Domingo, 22 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

JORNAL DE DEBATES > MÍDIA & ORIENTE MÉDIO

O espírito de 1947

Por Alberto Dines em 25/09/2011 na edição 660

Publicado originalmente no Diário de S.Paulo, 25/9/2011

O perturbado calendário histórico do Oriente Médio ganhou na sexta-feira (23/9) um importante adendo quando Mahmud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina, formalizou o pedido ao Conselho de Segurança da ONU para que reconheça o Estado Palestino como membro pleno da comunidade internacional.

Recebido por um plenário majoritariamente favorável, o pleito palestino está envolvido por grandes expectativas porque no Conselho de Segurança enfrentará o veto certo dos EUA, ao qual poderão somar-se os da França e da Inglaterra.

Este 23 de setembro nos remete obrigatoriamente ao marco inicial deste calendário: o 29 de novembro de 1947, quando o plenário da ONU presidido por nosso Oswaldo Aranha, depois de uma dramática votação (33 a favor, 13 contra e 10 abstenções), aprovou a proposta de partilha da Palestina em dois Estados – um árabe e outro judeu – com o endosso ostensivo das duas superpotências, EUA e URSS (antiga Rússia).

Retórica cínica

Com 64 anos de atraso, um dos mais importantes líderes do mundo árabe acaba de legitimar a histórica Resolução 181 que já provocou seis guerras no diminuto e conturbado território conhecido como Terra Santa. A Partilha da Palestina finalmente parece em vias de concretizar-se. Razão pela qual o Irã e os radicais islâmicos do Hamas e Hizbollah continuam negando-a.

O que nos leva a três perguntas cruciais. Se os EUA tanto se empenharam pela solução da Partilha da Palestina – contrariando os interesses das grandes petroleiras americanas no Oriente Médio –, por que razão agora se opõem a uma resolução que em última análise consagra os seus compromissos com a criação e sobrevivência do Estado de Israel?

Se em 1947 as comunidades judaicas na Palestina e no resto do mundo rejubilaram-se com a decisão da Partilha, por que agora se opõem à sua complementação negando aos palestinos o status que o recém criado Estado de Israel obteve em 1949?

E, finalmente, se o presidente Barack Obama não esconde as suas simpatias pelo reconhecimento do Estado Palestino como primeiro passo para o apaziguamento do Oriente Médio, por que não consegue transformar suas convicções políticas e humanistas em ação política concreta?

Israel mudou: a coalizão de centro-esquerda que materializou o ideal sionista de retorno à Terra Prometida e produziu uma experiência política e cultural ímpar na história do mundo foi derrotada em 1977. E em 1995 foi espezinhada quando o general pacifista Yitzhak Rabin foi assassinado pelas costas por um fanático religioso contrário aos acordos de Oslo e tudo o que significasse reconhecimento dos direitos palestinos e a idéia dos dois estados.

Os sonhos produzidos pela Partilha desvaneceram-se tanto pela intransigência das lideranças árabes e palestinas como pela arrogância fabricada pelas vitórias militares israelenses. A atual retórica do premiê Benjamin Netanyahu em favor da paz é tardia e falsa. Chega a soar cínica. Se fosse verdadeira ele não teria permitido a ocupação do território palestino por assentamentos israelenses geralmente religiosos.

O que virá

A diáspora judaica também mudou: não vota, nem escolhe os governantes do Estado de Israel, mas prefere vê-lo forte, invencível, marcada ainda pelo luto do Holocausto e a recorrência contínua do antissemitismo.

Por isso, a grande mídia internacional não se fascina pelas profundas e perigosas cisões no seio da sociedade israelense. Na quinta-feira (22/9), um grupo de 300 celebridades (intelectuais, generais da reserva, artistas, ex-diplomatas, e ex-políticos com os escritores Amos Oz e David Grossman à frente) se reuniu em Tel-Aviv diante do prédio onde em 15 de maio de 1948 foi proclamado o Estado de Israel para pedir o imediato reconhecimento do Estado Palestino. Devidamente noticiado no exterior, o evento poderia lembrar à diáspora judaica que os manifestantes não eram traidores do sionismo mas, ao contrário, os legítimos herdeiros dos patriarcas fundadores do Estado.

A comunidade judaica dos EUA, a mais forte e influente no cadinho étnico do país, segue o mesmo paradigma que, nas eleições, ganha conotação absurda: em questões sociais e políticas vota com os democratas e progressistas, em política externa recusa liminarmente qualquer ação que possa significar o enfraquecimento de Israel.

Em plena campanha eleitoral, fustigado pelo fanatismo religioso do Tea Party (fervoroso adepto de Israel), Barack Obama converteu-se em refém de uma terrível trama bíblica. O espírito de 1947 poderá salvá-lo: dois Estados, fronteiras reconhecidas e, enfim, o equilíbrio. A convivência e a paz virão em seguida. Inevitáveis.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem