Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Estado corrupto e estado violento: a conjunção

Por Alberto Dines em 30/05/2015 na edição 852

Hora de mudar hábitos e trocar rotinas: acostumados a acompanhar os escândalos nas páginas de política, a violência urbana no noticiário local e os desmandos no futebol nos cadernos de esporte, agora se tornou impossível escapar do confronto com a totalidade.

Estamos condenados ao holismo, não há alternativas: o tamanho e concomitância das nossas desgraças nos obriga encará-las como aberração única, expandida e integrada. A complacência e, sobretudo, a impunidade colocaram ao lado do gigante adormecido outro gigante, desperto e esperto que maliciosamente juntou num único pacote aquilo que por comodismo sempre tratamos de forma descuidada e fragmentada.

Os assombrosos resultados da Operação Lava Jato, o pavoroso crescimento da delinquência nas ruas e, agora, o encarceramento na Suíça de um dirigente máximo do nosso futebol não são ficções. Esta consolidação dos ilícitos não é casual, não estamos nos capítulos finais de uma telenovela com pretensões planetárias nem diante de uma fábula catastrofista.

A realidade, ela sim, assume conotações apocalípticas porque perversamente nos distrai com querelas secundárias – maioridade penal, distritos eleitorais, shopping no Parlamento etc., etc. – e nos faz esquecer de mazelas descomunais: o presidente da Câmara dos Deputados assim como o seu colega, presidente do Senado e chefe do Legislativo, não têm no momento legitimidade para propor, debater e votar emendas à Constituição. Incluídos nas investigações conduzidas pela Procuradoria Geral da República, no chamado petrolão, estão sob suspeita.

Estado corrompido

Em sociedades onde impera a decência e a compostura, incriminados em qualquer ação de improbidade se afastam voluntariamente de funções onde sua atuação possa ser eventualmente questionada. Aqui, ao contrário, a praxe é agarrar-se ostensivamente ao poder até como prova de inocência. E, assim, assistimos impassíveis ao deprimente espetáculo – digno do Coliseu Romano – de uma Carta Magna sendo emendada por representantes do povo com idoneidade ainda não comprovada.

Normal, ninguém estrila ou esperneia. A sociedade se esgoela na discussão sobre a maioridade penal enquanto alguns cidadãos encanecidos sentem-se no direito de gozar de imunidades indevidas.

A impunidade é o cimento que junta os malfeitores da Petrobras com os delinquentes de rua e a bandidagem que rodeia os gramados de futebol. A extrema elasticidade na punição de certos pecados, ao longo dos séculos criou uma sociedade desatenta às infrações, conivente. O fenômeno da cartolagem não se restringe ao âmbito do nobre esporte bretão, todos se consideram imunes e inimputáveis, certos de seus privilégios.

Além de vulneráveis à tempestade perfeita na esfera socioeconômica estamos sendo convocados para uma tarefa urgente, inédita, no âmbito moral e político: o despertar para as dimensões do fenômeno sem colocar em risco o sistema que escolhemos para viver: a legalidade democrática.

Precisamos também reaprender a fazer os jornais contornando as inevitáveis cadernização e segmentações. Periódicos impressos contêm o universo em suas páginas, é preciso reproduzir esta amplitude para que os leitores possam percebê-la, avaliá-la e não se deixem enganar ou distrair.

O Estado corrompido é naturalmente violento. Nosso desafio é acabar com a causa e com o efeito, sem ferir o paciente. Coisa de adultos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem