Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

JORNAL DE DEBATES > DEBATE DOS PRESIDENCIÁVEIS

Outra oportunidade perdida

Por Alberto Dines em 01/10/2010 na edição 609

Mais um debatóide – debate de mentirinha. O quinto e último encontro televisivo dos presidenciáveis, além de frustrante, foi enganoso.


Os principais adversários prometeram discutir propostas e entregaram embromação. Curvaram-se aos marqueteiros – estes, poderosos manipuladores da vontade popular – e evitaram se arriscar.


Não se enfrentaram, usaram os candidatos com menos votos como palanque para as suas pregações. Na verdade, quem freqüentou os palanques foram o presidente da República e os meios de comunicação, os postulantes estavam em outra.


O eleitor vai acionar a urna no domingo (3/10) tão preparado e tão consciente quanto os ministros do Supremo que, três dias antes das eleições, mais uma vez desautorizaram a Justiça Eleitoral e mudaram drasticamente a legislação vigente.


Papel da imprensa


Pior do que o debate fictício de quinta-feira (30/9) à noite na TV Globo foi a irresponsabilidade da mais alta corte ao tornar sem efeito a antiga exigência do título eleitoral. Em seu lugar, os meritíssimos querem apenas um documento oficial com foto.


A população correu para cumprir uma determinação da lei e na véspera do pleito é informada que não era para valer. Ao que tudo indica neste país nada é para valer. O que vale é a encenação.


Estas eleições foram alimentadas por factóides, debatóides, pesquisóides e, sobretudo, um plebiscitóide. Tudo fingido.


Estas eleições precisam ser passadas a limpo – foram uma fantasia, alimentada por uma imprensa que não sabe qual o seu futuro e até hoje não percebe qual o seu papel.

Todos os comentários

  1. Comentou em 03/10/2010 Carlos N Mendes

    Apenas não esquecendo que temos nossas ‘distorções’, distorções estas criadas com o intuito de manter partidos e políticos indigestos vivos e atuantes. Distorções estas que elegeram deputados federais com menos de 500 votos, como os do PRONA, arrastados para Brasília pelo mais folclórico voto de protesto que já tivemos, Enéas. Representatividade real e democrática nesse país é uma piada de mau gosto. Tanto mau gosto que muito voto de protesto contra Dilma será dado para o palhaço Tiririca que, para a surpresa de quase 100% de seus eleitores, faz parte da base aliada do Governo. Reforma política já.

  2. Comentou em 01/10/2010 Boris E. Dunas

    “Estas eleições (…) foram uma fantasia, alimentada por uma imprensa que não sabe qual o seu futuro e até hoje não percebe qual o seu papel”. De acordo. Essa é a mesma imprensa que “botou” Lulla lá; que sempre tratou de proteger o presidente de si mesmo; que omitiu a existência do Foro de São Paulo por quase duas décadas; que hoje trata como “supostas” as convicções da Dilma sobre aborto, p. exemplo, bem como cala a boca sobre o seu passado, e que ainda se acanalha abjetamente quando, não obstante a IMENSA folha de serviços prestados para a patota do poder, reage às reiteradas investidas totalitárias do PT em calar a imprensa como quem varre uma barata pra fora de casa, fingindo não se importar com os ratos, as cobras e os urubus que infestam e dominam o ambiente. Se a imprensa desconhece o seu futuro, sabe ao menos que será sombrio, pois sabe perfeitamente o que fez no passado. Por ser ela mesma a mãe (e o pai) da criança.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem