Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1033
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Mídia acuada cerra fileiras com Manning e Assange

Por Nelson de Sá em 11/06/2013 na edição 750

Seis meses atrás, o New York Times não enviou repórter para cobrir o depoimento de Bradley Manning, nas audiências preparatórias para o julgamento. Mas ontem [segunda-feira, 3/6], no início formal do julgamento, que deve se estender por julho e agosto, lá estava o repórter Charlie Savage – que alimentou a submanchete online ao longo da tarde e noite. Foi submanchete online também no Guardian, jornal britânico que, como o americano, havia rompido com o WikiLeaks. E foi manchete nos sites dos canais de notícias MSNBC, americano, e BBC, britânico, além de destaque no alto das páginas iniciais do Wall Street Journal ao Washington Post.

Em ação paralela, 18 organizações jornalísticas americanas, da Bloomberg à New Yorker, assinaram ontem carta cobrando da juíza mais acesso às informações do próprio julgamento. Passados seis meses, NYT e outros mudaram de atitude diante da revelação de que a repressão governamental aos vazamentos, antes focada no WikiLeaks, avançou contra a Associated Press e a Fox News. Foi preciso que as ações do Departamento de Justiça dos EUA chegassem às instituições mais tradicionais para o WikiLeaks, afinal, ser aceito como jornalismo – e não ativismo político.

Em sinal claro de que estava cerrando fileiras, o NYT publicou um dia antes um longo artigo de Julian Assange. Era uma resenha de livro, mas ele aproveitou para defender Manning, no final. Assange foi descrito pelo jornal, formalmente, como editor-chefe do WikiLeaks.

Ellsberg na defesa

Em outras palavras, para o NYT também os jornalistas e os informantes (whistleblowers) do WikiLeaks têm direito à proteção que a Constituição e as leis americanas devotam à imprensa.

Sintomaticamente, Bill Keller, ex-editor-chefe do NYT que comandou a ruptura com o WikiLeaks há três anos, ironizava ontem, num texto sobre a perseguição judicial do governo Obama aos jornalistas: “Nos últimos tempos, até a âncora da Fox News Megyn Kelly anda soando como Daniel Ellsberg.”

Ellsberg, hoje um dos grandes defensores de Bradley Manning, foi a fonte governamental que passou ao NYT os Papéis do Pentágono – que revelaram a verdade sobre as ações americanas no Vietnã e abreviaram a guerra.

******

Nelson de Sá, da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem