Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Para bom entendedor, meia-palavra basta

Por Ligia Martins de Almeida em 14/10/2008 na edição 507

A imprensa está perdendo uma extraordinária oportunidade de discutir preconceito e, especialmente, o uso que se faz dele durante campanhas eleitorais. O noticiário sobre a campanha de rádio e TV para o segundo turno em São Paulo é um prato feito para pautar o assunto. É só conferir as manchetes do noticiário político de São Paulo da segunda-feira (13/10):

** ‘Marta mira vida pessoal de Kassab e o vincula à ditadura’ (O Estado de S.Paulo)

** ‘Marta explora vida pessoal de Kassab, que recorre à Justiça’ (Folha de S.Paulo)

Para não correr o risco de questionamentos judiciais, os jornais tiveram o maior cuidado com a notícia sobre a propaganda de Marta, acreditando que para bom entendedor meia-palavra basta. Afinal, o simples fato de dizer que um homem de 48 anos é solteiro, já é suficiente para levantar suspeitas sobre sua sexualidade. Talvez por isso os jornais não tenham dito que, além de ser de baixo nível, a propaganda de Marta Suplicy desmente toda a trajetória da política que, em 1995, fez dos direitos dos homossexuais a sua grande bandeira, com o projeto que propunha dar a eles os mesmos direitos civis concedidos aos casais heterossexuais.

Os jornais preferiram lembrar as queixas de Marta sobre a eleição de 2004, quando, segundo ela, a separação acabou tendo papel decisivo na sua derrota ao candidatar-se à reeleição. O tema foi tratado em livro lançado às vésperas desta eleição e nele a candidata diz:

‘Ninguém me defendeu. Eduardo mostrou seu sofrimento em público e eu remoí minhas aflições em particular. Com isso, tornei-me a megera da história’.

O exemplo de McCain

Publicou o jornal O Estado de S.Paulo: ‘A propaganda petista ultrapassou a política, procurando atingir a imagem pessoal do oponente. Exibindo uma foto de Kassab em branco e preto, o locutor, num tom sombrio, fez indagações sobre o seu passado e a última pergunta era: ‘É casado? Tem filhos?’ E concluiu: ‘Para decidir certo, é preciso conhecer bem.’

A Folha de S.Paulo comenta que outro comercial de TV critica o passado político de Kassab e encerra com a questão: ‘Será que ele esconde mais coisas?’ Segundo o jornal, antes do debate da Band, a Folha perguntou a Marta se a propaganda não era contraditória com a sua biografia. ‘O que você está querendo insinuar?’, rebateu a petista. ‘São direitos de informação que todo mundo tem que ter.’

Os marqueteiros de Marta talvez tenham buscado inspiração na campanha do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos que, em situação de inferioridade nas pesquisas, começou a vincular anúncios dizendo que Obama dá medo. Mas, o candidato republicano é mais esperto do que a petista. Enquanto ela responde à imprensa dizendo que falar mal dos outros é apenas exercer o direito à informação, o republicano defende seu opositor, dizendo que o medo de que fala sua campanha é medo das políticas propostas, e não do candidato em si o qual, segundo McCain é ‘um homem de família, uma pessoa decente’.

Quem sabe o próximo repórter a entrevistar Marta Suplicy leve o exemplo do republicano e pergunte a ela se este é o comportamento que se espera de uma candidata que sempre se orgulhou de lutar contra os preconceitos.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem