Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

JORNAL DE DEBATES > IURD vs. IMPRENSA

Estratégia da Universal começa a fracassar

Por Rogério Christofoletti em 26/02/2008 na edição 474

No começo, era uma grande idéia. Exortar os fiéis a entrarem com ações em juizados especiais contra uma jornalista que pratica o preconceito religioso em suas matérias. E melhor: fazer isso pelo país todo, de forma a impedir que a ré possa estar em mais de uma audiência ao mesmo tempo. Com isso, alguns processos seriam julgados à revelia, e a jornalista ficaria intimidada. Deixaria de escrever besteiras e tal.


Pois essa foi a estratégia montada pela Igreja Universal do Reino de Deus em reação a reportagens que a repórter Elvira Lobato vinha publicando desde o ano passado na Folha de S.Paulo (para entender, clique aqui).


Semana passada, alguns movimentos no tabuleiro contribuíram para a estratégia começar a fazer água. Primeiro, a suspensão de 22 dispositivos da Lei de Imprensa pelo STF; e segundo, a derrota de algumas ações judiciais impetradas por fiéis.


Por partes.


O que manda a lei


A decisão – provisória! – do STF não atinge diretamente a ofensiva da Universal contra a Folha, A Tarde e o Extra. Não atinge porque o rebanho de Edir Macedo entrou com ações que têm como base não a Lei de Imprensa, mas os Códigos Civil e Penal. Logo, com o canetaço do STF, as ações não foram arquivadas. No entanto, o golpe é indireto: a liminar do STF chama a atenção da sociedade para a mídia, e mais simbolicamente para a liberdade de imprensa. Veja o que alegou o ministro do STF, Carlos Ayres Britto, que assinou o despacho:




‘A imprensa e a democracia são irmãs siamesas. Por isso que, em nosso país, a liberdade de expressão é a maior expressão da liberdade porquanto o que quer que seja pode ser dito por quem quer que seja.’


O que quero dizer é que o lance do STF ressalta a importância e o papel social que podem desempenhar os meios de comunicação na democracia. (O Estado de S.Paulo preparou um material bem didático sobre o que está sendo discutido com a Lei de Imprensa; clique aqui para ler. Aproveite e leia a esta matéria, aberta parcialmente para não-assinantes.)


Por outro lado, esses dias, mais duas ações de fiéis contra a Folha caíram por terra. Uma no Acre e outra no Paraná. E ambas foram rejeitadas por um argumento muito semelhante que pode ajudar a derrubar todas as demais ações: os fiéis que moveram as ações não têm legitimidade nelas. A matéria de Elvira Lobato não ofendeu os fiéis, mas se concentrou na forma como a Universal vem construindo seu imenso patrimônio e influência política.


Trocando em miúdos: os fiéis se queixam de algo que não aconteceu, logo a ação mingua… A jurisprudência está aí. Basta que outros juízes que não caem no joguinho universal sigam o que manda a lei. (Para se ter uma idéia, cerca de 60 ações foram ajuizadas pelo rebanho de Macedo em todo o país).


Ruim de trato


Na semana passada, os meios de comunicação ligados à Universal (Portal Arca Universal e Rede Record, por exemplo) alardearam declaração do presidente Lula que surtiu como uma defesa da igreja: ‘As pessoas escrevem o que querem, depois ouvem o que não querem’. Nenhuma novidade nisso: só é preciso lembrar que o vice de Lula, José Alencar, deixou o PL para entrar no Partido Republicano Brasileiro. Adivinhe de quem é o partido? Da Universal.


O que vem a seguir?


1. A Universal vai perder mais ações nas próximas semanas.


2. Outras ações devem ser impetradas, agora com nova sustentação, tentando dar nova força à ofensiva.


3. Folha de S.Paulo e os demais réus vão dar uma tripudiada com suas vitórias parciais.


4. No Congresso Nacional, o PDT vai capitalizar forças para derrubar de vez a Lei de Imprensa.


5. Se o PRB for esperto, vai ser aliado de Miro Teixeira. (Com isso, traz o PDT na sua cruzada…)


6. O PT – paquidérmico e ruim de trato com a mídia – vai ficar olhando a coisa e coçando o queixo.

******

Jornalista, doutor em Comunicação e professor de Legislação e Ética Jornalística da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), responsável pelo sítio Monitor de Mídia

Todos os comentários

  1. Comentou em 02/03/2008 Ivan Moraes

    ‘jornalista Diego Casagrande lançou um livro contando como o PT fez o mesmo’: diego Casagrande nao eh aquele camarada que se baba de entrevistar Mainardi no youtube? Ele nao tem credibilidade, e pra piorar, o coitado eh feinho e careca. O historico conta, ta bom? Historico de ataque a somente um lado nao funciona. E ele permanece coitado, feio, e careca.

  2. Comentou em 26/02/2008 Kleber Carvalho

    Aqui no Oi existem ‘vacas de presépio’ esparramadas por todas as seções.

  3. Comentou em 26/02/2008 Sidnei Brito

    Sejamos razoáveis: o presidente não saiu em defesa da Universal. Talvez fosse mais acertado dizer que ele saiu em defesa do Estado de Direito. As pessoas estão entrando na Justiça, juízes vêm decidindo, em alguns casos reconheceu-se a litigância de má-fé etc. Qual o problema? Se liberdade de imprensa é salvo-conduto para se falar o que quer sem assumir as responsabilidades, então vamos aplaudir as tais reportagens da Record sobre a repórter Elvira Lobato! Ora, vamos parar com isso…

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem