Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

JORNAL DE DEBATES > CASO HERZOG, 1975-2004

O Dossiê Herzog hoje

Por Mauro Malin em 02/11/2004 na edição 301

A edição de janeiro de 1976 do jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, trouxe a lista dos 851 jornalistas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre que assinaram o documento ‘Em nome da verdade’, enviado no dia 6 daquele mês à 1ª Auditoria Militar, no qual os signatários contestavam um relatório fraudulento sobre a morte de Vladimir Herzog. (Outras 153 assinaturas, entre elas todas as de Curitiba e Natal, não chegaram a tempo de ser publicadas; a soma dá 1.004). Herzog, diretor de telejornalismo da TV Cultura, fora assassinado em dependências policiais-militares no dia 25 de outubro de 1975.

‘Interessados na descoberta da verdade e na total elucidação dos fatos, por força mesmo da natureza da nossa profissão, vimos de público levantar algumas indagações, sugeridas pela leitura do Relatório do Inquérito Policial-Militar divulgado no último dia 20 de dezembro’, diz a abertura. Digna da melhor prática do jornalismo. O texto todo é completamente circunstanciado [veja, nesta rubrica, a íntegra do documento e a lista dos signatários] e revela absoluta lucidez política, porque se caminhava sobre o fio da navalha.

Era uma época de terror. Herzog havia sido morto e muitos outros jornalistas estavam ou viriam a ser presos, como Maurício Azêdo, signatário do documento, hoje presidente da ABI. Todos selvagemente torturados, e isso não havia quem não soubesse.

A morte de Herzog fora precedida de uma batalha política na própria imprensa. Enquanto Alberto Dines denunciava a perseguição na Folha de S.Paulo, no Shopping News Cláudio Marques dedurava e incitava a repressão.

Os signatários foram corajosos. E se cotizaram para republicar o manifesto no jornal O Estado de S.Paulo, que o aceitou (um dos assinaram foi Rui Mesquita Filho, hoje diretor do Estadão, e vários outros nomes eram da equipe desse jornal). Foi a eles que Fernando Pacheco Jordão dedicou seu extraordinário livro Dossiê Herzog – prisão, tortura e morte no Brasil.

Audálio Dantas, que era o presidente do Sindicato dos Jornalistas e foi o condutor do processo, conta como as coisas aconteceram [leia matéria nesta rubrica].

Nos próximos dias, Audálio fará contatos com a antiga diretoria do sindicato para propor que a lista seja reaberta, desta vez com o objetivo de reivindicar a abertura dos arquivos da repressão, como pediram nos últimos dias outros dois protagonistas daqueles episódios – o cardeal d. Paulo Evaristo Arns e o rabino Henry Sobel.

A maior homenagem que se pode fazer a Vladimir Herzog talvez seja afirmar que ele seria um dos signatários do manifesto se outro colega tivesse sido a vítima.


[Nas próximas páginas desta rubrica, veja os artigos de Audálio Dantas e de Márcio Chaer, matéria sobre a urgência da abertura dos arquivos da repressão, reprodução da coluna ‘Jornais dos Jornais’ (Alberto Dines) de 2/11/1975, e a íntegra do documento ‘Em nome da verdade’ (6/1/1976) com a lista dos signatários]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem