Domingo, 16 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1041
Menu

ENTRE ASPAS >

Membro do Newspaper Project refuta previsão de fim dos jornais

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 13/02/2009 na edição 524

Leia abaixo a seleção de sexta-feira para a seção Entre Aspas.


************


O Estado de S. Paulo


Sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009


 


PREVISÕES
O Estado de S. Paulo


‘Indústria de jornais não vai desaparecer’


‘‘É muito fácil para os caras do Google falarem que toda informação pode ser gratuita, enquanto ganham bilhões de dólares vendendo anúncios em conteúdo produzido por outros.’ Com críticas àqueles que apregoam o fim dos jornais, o presidente da Parade Publications, Randy Siegel, defendeu a qualidade jornalística em entrevista dada à Columbia Journalist Review.


A Parade Publications produz uma revista encartada todos os domingos em cerca de 450 jornais americanos, e Siegel é um dos membros do Newspaper Project (‘Projeto Jornal’, em português), um grupo formado por editores e empresários que defendem as empresas jornalísticas e combatem o pessimismo sobre o setor criando sites, anúncios e mesas de discussão.


‘Dizer que você não precisa mais de editores é risível. É preciso treinamento profissional para conseguir condensar uma massa de informação em prosa legível para leitores do papel ou do online’, afirmou Siegel à publicação. ‘As empresas jornalísticas têm infraestrutura. Duvido que seu blogueiro favorito possa viajar ao Iraque para contar o que acontece por lá, depois entrar na Câmara Municipal e expor denúncias de corrupção. Jornalistas de qualidade sempre terão um papel importante na sociedade.’


Ele discorda que os jornais venham a acabar. ‘Chamamos ?jornal? tudo o que uma empresa jornalística produz, impresso ou em seu site’, diz. ‘É uma indústria de US$ 55 bilhões ao ano e 100 milhões de clientes satisfeitos ao dia. Isso não vai desaparecer da noite para o dia, apesar dos desejos de alguns ditos videntes.’


Siegel apoia a criação, tanto nos impressos como nas redes sociais, de espaço para interação e discussão dos leitores. ‘Eliminar páginas editoriais é um erro. As pessoas têm fome por uma gama maior de pontos de vista, e querem ter espaço para discutir.’


Na edição da última segunda-feira do New York Times, o Newspaper Project publicou um anúncio de página inteira que dizia: ‘Mais pessoas lerão um jornal hoje do que assistiram ao jogo de ontem.’ Siegel afirma que isso ocorre porque, ‘no fim do dia, a preocupação é servir aos leitores’.’


 


 


PROPAGANDA
Angela Lacerda e Monica Bernardes


Lula ignora críticas de FHC e mantém campanha pró-Dilma


‘Indiferente às críticas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – que na véspera o acusara de antecipar a campanha ao Palácio do Planalto -, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva manteve o tom de promoção eleitoral da ministra Dilma Rousseff. Em discurso, ontem, durante uma visita às obras de duplicação da BR-101, no município de Escada (PE), Lula voltou a rasgar elogios à atuação da ministra e atribuiu a ela ‘a responsabilidade pelo sonho da duplicação tornar-se realidade’. Horas antes, em Salgueiro (PE), no lançamento da obra de extensão da Ferrovia Transnordestina, o presidente foi mais cauteloso e deixou para dois ministros a incumbência de promover sua candidata predileta à Presidência em 2010.


Em Escada, Dilma acenou para os presentes, distribuiu sorrisos e posou para fotos com operários e populares que conseguiram furar o bloqueio da segurança. Ao fim da solenidade, até se atrasou ao atender operários que queriam fotos a seu lado e autógrafos. Lula a aguardava para a foto oficial, ao lado do governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB).


O trecho visitado pela comitiva presidencial corresponde ao 7º lote das obras de restauração e duplicação da BR-101, entre Pernambuco e Alagoas. A obra, que tem 43,9 quilômetros de extensão e integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), está orçada em mais de R$ 291 milhões e deverá ser concluída até dezembro.


PALANQUE


Na solenidade em Salgueiro, coube aos ministros da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, e dos Transportes, Alfredo Nascimento, o papel de cabos eleitorais de Dilma. Em discurso, destacaram a ‘ternura’ e o ‘carinho’ da ministra, apresentada como a grande responsável pelas obras do PAC. O evento marcou o início de construção de um trecho de 163 quilômetros da Ferrovia Transnordestina, que vai de Salgueiro a Trindade, em Pernambuco.


Em discurso empolgado, Geddel disse que a ministra trata cada projeto do PAC ‘da mesma forma que uma mãe deve tratar seu filho: carinhosa e estabelecendo metas’. Logo em seguida, Nascimento fez mais elogios. ‘Agradeço sua ternura pela obra que está acontecendo hoje’, disse, ao frisar que a construção da Transnordestina também é fruto da dureza e determinação da ministra. Ele destacou a ‘sorte’ do presidente Lula por ter ‘descoberto’ Dilma.


RECURSOS


A ministra mostrou-se sempre sorridente, acenou várias vezes para o público que lotou o local e fez discurso regionalista no palanque armado para apresentá-la à multidão, que enfrentou horas de espera sob calor escaldante. ‘O País não será desenvolvido enquanto o Nordeste não tiver mais estrutura, mais indústria e mais emprego’, afirmou.


Para ela, o palco da cerimônia – no qual estavam outros cinco ministros, os governadores de Pernambuco, Eduardo Campos, do Piauí, Wellington Dias, e do Ceará, Cid Gomes, além do presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, empresa controladora da Transnordestina – refletia o esforço do governo federal para resolver os problemas e realizar as obras necessárias. ‘Estamos mudando completamente a forma de distribuição dos recursos do governo para as diferentes regiões do País.’


Lula, que vestiu uma camisa do clube de futebol Carcará do Sertão, de Salgueiro, que lhe foi jogada por alguém do público, disse não ter sido fácil construir a engenharia financeira para viabilizar a Transnordestina. ‘Levamos quase três anos discutindo’.


Apesar de dizer que havia pedido a conclusão da obra até 2010, ele admitiu que os 1,7 mil quilômetros da ferrovia não deverão ser concluídos em seu governo. ‘Quando voltar outra vez, teremos feito mais um pedaço da ferrovia. E quando voltar, depois de 2010, vamos andar no trem que vai passar por aqui apitando e vocês vão lembrar que teve um presidente que pensou no Nordeste.’ A obra completa custa R$ 5,4 bilhões.’


 


 


INTERNET
O Estado de S. Paulo


Bancos alertam para ataques da sexta-feira 13


‘Hoje, sexta-feira 13, é uma data em que fraudes eletrônicas costumam dobrar de quantidade em relação aos outros dias do ano. Por isso, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou ontem uma série de recomendações para que os internautas não caiam em ‘ciladas virtuais’.


Segundo a instituição, os internautas devem ter cuidado com mensagens suspeitas, recebidas por e-mail, que contenham arquivos anexados ou links no corpo do texto. A Febraban lembra que as fraudes eletrônicas são, em geral, praticadas por quadrilhas especializadas e compostas muitas vezes por criminosos ligados a crimes como tráfico de drogas e de armas.


A seguir alguns assuntos comuns em mensagens fraudulentas:


‘Você foi vítima de ação de despejo’;


‘Veja fotos inéditas do desastre aéreo’ de uma determinada companhia;


‘Confira fotos eróticas’ de um determinado artista;


‘Seu nome está na lista do Serasa. Clique aqui para saber detalhes’;


‘Recadastre sua senha. Clique aqui’, em nome de um determinado banco;


‘Febraban e bancos desenvolvem módulo de segurança. Para obtê-lo, clique aqui.’


Outras dicas para o uso seguro da internet são desconfiar sempre das histórias recebidas pela internet, principalmente quando oferecem vantagens ou ganhos fora do comum; não clicar em links desconhecidos, por mais atraente que seja a história contada; conhecer bem o site do seu banco e prestar muita atenção a qualquer anormalidade. Além disso, é prudente entrar em contato com o banco sempre que suspeitar de alguma irregularidade e manter seu micro com um antivírus atualizado e com um software de proteção contra ataques pela internet (firewall).’


 


 


IMAGEM
Fábio Vendrame


Phelps, agora, está virando o ‘Mr. I?m Sorry’


‘Michael Phelps jamais poderia imaginar quanta dor de cabeça rendem umas tragadas de maconha. Desde que foi flagrado com a boca na botija – no caso um ‘bong’, ferramenta usada para potencializar os efeitos da erva -, o maior vencedor olímpico da história tem se dedicado a desfiar um relicário de desculpas por onde quer que vá. Ontem foi a vez de ele se justificar aos chineses, que, por sinal, ficaram a princípio sem entender bem o motivo da atitude, revelado pouco tempo depois. Phelps participa de uma campanha publicitária para a fabricante de automóveis Mazda no país oriental. Portanto, foi orientado pelo departamento de marketing da empresa a ‘limpar sua barra’ com os consumidores locais, antes mesmo de ser questionado a respeito de seu comportamento impróprio.


‘Como todos sabem, recentemente tive um comportamento lamentável, e não é isso o que o povo espera de mim’, diz Phelps em um vídeo veiculado na internet chinesa com legendas em mandarim. ‘Os últimos dias têm sido muito duros para mim, mas tenho recebido apoio e sido encorajado via internet por muitos amigos chineses’, continua o multicampeão olímpico. ‘Por favor, aprendam a lição e ajam de forma correta na vida.’


Segundo o jornal chinês Southern Metropolis Daily, a campanha publicitária da empresa automobística teria rendido ao nadador algo em torno de US$ 1 milhão (R$ 2,28 milhões). O que não deixa de representar, de certa forma, uma redenção para Phelps. Afinal, ele ficou sabendo há pouco tempo que não terá renovado seu acordo de patrocínio com a Kellogg?s, tradicional fabricante de cereais e um dos ícones da família americana, que se encerrará no fim do mês. O que certamente foi interpretado por ele como um puxão de orelhas por sua atitude politicamente inconveniente.


Enquanto Phelps tem tido tempo de sobra para se dedicar ao resgate de sua imagem, já que foi suspenso de competições por três meses, seus companheiros de balada têm se deparado com uma saia-justa daquelas. A polícia da Carolina do Sul, onde ocorreu a fatídica festa esfumaçada, já mandou prender oito dos convivas. E mandou confiscar o famoso bong, que seria leiloado por US$ 100 mil.’


 


 


TELEVISÃO
Keila Jimenez


Público foge do BBB


‘Participantes da terceira idade, casa de vidro, quarto do pânico, superlotação de anunciantes… Nenhuma das novas invenções do Big Brother Brasil foi capaz de frear a fuga de público da 9ª edição do reality show. O programa da Globo continua mobilizando ibope e repercutindo, é fato, mas não como antes.


Segundo medição do Ibope na Grande São Paulo, no primeiro mês do BBB 9, a atração sofreu uma queda de mais de 30% de audiência e de 24% de share (participação entre o total de TVs ligadas no horário) em relação à edição de 2005, uma das mais bem-sucedidas da história do programa.


De 13 de janeiro a 8 de fevereiro, o BBB 9 registrou média de 31,4 pontos e share de 50%. Em seu primeiro mês no ar, o BBB 8 obteve média de 35 pontos e share de 54%. Já na sétima edição, o share ficou na casa dos 58% e a audiência, em 39 pontos.


As maiores quedas são sentidas em dias de paredão, às terças-feiras. O dessa semana, que marcou a saída do participante Ton, registrou média de 34 pontos. Vale lembrar que a média dos paredões da última edição do programa – que nem foi das melhores – ficava na casa dos 37 pontos.’


 


 


 


************


Folha de S. Paulo


Sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009


 


SARNEY
Painel do Leitor


Maranhão


‘‘Ao contrário do que afirmou neste ‘Painel do Leitor’ em 11/2 o diretor de jornalismo da TV Mirante, senhor Rômulo Barbosa, as empresas de comunicação da família Sarney usam e abusam desses instrumentos para fins políticos.


Uma rápida pesquisa nas mais recentes reportagens produzidas e veiculadas pela TV Mirante confirma isso.


Mas coube ao próprio senador Sarney dizer, em entrevista à revista ‘CartaCapital’ (edição 369, de 23 de novembro de 2005), que pertence a uma família simples e que ‘a única participação em empresas é relativa à atividade política: jornal, rádio e televisão’. Na mesma reportagem, o atual presidente do Senado salienta que tem uma pequena televisão, ‘e por motivos políticos.


Se não fôssemos políticos, não teríamos necessidade de ter meios de comunicação’.’


ALDIONOR SALGADO , jornalista e subchefe da Casa Civil do Governo do Estado do Maranhão (São Luís, MA)’


 


 


COLUNA
Folha de S. Paulo


Cesar Maia estreia amanhã como colunista da Folha


‘Prefeito do Rio de Janeiro por três mandatos, o economista Cesar Maia, 63, estreia amanhã como colunista da Folha. Seus artigos sairão aos sábados na página A2.


Maia elenca quais serão os temas de seus textos: ‘Política e economia nacionais e internacionais, prospecções sobre a atual crise, e temas teóricos de aplicação conjuntural’. Amanhã, ele tratará da ‘desintegração do Poder Legislativo brasileiro’.


Um dos líderes do oposicionista DEM -que é presidido por seu filho, o deputado federal Rodrigo Maia-, Maia ressalta que não usará o espaço como uma arena de críticas ao presidente Lula: ‘Falar da desintegração do Poder Legislativo brasileiro é falar das relações com o Executivo. Focalizar personalizando, nunca’, diz.


Seu objetivo é que os artigos não se limitem a analisar os fatos da semana: ‘O fundamental é que a coluna agregue informações a quem a lê e não seja mera versão dos assuntos já tratados’.


Maia é um leitor assíduo de jornais nacionais e estrangeiros, além de se dedicar a estudos sobre mídia.


Em seu último mandato como prefeito, encerrado em 31 de dezembro passado, ele exerceu também a função de comentarista político e econômico em seu blog, criado no início de 2005 e transformado, em outubro do mesmo ano, numa mensagem enviada a cerca de 30 mil assinantes gratuitos, entre eles 400 jornalistas. O ex-blog, como o e-mail foi batizado, foi suspenso em 1º de janeiro, mas voltará a circular, reformulado, em 1º de março.


Cesar Epitácio Maia é carioca, filho de um engenheiro e uma professora, e ingressou na política pela porta da militância estudantil.


Após o golpe militar de 1964, integrou-se ao então clandestino PCB. Visado, exilou-se no Chile, onde se formou economista estudando ao lado do hoje governador de São Paulo, José Serra, e se casou com Mariangeles Ibarra. Tem dois filhos.


Voltou ao Brasil em 1973. Maia acabou sendo preso no aeroporto, mas três meses depois seu processo foi arquivado por falta de provas.


Era professor de economia da UFF (Universidade Federal Fluminense) quando se filiou ao PDT, em 1981. No ano seguinte, Leonel Brizola se elegeu governador do Rio e convidou Maia para ocupar a Secretaria de Fazenda.


Conquistou dois mandatos de deputado federal, em 1986 e em 1990. Em 1992, já no PMDB, tornou-se prefeito do Rio pela primeira vez.


Quatro anos depois, no PFL (hoje DEM), conseguiu eleger para seu lugar Luiz Paulo Conde, com quem romperia mais tarde. Perdeu para Anthony Garotinho a disputa pelo governo do Estado em 1998, mas voltou a ganhar as eleições para a prefeito do Rio em 2000 e 2004.’


 


 


TODA MÍDIA
Nelson de Sá


Bilhões de burgueses


‘A nova ‘Economist’ vem com especial sobre ‘As novas classes médias nos mercados emergentes’, título geral dos mais de dez textos. A introdução traz a foto e descreve a cena de uma multidão diante da loja das Casas Bahias na favela de Paraisópolis. ‘Esta é a nova classe média dos emergentes indo às compras.’ O texto saúda, em destaque, que ‘pela primeira vez na história mais de metade do mundo é classe média, graças ao crescimento nos emergentes’. No editorial ‘Mais dois bilhões de burgueses’, a revista avalia que ‘a ascensão da nova classe média mudou o mundo’, mas: ‘E se eles mergulharem de volta na pobreza?’. Alerta para o efeito de um ‘crash’ sobre ‘o progresso feito recentemente em direção à democracia e à estabilidade política’.


EUA VS. BRICS


Análise da Bloomberg, destacada no ‘International Herald Tribune’, chama a atenção para a recuperação nas Bolsas dos Brics, que não é ‘sinal bastante de resistência’, mas mostra que as ações ‘não morreram’. Por outro lado, a Reuters avisa que o acordo parlamentar que manteve as cláusulas ‘Buy American’ no pacote de estímulo dos EUA foi elogiado por Europa e Japão, ‘mas China, Índia, Brasil e Rússia seguem prejudicados no plano de obras públicas’.


G20 VS. EUA


O ‘Wall Street Journal’ noticia que a Coreia do Sul quer focar o questionamento do protecionismo na agenda _que prepara junto com Reino Unido e Brasil da cúpula do G20 em abril, em Londres. O encontro vai reunir ricos e emergentes e o alvo seria o ‘Buy American’. No ‘Valor’, o correspondente Assis Moreira descreve ‘a aposta do Brasil no G20’ como catalisador da resposta global e coordenada contra a crise e por uma reforma do sistema financeiro.


AMBIÇÃO DA PETROBRAS


Mais da nova ‘Economist’, que saudou os ‘objetivos ambiciosos’ da Petrobras em seu plano de investimento, anunciado semanas atrás. O texto abre dizendo que, em meio à crise, ‘a coragem da Petrobras deve soar como um alívio para os brasileiros’. Em 12 anos, ‘se tudo acontecer dentro do planejado’, a estatal ‘e suas parceiras estrangeiras’ devem estar bombeando mais de metade da produção atual da Arábia Saudita.


‘PAC PAULISTA’


Foi manchete de portais e sites, no fim do dia. Era o ‘PAC paulista’, na descrição da Folha Online, ou o ‘PAC de Serra’, no site de ‘O Estado de S. Paulo’. Em destaque logo abaixo da manchete, no UOL, a reportagem ‘Serra nega viés político de pacote e joga responsabilidade para Lula’. No caso, lembrando que ‘o Estado não tem política monetária e não controla taxa de câmbio’.


PALANQUE


Enquanto Serra apresentava seu ‘PAC’ no evento paulista, a manchete do carioca Globo Online afirmava que o PSDB recorreria contra a ‘campanha antecipada de Dilma Rousseff’. No enunciado, ‘Obra do PAC vira palanque para Dilma’. O partido e o DEM seguiram FHC, que declarou anteontem que ‘a lei não permite’ a campanha.


MARIJUANA


O ex-presidente, após algum ostracismo, voltou ontem às páginas de ‘Washington Post’, ‘El País’ e até do Huffington Post, com o questionamento da ‘guerra às drogas’ dos EUA, que fez junto a outros ex-mandatários de Colômbia e México. No enunciado do correspondente espanhol, os três ‘pedem a descriminalização da marijuana’.


ESPERANÇA OU NÃO


Na manchete on-line do ‘WSJ’ , pela manhã, ‘Sinais de estabilidade’, mais a explicação de que, ‘mesmo com queda de empregos e lucros, alguns raios de estabilização estão surgindo nos mercados globais’. Já na manchete do fim do dia, ‘Diminuem as esperanças de recuperação dos economistas’, com a explicação de que uma pesquisa do ‘WSJ’ mostra que a maioria agora diz que, nos EUA, a ‘recuperação no segundo semestre é menos provável do que parecia meses atrás’.


EM FUGA


O ‘NYT’ deu que a crise atingiu o paraíso do petróleo em Dubai, onde dívidas são punidas com prisão, e levou 3.000 ocidentais a deixar seus carros no aeroporto e fugir’


 


 


REVOLTA
Folha de S. Paulo


Mãe de óctuplos diz estar sendo ameaçada e se esconde


‘A americana Nadya Suleman, 33, mãe dos primeiros óctuplos a sobreviverem mais de duas semanas, está abrigada em local não revelado, após receber ameaças de contribuintes revoltados porque impostos financiam a assistência social à família. A notícia foi divulgada por seu assessor de imagem.


Suleman já tinha seis filhos, entre 2 e 7 anos, quando se submeteu à inseminação artificial que resultou na gravidez dos óctuplos, e estima ter gasto US$ 100 mil em tratamentos.


Solteira e desempregada, ela recebia US$ 490 em auxílio-alimentação e benefícios da Previdência Social para três das crianças -uma é autista, outra tem déficit de atenção e a terceira tem um ‘leve atraso no desenvolvimento da fala, com indícios de autismo’, segundo a mãe. Na Califórnia, o benefício social máximo por criança com deficiência é de US$ 793.


Nascidos em 26 de janeiro, os seis meninos e duas meninas seguem internados. Nos EUA não há sistema universal de saúde pública, mas o tratamento dos bebês é coberto pelo Medi-Cal, programa californiano de assistência médica a crianças de baixa renda. O custo médio do período de internação de um prematuro no Estado foi de US$ 164 mil em 2008.


O Conselho de Medicina da Califórnia investiga o médico responsável pelo tratamento de Suleman por violações éticas. A implantação de muitos embriões é desaconselhada, por resultar com frequência em gravidez múltipla, de alto risco.


O caso provocou ultraje na mídia americana. ‘Essa mulher está se aproveitando do sistema’, disse o radialista Bryan Suits, que defendeu a adoção das crianças de Suleman. Para Tim Rutten, colunista do ‘Los Angeles Times’, maior jornal da Califórnia, o caso é ‘grotesco’. Em entrevista, a avó dos óctuplos chamou a filha, que vive com ela, de ‘inconsequente’.


Suleman criou um site para arrecadar doações. Com dívidas de US$ 50 mil, ela disse que pretende contrair novos empréstimos para cobrir parte das despesas com as crianças, todas filhas biológicas do ex-namorado de Suleman, segundo a avó.’


 


 


TECNOLOGIA
Folha de S. Paulo


Microsoft pretende abrir lojas próprias como a rival Apple


‘A Microsoft anunciou ontem que pretende abrir lojas próprias, repetindo uma estratégia já adotada pela rival Apple. Ela, no entanto, não disse quantas lojas deseja operar nem em quais lugares e quando vai abri-las.


Segundo a empresa, ela pretende usar essas unidades ‘para melhorar a articulação e a demonstração da inovação e da proposta de valor da Microsoft’.


Para comandar essas operações, a maior fabricante de softwares mundial contratou David Porter, que trabalhou no estúdio DreamWorks e no Wal-Mart.


‘Existem tremendas oportunidades pela frente para a Microsoft criar uma experiência de compra maravilhosa para os nossos consumidores’, disse o executivo em comunicado.


Com a decisão, a Microsoft quer entrar em um nicho que a Apple hoje já ocupa, mas em um período extremamente complicado para o varejo nos EUA. A Circuit City, que era a segunda maior rede de eletrônicos norte-americana, quebrou no mês passado e mandou embora todos os seus 34 mil funcionários.’


 


 


ATAQUE
Sofia Fernandes e Malu Delgado


Para chanceler, há evidências de xenofobia


‘O chanceler Celso Amorim disse ontem que há claras evidências de xenofobia na agressão contra a advogada brasileira Paula Oliveira, 26, na Suíça.


‘A moça não foi assaltada, aparentemente não houve estupro. Não que essas outras coisas diminuíssem o caso, apenas denotam outra motivação.’


O ministro das Relações Exteriores telefonou para a cônsul-geral do Brasil na Suíça, Vitória Cleaver, pedindo que exija rapidez na investigação -nos meios diplomáticos, isso só ocorre em casos excepcionais.


Paula diz ter sido espancada e cortada com canivetes na segunda à noite em Dübendorf por três rapazes carecas, que ostentavam suásticas tatuadas.


A advogada, que mora legalmente no país, estava grávida de gêmeos, no terceiro mês de gestação. Ela perdeu os bebês e agora carrega cerca de cem marcas pelo corpo, de acordo com o pai da vítima, o assessor parlamentar Paulo Oliveira.


Nas pernas, os cortes formam a sigla SVP, iniciais em alemão do Partido Popular Suíço, de direita, contrário à presença de imigrantes no país.


Nos últimos anos, o SVP promoveu uma série de propagandas racistas. Em uma delas, ovelhas brancas chutavam para fora do mapa da Suíça ovelhas negras. Em outra, o partido afirma que o aumento da criminalidade na Suíça ocorreu por causa da imigração.


Grave e chocante


Amorim, que considerou o crime ‘grave’ e ‘chocante’, disse que, caso fique provado que a agressão teve motivação xenofóbica, o crime ganha proporções muito mais graves.


Constatada a xenofobia, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos pode entrar no caso, no sentido de pressionar a Suíça a endurecer a repressão a esse tipo de ato. ‘É preciso que fique claro que haverá uma investigação em todos os aspectos’, afirmou.


Vitória Cleaver afirmou que autoridades policiais que conduzem as investigações do caso disseram ontem que já há uma lista de ‘testemunhas indiretas’ que serão ouvidas, pois Paula estava sozinha na estação de trem no momento em que foi abordada. ‘A polícia tem cooperado. A conversa inicial não foi muito satisfatória. Mas hoje o nível da conversa foi elevado’, disse à Folha. A polícia suíça, relatou Vitória, enfatizou que conduzirá o caso com extremo sigilo, sobretudo para proteção de Paula e seus familiares. No entanto mostra-se disposta a concluir as investigações, disse a cônsul. ‘Vamos insistir exaustivamente nisso’, reiterou ela.


O encarregado de negócios da Embaixada da Suíça, Claude Crottaz, disse, antes mesmo de ser questionado sobre a motivação da agressão, que o país condena todo tipo de racismo.


Segundo ele, as investigações estão sendo conduzidas e ainda não há nenhuma conclusão, mas, caso seja constatado racismo, o episódio ‘não deve ser julgado de forma leve’. ‘Isso é muito grave’, disse Crottaz, que aceitou ontem o convite do Itamaraty para conversar sobre o caso.


O presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB), entregou pessoalmente ontem um protesto à embaixada.


O deputado se diz muito surpreso com o comportamento da polícia suíça e do pouco caso que a imprensa europeia tem dado ao assunto.


Crottaz, que está substituindo o embaixador enquanto este faz uma viagem, pediu ao deputado que não enxergue o país como xenofóbico, já que 25% (cerca de 1,5 milhão) da sua população é de imigrantes.


Não negou, contudo, a ação preocupante de grupos neonazistas, e disse que até os suíços partidários de uma maior abertura do país a imigrantes sofrem agressões.


‘Não vamos deixar essa coisa barato’, disse o deputado, dizendo estar receoso de que a Europa passe a tratar esses casos como corriqueiros.


Gadelha aproveitou a visita à embaixada para pedir que o Partido Popular, que ocupa 40% do parlamento suíço, se pronuncie sobre o caso.’


 


 


Jornal suíço diz que polícia avalia a hipótese de automutilação


‘Um dos mais importantes jornais da Suíça, o ‘Neue Zürcher Zeitung’, afirmou ontem em seu site (ww.nzz.ch) -em notícia publicada por volta das 21h30 locais- que a polícia trabalha com a hipótese de que a brasileira possa ter se automutilado. Segundo o jornal, as circunstâncias em que a agressão ocorreu ainda não estão claras.


A jovem foi interrogada e uma perícia realizada na estação onde o caso ocorreu. Ainda de acordo com a publicação, imagens de câmeras de segurança estão sendo analisadas.


Em comunicado distribuído ontem, a polícia suíça afirmou que ‘as circunstâncias exatas do ataque’ à advogada brasileira ‘não são claras’ e que investiga ‘em todas as direções’.


Leia a seguir a íntegra da nota da polícia de Zurique: ‘Na noite da segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009, a polícia da cidade de Zurique foi chamada à estação Stettbach, pois ali se encontrava uma mulher com ferimentos por corte. As circunstâncias em que os ferimentos foram feitos não estão claras. A polícia de Zurique está investigando e procura testemunhas. Pouco depois das 19h30, um homem fez contato telefônico com a polícia de Zurique pedindo socorro para uma mulher na estação Stettbach. No local, os policiais encontraram uma mulher brasileira, de 26 anos, que apresentava ferimentos por cortes superficiais. Em diferentes partes do corpo era possível identificar cortes em formato de letras, entre outros. A mulher afirmou que havia sido atacada por três homens desconhecidos, que a teriam maltratado com pisadas e a ferido com uma faca. Em seguida, ela disse que estava grávida e que, após o ataque, havia sofrido um aborto num banheiro da estação. O Serviço de Proteção e Salvamento de Zurique levou a mulher para um hospital para mais esclarecimentos.


No local do crime foi feita uma detalhada perícia. Por ora, não é possível dar esclarecimentos médicos. As circunstâncias exatas do ataque não são claras. A polícia de Zurique está investigando em todas as direções. Pede-se que as pessoas que tenham visto algo suspeito pouco depois das 19h30, no número 447 da rua Dübendorf, próximo à saída de emergência da estação, entrem em contato com a polícia no telefone 0-444-117-117. Por motivo de proteção pessoal e estratégia da investigação, não é possível no momento dar mais informações. Assim que houver outras descobertas vamos nos voltar de novo à imprensa.’’


 


 


TELEVISÃO
Daniel Castro


‘Lost’ é mais visto na web do que na TV paga


‘O seriado ‘Lost’ pode estar sendo mais visto na internet do que na TV paga brasileira.


Às 14h de ontem, o site Legendas.tv registrava 72.310 downloads das legendas em português do quarto episódio da quinta temporada de ‘Lost’, exibido nos EUA no último dia 4. Isso indica que em uma semana mais de 70 mil pessoas baixaram o episódio da rede.


Esses downloads são quase o dobro da audiência da primeira exibição no Brasil dos episódios da quarta temporada de ‘Lost’, pelo AXN, entre março e junho de 2008. Cada capítulo inédito teve uma audiência média de 38,1 mil pessoas por minuto. Esse número não considera a audiência das reprises.


O Legendas.tv é o mais popular site de downloads de legendas de séries e filmes. No início do mês, foi tirado do ar pelo servidor que o hospedava, em uma ação da Associação Anti-Pirataria Cinema e Música, que reúne os grandes estúdios e a Globo. Até ontem, o site operava em uma versão precária.


O download e legendagem de conteúdo audiovisual são considerados crime. As legendas são feitas por fãs.


‘Lost’ é atualmente o seriado mais procurado no Legendas.tv. O episódio mais buscado da quinta temporada de ‘House’, série mais vista da TV paga brasileira, não chegou a 22 mil downloads. Já ‘Heroes’ aproxima-se dos 45 mil downloads -ainda inferior ao episódio menos baixado de ‘Lost’.


MARÉ BAIXA 1


O ‘Jornal Nacional’, que já atingiu 52,8 pontos em maio de 2006, marcou só 24,8 anteontem na Grande SP. Foi a 21ª pior audiência do telejornal na década. Sua participação no total de TVs ligadas, de 43,8%, foi a quinta menor desde 2000.


MARÉ BAIXA 2


O ‘JN’ vem sofrendo com a queda no número de televisores ligados e, principalmente, com o desempenho sofrível, para os padrões da Globo, das novelas que o antecede. Ainda assim, o ‘JN’ deu mais do que o dobro do ibope do ‘Jornal da Record’ (10,9).


CINCO CANAIS


A Globo testará no Carnaval de São Paulo sistema de transmissão digital de áudio em 5.1. Mas quem tem home theater não terá acesso à novidade.


DESFALQUE


Otávio Mesquita, que no ano passado apareceu de barba grisalha para trabalhar em Olinda (PE), não participará da cobertura de Carnaval da Band neste ano. Chamado de Vovô Smurf, ele teve de tirar a barba. A Band diz que ele não atuará na folia porque já está no ‘Band Verão’.


REFORÇO


As ‘caras novas’ da Band neste Carnaval serão Lorena Calábria (em Recife) e a cantora Gilmelândia, em Salvador, além de Adriane Galisteu.


INTENSIVÃO


Profissionais da rede hispânica Telemundo, dos EUA, farão um curso intensivo sobre ‘O Clone’, na semana que vem, no Projac, central de estúdios da Globo. A emissora produzirá uma versão em espanhol da novela de Glória Perez.’


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem