Sábado, 15 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Imprensa sem rumo na guerra do dia-a-dia

Por Carlos Castilho em 17/10/2008 na edição 507

A batalha campal entre policiais militares e policiais civis em São Paulo, na quinta-feira (16/10), foi tratada pelos principais telejornais do país apenas pelo lado factual. Nem a Bandeirantes e nem a Globo ousaram ir um centímetro além do que todos estavam vendo num episódio que aumentou a sensação de orfandade da população em matéria de segurança pública.


Nenhuma das emissoras procurou contextualizar minimamente os fatos para dar aos seus respectivos públicos condições básica as para entender o que aconteceu. Foi um exemplo de jornalismo de observação asséptica, em que o máximo que o telespectador conseguiu foi conhecer a opinião óbvia do governador José Serra (‘foi uma ação eleitoreira da CUT’) e as explicações enigmáticas de um dos líderes dos grevistas na polícia civil (‘fomos atacados injustificadamente’).


O tiroteio e a pancadaria, em São Paulo, entre os agentes da lei e da ordem aconteceu na mesma semana em que os telejornais mostraram cenas de guerra no centro do Rio, com policiais militares atirando a esmo no meio da população. Particularmente chocante foi a cena de um PM carioca, cercado por transeuntes, disparar mais de 20 vezes o seu fuzil automático contra um alvo indefinido, supostamente localizado no alto de um morro a centenas de metros de distância.


Alternativa criativa


Tanto um episódio como o outro, independente de suas motivações e objetivos, mostrou que as forças de segurança deste país se desorientaram na guerra contra o crime organizado e perderam a noção de que seu objetivo é proteger a população. O transeunte passa a ser um estorvo na guerra particular entre policiais e bandidos – na qual, ao que tudo indica, a segurança pública tornou-se um mero pretexto.


Numa conjuntura como esta, a imprensa tem a obrigação de ir além daquilo que todos estamos vendo na tela da TV ou nas fotografias. É preciso buscar o contexto dessa crise por que, senão, para que serve a imprensa? A população está perdida no meio desta guerra e o único recurso que ela tem para reverter o quadro é a informação contextualizada.


Notícias nós já temos aos montes com todos os flashes informativos, helicópteros, unidades móveis, câmeras ocultas, grampos etc., etc. Falta a informação que nos permita identificar os significados das ações que estamos assistindo para, a partir daí, tirar conclusões e definir ações.


Se a imprensa não conseguir cumprir esta missão, muito provavelmente ela será atropelada pelos blogs, porque a criatividade individual acabará encontrando uma alternativa para a busca de informações.

******

Jornalista, editor do blog Código Aberto

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem