Terça-feira, 16 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1008
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Não existe “buraco negro”, está tudo muito claro

Por Alberto Dines em 01/04/2008 na edição 479

Depois da última edição televisiva do Observatório da Imprensa (25/3) [ver ‘A quem interessa o Conselho de Comunicação Social‘], o imortal Arnaldo Niskier tornou-se candidato a concorrer ao título de cara-de-pau do ano.


Niskier foi indicado pelo senador José Sarney para presidir o Conselho de Comunicação Social no mandato 2005-2006. O senador José Sarney é proprietário de um grupo de comunicação no Maranhão e obedece, estrita e devotadamente, aos interesses do empresariado da mídia eletrônica.


A incrível desculpa apresentada por Niskier para o esvaziamento do CCS (que não se reúne há mais de 16 meses e até agora não foi reconstituído) é que se tratou de manobra dos grandes grupos de mídia eletrônica para evitar uma discussão pública sobre a questão da convergência tecnológica. ‘É um buraco negro’ explicou o acadêmico didaticamente.


Niskier era o representante dos grandes grupos de mídia eletrônica e aceitou a incumbência de presidir o Conselho para esvaziá-lo no mandato seguinte – essa é a verdade. Não existe buraco negro, está tudo muito claro.


Acerto prévio


O ex-presidente do CCS, o jurista José Paulo Cavalcanti Filho, participou ao vivo do programa e não deixou nenhuma dúvida quando afirmou que ‘faltou um pouco de fibra ao Conselho’. Quando se encerra o mandato dos conselheiros, ele é prorrogado automaticamente até a posse os próximos. O mandato de 2002 terminou em junho de 2004, e a posse dos novos titulares só ocorreu em fevereiro do ano seguinte. ‘Do ponto de vista técnico, o conselho não está funcionando porque não quer. Porque, tecnicamente, enquanto não houver a indicação dos novos membros, continua sem nenhum problema, como é a regra no Brasil para os conselhos’, completou Cavalcanti.


Arnaldo Niskier dissolveu o CCS antes de empossar os novos conselheiros seguindo um script previamente acertado. O ex-presidente do Senado, Renan Calheiros, não indicou os substitutos porque obedecia inicialmente ao mesmo script e depois, quando estourou o escândalo que o obrigou a renunciar, sentiu-se de desobrigado de fazer as indicações.


Inatividade encomendada


O atual presidente da Câmara Alta, senador Garibaldi Alves, prometeu um depoimento gravado para ser apresentado no programa – mas fugiu da raia e nem deu satisfações.


Com os inevitáveis desdobramentos da crise dos cartões corporativos e, em seguida, o início da campanha eleitoral, o Conselho de Comunicação Social corre o risco de ficar mais um ano no estaleiro. O tal buraco negro que Niskier mencionou no seu depoimento foi feito sob medida e ele o executou com maestria.


 


Leia também


Seqüestraram o Conselho de Comunicação Social – Alberto Dines


A quem interessa o Conselho de Comunicação Social –Lilia Diniz


CCS, o que é, o que faz


A letra da lei – A legislação que instituiu o Conselho de Comunicação Social


CCS, quase morto, quase enterrado – Alberto Dines


Nova etapa de uma luta antiga – Daniel Herz


‘CCS é personagem à procura de um autor’ – Luiz Egypto entrevista José Paulo Cavalcanti Filho


Concentração da mídia – Debates no Conselho de Comunicação Social


Dois anos de trabalho, um balanço – Leticia Nunes


Pela regionalização da produção de rádio e TV – Leticia Nunes


Faltou equilíbrio na composição do CCS – FNDC


Carta aberta ao presidente do Senado – Edgard Tavares


‘Não existe controle social dos meios de comunicação no Brasil’ – Luiz Egypto entrevista Venício A. de Lima

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem