Domingo, 18 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

JORNAL DE DEBATES >

O BB completou mesmo 200 anos de existência?

Por Alberto Dines em 14/10/2008 na edição 507

Foi legítima a publicação em todos os grandes jornais de capas promocionais (pagas em última análise pelo contribuinte), em comemoração ao bicentenário do Banco do Brasil?


Os jornais que publicaram a matéria paga fizeram algum tipo de investigação ou simplesmente alugaram sua página mais nobre para veicular um fato histórico recheado de dúvidas e reticências?


A verdade é que o Banco do Brasil teve várias fundações e refundações. Sua história não é linear como a da imprensa brasileira – que recentemente também completou 200 anos. Como lembra o professor Orlando de Barros, do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é preciso descontar os anos que vão entre 1829, quando o BB foi liquidado, e 1851, quando o Barão de Mauá o recriou e assim mesmo como banco privado, cuja marca estava ali para ser aproveitada.


O governo o endossou dois anos mais tarde, promovendo a fusão com o Banco Comercial do Rio de Janeiro. Portanto já se pode descontar 23 ou 25 anos, conforme o critério escolhido. Depois, o BB foi praticamente desativado com a concordata de Mauá, em 1875.


Retornou do sono letárgico nos anos 90 do século 19, mas só recebeu amparo da nova República em 1908. Daí em diante sua trajetória é nítida, sem lapsos. O bicentenário reduziu-se a algo próximo de um sesquicentenário.


Comemoração arquivada


Esta mesma imprensa que participou da orgia publicitária do domingo (12/10) recusou-se a comemorar o seu próprio bicentenário, embora sejam incontestes os três fatos relacionados com a sua fundação:


** A Impressão Régia foi comprovadamente criada em 13 de maio de 1808 e o país finalmente entrou na Era Gutenberg depois de 308 anos de embargo eclesiástico e 272 de censura inquisitorial.


** O Correio Braziliense foi impresso em Londres com a data de junho de 1808 e o seu primeiro texto está assinado por seu fundador, Hipólito da Costa, com a data de 1º de junho de 1808. Foi o primeiro jornal livre de censura a circular no Brasil e em Portugal.


** A primeira edição da Gazeta do Rio de Janeiro foi lançada em 10 de setembro de 1808 e, embora tenha trocado de nome, nunca perdeu a sua característica de jornal oficial (na primeira fase, ‘terceirizado’).


Apesar de tantas certezas, nossa imprensa arquivou a sua efeméride. Envergonhou-se de algo, antes ou depois da sua fundação. Se o Banco do Brasil ou Caixa Econômica pagassem alguns trocados a festa certamente não seria clandestina.


 


Leia também


Jornais optam pelo suicídio – A.D.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem