Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

JORNAL DE DEBATES > CAIXA DE PANDORA

Lições do escândalo que não terminou

Por Venício A. de Lima em 16/02/2010 na edição 577

O poeta candango Nicolas Behr conseguiu sintetizar com humor o desconforto envergonhado que, nas últimas semanas, aflige a imensa maioria daqueles que, honestamente, trabalhamos e residimos em Brasília. Ele passou a usar uma camiseta com a frase: ‘Sou de Brasília. Mas juro que sou inocente!’.


Muito já foi dito sobre o comportamento da mídia local, sobretudo o Correio Braziliense, o jornal de maior circulação no Distrito Federal (ver, neste OI, ‘Sugestão de pauta para reunião da ANJ‘), e, certamente, muita água ainda vai rolar debaixo da ponte desse imenso escândalo que envolve a ‘turma’ que controla o Governo do Distrito Federal (GDF) há muitos anos. Todavia, para o observador da mídia, lições já podem e devem ser tiradas. Aí vão algumas delas:


1. A mídia – nacional e local – não acompanhou os desdobramentos do pedido de providências judiciais encaminhado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) à Procuradoria Geral de República (PGR) no dia 9 de fevereiro, terça feira. O pedido incluía o afastamento de Arruda da chefia do GDF e sua prisão preventiva. Na quinta-feira (11/2), dia da prisão, todos parecem ter sido pegos de surpresa, pois não foram capazes de antecipar nem a ação do PGR e muito menos a rápida decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Na verdade, no dia 11, a capa do Correio Braziliense não trouxe uma única referência ao assunto (a manchete principal era sobre a elevação das taxas de juros), e a última página do caderno ‘Cidades’, que vinha sendo reservada para a discretíssima e enviesada cobertura do escândalo, destaca as relações do jornalista Edson ‘Sombra’ com ‘personalidades’ que ‘transitam entre grupos políticos de diferentes correntes’.


Debaixo dos panos


2. A rapidez com que a informação de que o STJ estava votando o pedido de prisão de Arruda se espalhou pelo Distrito Federal, na tarde de quinta-feira (11), é mais uma comprovação da imensa capilaridade da internet. Celulares, emails, twitters e blogs estiveram quase sempre à frente das agências de notícias tradicionais.


3. Registre-se a inacreditável ‘virada’ na cobertura do Correio Braziliense a partir do afastamento e prisão de Arruda: o que era cuidadosamente escondido passou a ser tratado em manchetes de primeira página. Na sexta-feira (12/2), por exemplo, toda a capa do jornal é sobre o escândalo e a manchete principal berrava: ‘Arruda é preso. DF sob ameaça de intervenção’. Logo abaixo, em letras vermelhas, um trecho do voto do ministro relator no STJ: ‘A organização criminosa instalada no GDF continua valendo-se de poder econômico e político para atrapalhar as investigações e, assim, garantir a impunidade’.


4. A apuração do escândalo começa a revelar o submundo de uma imprensa quase clandestina de jornais e revistas que existe e prolifera no Distrito Federal (ver, no Observatório, ‘A outra caixa de Pandora‘). Quem já ouvira falar antes neste jornal O Distrital, cujo proprietário é o jornalista Edson Sombra? Não será surpresa se ainda outros jornalistas e veículos de comunicação surgirem como envolvidos no decorrer das investigações.


5. A forma como a grande mídia tem coberto o chamado ‘mensalão do DEM de Brasília’ certamente merece uma comparação detalhada com as coberturas anteriores dedicadas aos chamados ‘mensalões’ do PSDB de Minas Gerais e do PT. É impossível não lembrar que há muito pouco tempo, Arruda, ex-líder do governo FHC no Senado Federal, era celebrado como exemplo de bom administrador, credenciado, inclusive, como uma das alternativas do DEM para vice na chapa de José Serra à presidência da República em 2010 (ver, por exemplo, ‘Ele deu a volta por cima‘, ‘Páginas Amarelas’ de Veja, edição 2121, de 15/7/2009).


Muito ainda haverá de ser desvendado e revelado publicamente, com certeza.


Esperança e desalento


Apesar da esperança de melhores dias, registre-se certo desalento que é impossível evitar em conjunturas como esta. As ações da PF, do MP e do Judiciário, além da esperada punição de todos os culpados, não eliminam uma sensação de impotência diante de tamanha desfaçatez por parte de políticos profissionais.


E, claro, também por parte de grupos de mídia que apenas confirmam seu total desprezo pela ética jornalística e pelo interesse público.

******

Pesquisador sênior do Núcleo de Estudos sobre Mídia e Política (NEMP) da Universidade de Brasília e autor, entre outros, de Diálogos da Perplexidade – reflexões críticas sobre a mídia, com Bernardo Kucinski (Editora Fundação Perseu Abramo, 2009)

Todos os comentários

  1. Comentou em 17/02/2010 Moyses Ferreira Nunes

    …1) o elo com a ‘justiça’, quebrou a corrente!
    2) óbvio!
    3) resolveram mudar de lado ou jogar um boi para piranhas
    4) lavagem de ‘informação’?
    5) é só lembrar do circulo de oração ao ditribuidor ou entregador de dinheiro.

    Infelizmente fica a mostra a mais completa e escancarada associação criminosa destes meios.

  2. Comentou em 16/02/2010 Mario Avila de Jesus

    Millôr Fernandes disse que jornalismo é oposição e o resto é armazém de secos e molhados. Ainda não conhecemos, no Brasil, com raras e honrosas exceções, jornalismo ligado diretamente aos fatos, sem a intermediação despótica das Agências, dos Aquários, dos Interesses Econômicos. Dizem que houve antes de 64 – não conheci.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem