Carvalho e seu colunista preferido, Diogo Mainardi.

Na edição nº 2132, a revista dedica sua capa a atacar a ‘intervenção’ do Brasil no que seriam ‘assuntos internos’ de Honduras. Critica o ‘subimperialismo’ do governo brasileiro e chega ao cúmulo de comparar o caso com a invasão militar na República Dominicana em 1965, quando a ditadura enviou tropas ao país caribenho a fim de auxiliar um golpe orquestrado pelos EUA. Curiosamente, a revista não demonstra a mesma curiosidade histórica quando o mesmo governo Lula enviou tropas ao Haiti cinco anos atrás, quando, aí sim, a comparação faria sentido.

Uma frase absurda que não foi dita

Mas uma outra matéria chama atenção na mesma edição. Lá pelas tantas, um texto de duas páginas tasca o título ‘O socialismo não morreu (para eles)’, cuja tentativa parece a de soar irônico. A matéria traz como ilustração uma montagem com representantes de vários partidos de esquerda, vestidos de médicos, ao redor de um Karl Marx deitado numa cama de hospital. E o tom da ‘matéria’ não poderia ser outro. O jornalista Fábio Portela tenta desqualificar e ironizar os partidos de esquerda – e para isso vale tudo.

Primeiro, o repórter coloca no mesmo balaio partidos tão diferentes como o PCdoB, PSOL, PSTU, PCB e PCO. Mas para Veja não importa, nem mesmo que um deles componha a base do governo. A matéria tenta impingir uma certa visão fatalista à esquerda. ‘Apesar de animados, os nossos marxistas não pretendem se esforçar para acelerar a Grande Revolução Vermelha (sic). Acham que basta sentar e esperar, visto que a marcha da história se encarrega de fazer o trabalho pesado’, escreve, mostrando pouco conhecimento do que foi produzido pelo marxismo sobre o funcionamento capitalista, seus limites e até mesmo as mudanças que o sistema tem adotado para poder sobreviver às suas contradições fundamentais e manter a taxa de lucro das empresas.

O texto mostra o que Veja entende por jornalismo. A revista recheia a matéria com falas de supostos entrevistados, frases tão desconexas quanto inverossímeis. É desta forma que o presidente do PSTU, José Maria de Almeida, por exemplo, aparece dizendo: ‘Ela (a revolução) está chegando, e nós estamos preparados’. Uma frase, evidentemente, absurda. E que não foi dita.

Um respeitoso e comportado repórter

Veja transforma longas entrevistas em frases esparsas, desconexas e sem o menor sentido. Na verdade, as entrevistas e telefonemas não servem para que os partidos expressem seus pontos de vista, o que se poderia imaginar de um jornalismo inteligente ou simplesmente comprometido com o debate de idéias. Não é este o caso. As ‘entrevistas’ servem tão somente para emoldurar as idéias iniciais encomendadas pela revista: os partidos de esquerda são nanicos, a esquerda é lunática, o socialismo morreu. Ataques que fazem parte da pauta permanente da revista, assim como matérias sobre o ‘primeiro beijo’ são publicadas pelas revistas adolescentes a cada seis meses.

O jornalista Perseu Abramo costumava dizer que a imprensa se comportava como um partido político. E Veja comprova claramente isso. Como qualquer partido, tem lá os seus quadros. O jornalista Fábio Portela, um dos editores da revista, por exemplo, é escalado para escrever sobre Hugo Chávez, Venezuela e demais pautas tão caras à direita folclórica. Seus textos, em geral, são recheados de ironias e chegam ao deboche, como quando chama Ivan Pinheiro, do PCB, de ‘Ivan, o Terrível’.

A não ser quando decide variar um pouco de pauta, talvez para espairecer, e se põe a escrever sobre o tucano presidenciável Aécio Neves, como na primeira edição de agosto último. O sempre irônico e espirituoso editor dá lugar, subitamente, a um respeitoso e comportado repórter. A matéria sobre as gratificações de desempenho a servidores implementadas pelo tucano é recheada de expressões como ‘espírito público’, ‘meritocracia’, ‘resultados expressivos’, entre outras. Sem o menor pingo de ironia.

Escancarando o caráter

A imprensa de esquerda, em geral, é criticada e tachada de ‘panfleto’. Isso porque tem opinião, se coloca claramente em defesa de uma posição e expressa isso sem máscaras de objetividade. O panfleto tem sua função na vida política e tampouco não pode ser desqualificado. Mas a diferença entre um panfleto e um jornal é que, enquanto o panfleto lança algumas poucas ideias a fim de persuadir, o jornal ou uma revista traz informação, parte da apuração dos fatos, análise e dados, ainda que não possa ser imparcial.

Veja, por esse critério, é mais um panfleto que uma revista. E, certamente, não tem nada a ver com jornalismo.

Voltando à ‘matéria’ sobre os partidos de esquerda, uma questão se sobressai. Se ‘os esquerdistas radicais formam um grupo tão curioso quanto inofensivo’, como diz o texto, por que o panfleto travestido de revista com a maior tiragem do país gastaria duas de suas tão valiosas páginas com o tema?

O espaço destinado à ‘reportagem’ – duas páginas – é o mesmo ocupado pela publicidade de empresas como Ambev, Itaú, Credicard e Santander. Em seu site, na parte destinada aos anunciantes, Veja divulga que a veiculação de um anúncio de uma página custa R$ 216 mil. Caso o anunciante queira escolher a página, este valor sobe para R$ 280 mil. Não há valores para páginas duplas, logo presume-se que seja a soma de duas páginas.

Assim, duas páginas na Veja custariam algo entre R$ 432 mil e R$ 560 mil. Ou seja, não é algo muito barato – cerca de meio milhão de reais – para que alguém possa se dar o luxo de publicar algo sem relevância. O que preocupa tanto a revista? Seria a volta do debate sobre o marxismo, trazido pela crise econômica mundial? Ou o fato de o socialismo, à luz dessa crise e ao contrário de alguns anos atrás, voltar a ser pensado e debatido como algo possível?

A pouco mais de um mês do décimo aniversário da queda do muro de Berlim, a revista precisará de muito mais do que ataques infantis como esse para defender sua tese de que o socialismo morreu e de que o outro muro, o de Wall Street, permanece sólido após a maior crise do capitalismo desde 1929.

De qualquer forma, Veja se desmoraliza cada vez mais, escancarando seu verdadeiro caráter. Mostra, a cada dia, o quanto não é indispensável.

******

Jornalista, São Paulo, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem