Terça-feira, 25 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 20 E 21/05

O Globo

23/05/2006 na edição 382

CAOS EM SP
Zuenir Ventura

E a mídia nisso tudo?

‘Passado o pior – espera-se – e já na fase pós-traumática em que se faz o balanço da onda de terror que varreu São Paulo, buscando causas e responsáveis, há que se discutir também o papel da mídia no episódio. Quase no calor da hora, uma pesquisa do Datafolha apontou os culpados. Os entrevistados distribuíram a culpa entre o Judiciário, os governos federal e estadual: Lula, Alckmin, Lembo. Mas não se falou da imprensa, o que é bom sinal. Mas será que não estamos sendo inocentes úteis? Olha o que teria declarado à TV Bandeirantes um dos bandidos: ‘A arma da gente é chamar a atenção, é procurar a mídia.’

Historicamente, sabe-se o quanto os jornais contribuíram para a glamourização de criminosos e para a promoção involuntária de seus crimes. Durante décadas, vigorou no Rio uma prática em que a banda podre da polícia manipulava repórteres policiais para ‘mineirar’ (extorquir) bandidos. Pautava um criminoso como ‘o mais perigoso da cidade’ e, quando ele chegava às primeiras páginas, prendia-o em segredo e soltava-o mediante pagamento. Quanto mais famoso, maior o valor da extorsão.

Hoje isso não existe como norma. Mas até que ponto, sem querer, não participamos da mitificação de bandidos? Ziraldo acaba de voltar de uma viagem de trabalho à Colômbia, onde aproveitou para tentar saber como Bogotá conseguiu baixar suas taxas de criminalidade. Constatou, por exemplo, que os intelectuais e jornalistas com quem conversava não sabiam o nome de um bandido sequer, simplesmente porque não sai publicado. Segundo lhe contaram, houve um acordo tácito da imprensa nesse sentido.

Claro que não foi só assim que se conseguiu diminuir o número de homicídios. Na verdade, houve uma eficaz combinação de medidas preventivas e repressivas: moralização e capacitação da polícia, formação de tropas de elite, centralização do combate às drogas, desarmamento, extradição de criminosos e inclusão social. A exemplo da luta contra a máfia na Itália, foram instituídos os ‘juízes sem rosto’ só para julgar traficantes e construíram-se penitenciárias de segurança máxima com implacável disciplina interna.

Ao voltar, Ziraldo estranhou algumas matérias de quase apologia ao bandido-chefe dos atentados. ‘Diziam que ele é leitor de Dante Alighieri e do filósofo chinês Sun Tzu, que é um líder inteligente, capaz de proezas etc. Tratamento digno de uma personalidade. Será que isso é fundamental para a liberdade de imprensa?’

Não é fácil encontrar a medida certa, já que é tênue a linha que separa o autocontrole da autocensura. Mas ele tem razão quando acha que algum cuidado deve ser tomado para evitar excessos de tolerância como tratar o maior traficante do Brasil pelo carinhoso diminutivo de ‘Fernandinho’. Há uns dois anos O GLOBO cessou de chamar pelos nomes as facções criminosas, e nem por isso a liberdade de informar sentiu-se prejudicada.’



******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo – 1

Folha de S. Paulo – 2

O Estado de S. Paulo – 1

O Estado de S. Paulo – 2

O Globo – 1

O Globo – 2

No Mínimo

Comunique-se

Último Segundo

Consultor Jurídico

Terra Magazine

Veja

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem