Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Jornalistas questionam cobertura do seqüestro

Por Pedro Peduzzi em 21/10/2008 na edição 508

A cobertura do seqüestro de duas menores em Santo André, São Paulo, foi um dos casos mais comentados na mesa redonda que abriu o 2° Encontro de Professores de Jornalismo do Distrito Federal, Goiás e Tocantins, no domingo (18/10). Formada pelos jornalistas Sylvio Costa, André Deak, Gustavo Krieger e Vicente Tardin e pelos professores do curso de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) Zélia Leal e David Renault, a mesa teve por tema a formação e o papel do jornalista multimídia na sociedade moderna.

A necessidade de noticiar rapidamente os fatos, segundo a professora e jornalista Zélia Leal, tem relação direta com o erro cometido pelos veículos que anunciaram, sábado (17), a morte de Eloá Cristina Pimentel, uma das menores seqüestradas. Apesar do estado gravíssimo em que se encontra, Eloá está viva, internada no Centro Hospitalar Santo André, em São Paulo.

‘Ontem, a versão online de um jornal paulista `desmatou´ uma garota. E, infelizmente, a manchete errada, publicada anteriormente, se espalhou por diversos outros sites’, lamentou Krieger, do jornal Correio Braziliense.

Segundo Krieger, nem todo jornalista tem a preocupação de checar a veracidade da informação antes de publicá-la. ‘Já ouvi colegas dizendo que é melhor dar a notícia errada antes do que a certa depois’.

Motivação econômica

‘Um outro caso interessante de ser lembrado é o da eleição do [ex-deputado] Severino Cavalcanti para a Presidência da Câmara dos Deputados. Toda a imprensa errou, ao tentar antecipar a vitória do deputado Luiz Eduardo Greenhalgh’, acrescentou o diretor do site Congresso em Foco, Sylvio Costa.

A adaptação dos jornalistas às novas tecnologias foi muito debatida na mesa redonda. Autora de um estudo comparativo entre o jornalismo online brasileiro e o francês, Zélia Leal questionou a intenção das empresas ao motivar o perfil multimídia dos jornalistas.

‘Na absoluta maioria dos casos, a motivação é exclusivamente econômica, e não a busca pela qualidade’, argumentou. ‘A exploração do trabalho do profissional jornalista pode – mas não precisa – ser a motivação das empresas’, complementou Krieger.

******

Da Agência Brasil

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem