Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Conselhos de José Reis

Por Vera Rita da Costa em 28/08/2012 na edição 709
Reproduzido do Ciência Hoje On-line, 21/8/2012

Faz 50 anos que o cientista e divulgador de ciência José Reis(1907-2002), um dos fundadores da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, escreveu os conselhos a seguir. Ele não o fez na forma de conselhos propriamente ditos, mas como críticas e recomendações contidas no prefácio do livro didático Iniciação à ciência, de E.N da C. Andradee Julian Huxley, do qual foi o tradutor. 

Publicada no país em 1962 pelo então Ministério da Educação e Cultura, a obra foi uma importante iniciativa para melhorar o ensino de ciência no país. Surpreende ainda hoje por sua “linguagem simples, desprovida de terminologia especializada”, como disse José Reis, e por sua concepção de ensino de ciência baseada no “experimentar para aprender”. 

Para quem se propõe a ensinar e divulgar ciência e tem o livro – uma raridade – à mão, vale a pena ler o texto de José Reis. Vale também sempre ter em mente as suas recomendações preciosas para o dia a dia em sala de aula. 

Conheça abaixo algumas delas: 

Incentivar a dúvida e a curiosidade

"Ciência é, no fundo, originalidade, é iniciativa de investigar.”

Incutir a ideia de que ciência é processo

“Menos que o simples propagar de um corpo estático de conhecimento – que é o que entre nós se costuma fazer, e ainda assim mal – interessa incutir no aluno, pela experiência, a ideia de ciência como ‘processo’.”

Permitir a aproximação com a natureza

“[…] O que na verdade importa não é conhecer exemplos – não é citar a sapucaia, em vez do carvalho, que é europeu; ou a onça em lugar do tigre; ou um minério brasileiro em lugar do alemão –, mas aproximar o estudante da natureza e fazer com que ele aprenda, naturalmente, a usar o método científico na solução dos problemas…”

Tornar natural o uso do método científico na solução de problemas

"[…] Aprender a usar o método científico é aplicá-lo. Não apenas ouvir o mestre explicar em que ele consiste.”

Apresentar a ciência que interessa à formação do homem, à estrutura de seu pensamento

"Muito mais sentido tem em sua execução familiarizar com o hábito de pensar cientificamente do que sobrecarregar com ‘ideias inertes’, isto é, com fatos cujo sentido geral ele [o ensino] não penetrou.”

Partir da experiência diária, do fato, do concreto, dos fenômenos locais

“Não adiantar [ensinar] nenhum conceito sem antes haver chegado a ele pela experiência.”

Usar linguagem despida de termos técnicos, despojada de solenidades

“O uso de terminologia rigorosamente específica e técnica é para especialista. Insistir nela, no ensino elementar, é favorecer a tendência para confundir o nome com o conhecimento da coisa.”

 “O que verdadeiramente importa é conhecer as coisas e não as palavras com que tantas vezes douramos a própria ignorância.”

"Não se deve permitir que o excesso de precisão prejudique a naturalidade do ensino."

“A linguagem pode parecer até imprecisa, mas precisa ser viva.” 

Não pecar por excesso de pormenores

“[…] O professor precisa ter a coragem de ser simples, de suprimir a matéria que não lhe pareça fundamental.”

“[…] Ensinar pouco não é ensinar mal, e nem ensinar muito é ensinar bem. O que importa é ensinar bem; e ensinar bem, num determinado momento do aprendizado, é ensinar precisamente aquele quantum que o aluno não se sente disposto a esquecer passado o exame.” 

Ensinar a admirar-se diante das coisas

"Quanta coisa se pode observar diretamente com os olhos.”

***

[Vera Rita da Costa, do Ciência Hoje/ SP]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem