Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ENTRE ASPAS > 11 DE SETEMBRO, 10 ANOS

É possível um novo 11/9?

Por Clóvis Rossi em 12/09/2011 na edição 659
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 11/9/2011; intertítulo do OI

O décimo aniversário dos atentados de 11 de Setembro não monopoliza apenas a agenda da mídia. Estava igualmente presente nos computadores apreendidos na casa em que Osama bin Laden foi morto, conforme o Washington Post.

O jornal informa que Bin Laden queria lembrar os atentados de 2001 com “ataques capazes de mudar a história, visando grandes alvos, economicamente importantes”. Já seu segundo, Ayman al Zawahiri, hoje o líder da Al Qaeda, preferiria golpes menos ambiciosos e mais oportunistas só para marcar a data.

Essas informações combinam perfeitamente com a informação de que o governo dos EUA dispõe de relatórios de inteligência “críveis” segundo os quais a Al Qaeda prepara atos terroristas para hoje.

Há realmente a possibilidade de que se repita um 11/9? Em toda a montanha de análises que li a propósito dos dez anos dos atentados, ninguém se animou a dizer que é impossível.

Quem mais perto chegou desse tipo de otimismo foi Richard A. Falkenrath, pesquisador-sênior do Council on Foreign Relations para Contraterrorismo e Segurança Interna. Escreveu: “Não há dúvida de que o território norte-americano está hoje significativamente mais seguro contra um ataque terrorista do que há dez anos”. Mas, acrescentou, “o sistema de segurança interna tem muitas fraquezas. Permanecem grandes vulnerabilidades, algumas das quais apresentam catastróficos tail risks, ou seja, um evento que, embora muito improvável, poderia causar enormes danos”.

Antídoto adequado

Se é assim, dá para dizer que, após dez anos e duas guerras não concluídas, os EUA estão perdendo a batalha contra o terrorismo? Há respostas para todos os paladares. A minha é simples e óbvia: não há como ganhar uma guerra contra fanáticos. Bastam um, dois ou dez cidadãos dispostos a matar e morrer no mesmo ato para que se pratique um atentado de pequenas, médias ou grandes proporções. A única maneira de reduzir o risco seria reduzir o fanatismo, já que eliminá-lo não está no horizonte.

A ação dos Estados Unidos nos 10 anos pós-11/9 ajudou a reduzir o fanatismo? Ao contrário. Basta ler os jornais para ver que, dia sim, outro também, há um atentado feio no Iraque, no Afeganistão, no Paquistão, na Índia, até na Nigéria, mais distante do epicentro do terrorismo.

Pior: os atentados deram origem ao agravamento de um fanatismo de sinal inverso, a islamofobia. É como analisa Alain Gresh, editor de Le Monde Diplomatique: “Os discursos sobre a ‘ameaça islâmica’ penetraram profundamente nas sociedades e mentalidades do Ocidente, (…) causando o crescimento de um clima islamofóbico que prepara a cama para uma nova direita radical”.

Há, no entanto, um fenômeno nascido justamente neste décimo aniversário do 11/9 que dá margem para cauteloso otimismo: os movimentos democráticos que pipocam em boa parte do mundo árabe. Democracia é, talvez, o melhor antídoto contra o fanatismo. Mas, enquanto ela não se firma, resta torcer para que os US$ 75 bi que os EUA gastam anualmente em segurança interna sejam de fato eficazes.

***

[Clóvis Rossi é jornalista da Folha de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem