Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > ELEIÇÕES 2010

Paradoxos soturnos às vésperas do segundo turno

Por Eugênio Bucci em 15/10/2010 na edição 611


.1.


Há dias, neste Observatório, anotei que a pecha de inimiga da liberdade de imprensa caiu sobre Dilma Rousseff, mas normalmente é José Serra que vitupera contra repórteres (ver ‘Memórias sonolentas para eleições violentas‘). Aconteceu agora outra vez, conforme registra a reportagem de Breno Costa na Folha de S.Paulo de quinta-feira (14/10).


O fato se deu na véspera, em Porto Alegre. O candidato do PSDB à Presidência acusou o jornal Valor Econômico de atuar em favor da adversária Dilma Rousseff. ‘Por duas vezes’, registra a Folha, ‘o tucano ignorou perguntas de jornalistas, afirmando que eram ‘pauta petista’.’ Segundo a Folha, o abespinhamento foi mais longe. Questionado pelo repórter do Valor sobre o caso do ex-diretor de engenharia da Dersa, Paulo Vieira de Souza, que teria desviado dinheiro de sua campanha, Serra reagiu: ‘O seu jornal faz manchete para o PT colocar no horário eleitoral’.


Por que ele faz isso? Provavelmente para se esquivar. Com a desqualificação dos órgãos de imprensa, o tucano pretende eximir-se do imperativo de responder as perguntas que o público tem todo o direito de formular. E agora convivamos com essa: o jornal Valor Econômico é petista e está a serviço do rousseffismo. Não é possível que Serra acredite no que diz. Ou, melhor, possível talvez seja, mas é inacreditável que ele acredite no inacreditável.


Quanto aos leitores do jornal, esses então merecem apenas o desprezo. Esses leitores, que também são eleitores, bem que apreciariam bastante um esclarecimento, por parte do candidato tucano, sobre as acusações de que o ex-diretor da Dersa teria sumido com 4 milhões de reais dos cofres eleitorais do PSDB. Mas eles que vão bater em outra freguesia. Quem mandou eles lerem jornal petista?


O que nos conduz ao outra contradição.


.2.


A candidata Dilma Rousseff abriu sua mortífera participação no debate de domingo (10/10), na Rede Bandeirantes, bradando que não faz acusações sem provas. Em seguida, anunciou, em alto, muito alto, e nem tão bom som, que o ex-diretor da Dersa havia mesmo surrupiado os mencionados milhões. Não provou. Será que era mesmo verdade? Agora, a julgar pelas declarações de correligionários de Serra, eleitor é induzido a crer que tudo não passava de invenção. Será?


Recapitulemos. A história do desvio apareceu na revista IstoÉ. Até o início da semana, a versão dada na revista vinha prevalecendo. Agora, na Folha de quinta-feira (13/10), em matéria de Mônica Bergamo, um tucano de alta patente desautoriza o semanário. Escreve Mônica Bergamo:




‘Eduardo Jorge, vice-presidente do PSDB, diz que não deu essa declaração. A informação foi publicada pela revista IstoÉ. ‘Minha frase foi distorcida’, disse. Ele afirmou que mandou carta à revista e que ‘o conteúdo publicado leva a um raciocínio exatamente ao contrário’ do que afirmou. A revista não comenta.’


Dilma acusou sem provas? Ou foi Eduardo Jorge que amaciou?


E quanto a José Serra? Por que não põe tudo às claras logo de uma vez?


.3.


Serra, de vez em quando, desanca uma emissora, um jornal e um programa e se põe enfezado: ‘Não brinco mais’.


Alguém deveria avisá-lo de que, bufando assim, ele depõe contra todos os veículos aos quais dá entrevistas sem reclamar. Quando bate o pé e não fala ao Valor, alegando que o Valor é petista, ele está sugerindo que todos os outros para os quais faz o imenso favor de ditar suas sapientes declarações são todos tucanos. Sem perceber, quando acusa este ou aquele de petista, está acusando os outros de tucanos.


Mas ele provavelmente não sabe o que faz. Coisas da ideologia.


Fora isso, onde é que iríamos parar se, para dar uma entrevista, os candidatos começassem a solicitar atestados de antecedentes ideológicos aos órgãos de imprensa? O que aconteceria se Dilma Rousseff parasse de conversar com os repórteres do jornal que declarou apoio a Serra? Quer dizer então que os leitores do Valor Econômico não têm mais direito de saber que fim levaram os tais 4 milhões de reais só porque ele, Serra, acredita que o Valor faz campanha para a sua adversária?


Alguém deveria ensinar a José Serra que a liberdade de imprensa – que inclui a liberdade de perguntar o que ele não gosta de responder – inclui o direito de um jornal, se quiser, fazer campanha para Dilma Rousseff, assim como inclui o direito dele, Serra, de dizer que um jornal que notoriamente não faz campanha para Dilma Rousseff está fazendo campanha para Dilma Rousseff. Aliás, que mesmo se um jornal fizesse campanha para Dilma Rousseff, esse jornal teria o direito de perguntar a ele onde é que andam os tais 4 milhões. Se quisesse ser bem educado, Serra deveria apenas responder.


Em resumo (paradoxal): ao dizer que um diário está a serviço de Dilma e fechar a cara, insinua, inadvertidamente, que os diários para os quais sorri estão a serviço dele mesmo, obrigado.


.4.


A pauta do aborto já deu o que tinha que dar, todo mundo sabe, mas nela também reside uma incongruência que merece registro. Vamos lá.


Assim como o candidato do PSDB tenta desqualificar jornais para, com base na desqualificação, esquivar-se da pergunta, o staff rousseffista – tanto o staff pago quanto o voluntário – empenha-se em desqualificar o tema (aborto) para, com base na desqualificação, esquivar-se de dizer o que a candidata pensa disso.


Tudo bem que o nível da discussão desceu às profundezas do porão dos infernos, mas há gente que considera o assunto relevante. E então.


Pelo modo como argumentam os rousseffistas, parece que todo o falatório deveria ser abortado. Tudo seria produto de uma grande cortina de fumaça, fanatismo religioso, insanidade, loucura, irracionalismo. Tudo deveria ser ignorado. Eles se esquecem, no entanto, de que essas agendas não se propagam no vácuo. Não foi ninguém do PSDB que jogou um panfleto de uma avião em cima da Basílica de Aparecida e, com isso, conseguiu tumultuar o processo eleitoral. Eles se esquecem de que no chão, em Aparecida (SP), no Círio de Nazaré, em Belém (PA), no Brasil inteiro, existe gente que dá importância para isso. Existem homens e mulheres que, vale lembrar, têm título de eleitor e gostariam, assim, candidamente, de saber o que a Dilma acha desse negócio.


Provavelmente esses brasileiros têm noção de que não cabe ao presidente da República implantar a prática do aborto nos hospitais públicos. Elas têm alguma noção de que isso depende de lei. Mas, para elas, saber o que pensa sobre essa matéria a pessoa que vai comandar o Poder Executivo e representar o Estado é de alguma relevância. Isso, claro, na opinião delas – que é tão legítima quanto a opinião de qualquer um de nós.


Pois essa opinião deveria, também, merecer algum respeito.


.5.


Mais Folha.


O artigo de Fernando Barros e Silva, na página 2 (terça-feira, 12/10), fala do principismo e do pragmatismo na esquerda. Nesse caso, mais que paradoxo, mais que contradição, talvez devêssemos falar em antinomia. Comecemos pelo que diz o artigo, sob o título ‘Prática e moral: uma nota’.




‘Numa perspectiva de esquerda, a ‘boa política’ deve se colocar entre o principismo e o pragmatismo, rejeitando-os mutuamente. Presa só a princípios, a política se converte em dogma e cai no moralismo; indiferente a eles, se banaliza ou legitima o vale-tudo. O PT, em sua história, migrou de um polo a outro. No seu início, não fazia alianças, não deu apoio a Tancredo Neves no Colégio Eleitoral, recusou-se a assinar a Carta de 1988 etc. Hoje, no poder, o partido afaga mensaleiros e aloprados, passeia de mãos dadas com oligarcas etc.


O que é mais necessário no Brasil atual: atacar o principismo (inexistente) da esquerda ou criticar o vale-tudo ético a que a ela sucumbiu sem medo de ser feliz?’


Nada a discordar. Mas a essa fórmula devemos acrescentar um elemento e subir um nível. Na cultura presente da esquerda – refiro-me à esquerda que ‘sucumbiu sem medo de ser feliz’, aquela que soube se organizar nas fissuras do Estado, gerenciando o capital – o principismo é quem autoriza o pragmatismo. Hoje, nos ambientes de uma certa esquerda errada, o pragmatismo é um prolongamento – não uma negação – do principismo; o primeiro contradiz o segundo na prática (a ponto de promover a crença de que Sarney, Renan e Collor são um atalho para o socialismo), mas o sustenta no plano da fantasia (‘Ainda bem que os companheiros Collor, Renan e Sarney nos ajudam a manter viva a bandeira universal do socialismo’).


Haja paradoxo. O pragmatismo de(ssa) esquerda é incomparavelmente mais desumano que o pragmatismo da direita. Este, pelo menos, precisa atender no mínimo os fins lucrativos de alguém ali no conchavo. O pragmatismo de(ssa) esquerda cobra seu preço em nacos de consciência por uma mercadoria que não entrega, ou, na melhor das hipóteses, por uma mercadoria que não dialoga com a consciência, mas com a fé. Isso no caso dos bem intencionados, evidentemente. Os outros, já despido das boas intenções, aprenderam a lucrar – e aprenderam a fazer do pragmatismo de esquerda um pragmatismo de ultradireita revestido de universalismo. Ordenaram a corrupção com métodos bolcheviques.


Vai daí que o pior do principismo de esquerda nos nossos dias é o pragamatismo hediondo a que ele conduz – e o pior do pragmatismo de(ssa) esquerda é o principismo que o santifica.


.6.


Agora um pouquinho de Economist, que eu também estudo inglês.


Na semana passada, a revista dedicou uma página ao que chamou de ‘a transferência de poder no Brasil’. Segundo a matéria, é líquido e (quase) certo: o poder vai passar das mãos de Lula para as mãos de Dilma Rousseff. ‘Os brasileiros parecem prontos a eleger a sucessora que Lula escolheu.’ Em sua edição, que foi fechada antes do primeiro turno, a Economist foi prudente e abriu a possibilidade de que Dilma não levasse no primeiro turno. Mas avisou: ‘É difícil imaginar que, no final, ela não seja a vencedora’.


Talvez seja mesmo difícil, embora, você tem visto as pesquisas, bem, as pesquisas erram, erram até na margem de erro, mas, ainda assim, será que vai ser mesmo tão difícil?


O paradoxo aqui é de outra ordem. Não está nas pesquisas nem na Economist, que eu só citei para valorizar o meu artigo. Muitas outras publicações, nacionais e estrangeiras, como se costumava dizer, apostaram na mesma direção. Baseadas em pesquisas, for sure. O paradoxo está, agora, na onda de protesto que não houve. Isso mesmo: o paradoxo está no que não está. O paradoxo está no protesto que não aconteceu.


Em toda parte, o fato de a candidata de Lula não ter vencido de primeira foi interpretado como surpresa, como um susto, como um anticlímax. Sou tentado a dizer que a imprensa mundial errou sua aposta. E, atenção, errou a favor do rousseffismo. Aí é que eu pergunto, caro leitor do Observatório: você já imaginou o que aconteceria se o erro tivesse favorecido o Serra? Nós teríamos uma avalanche de denúncias da mídia planetária partidária. Circulariam artigos e mais artigos dissecando as entranhas conspiratórias da imprensa globalitária. Tudo seria apresentado como um grande golpe que fracassou.


Mas, como o erro beneficiava os rousseffistas, tudo passou assim, feito uma brisa inocente. Ou meramente desinformada. E, no fim, não foi muito mais que isso. Além de, claro, ter sido também um paradoxo.

******

Jornalista, professor da ECA-USP e diretor do Curso de Pós-Graduação em Jornalismo da ESPM

Todos os comentários

  1. Comentou em 19/10/2010 Carlos N Mendes

    Dando apenas minha pequena visãozinha do quadro, eu preferia muito mais ver o PT fazendo aliança com o PSDB. Mas Depois de governar essa Nação por 8 anos, o PSDB havia se transmutado na nova direita, e uma direita tão maléfica que conseguiu ferir gravemente o Estado. Não sei por quê isso aconteceu, talvez uma tentativa mal sucedida em mimetizar o sucesso sucatista de Margareth Tatcher nos anos 80. O fato é, o PT necessitava governar o país, e infelizmente o eleitor brasileiro se recusa peremptoriamente em excluir da vida política nacional o coronel. O partido de Lula teve que abraçar o que havia no mercado, sob pena do imobilismo. Ruim com Sarney, pior sem ele. Para evitar futuros males como esse, reforma política já.

  2. Comentou em 19/10/2010 Luciano Prado

    Bucci em resposta ao kotscho: “Isso arranhou a credibilidade do diário. O compromisso que ele historicamente mantém com o pluralismo das idéias foi posto em dúvida”. Amém, Senhor. Mais um incrédulo confessa, ainda que seja sobre o arranhão e a dúvida.

  3. Comentou em 19/10/2010 Luciano Prado

    Quando Serra ou qualquer tucano cita matérias jornalísticas que acusam os petistas de algum malfeito ninguém exige dele que prove as denúncias. A acusação é tida como fato consumado e estamos conversados. Aliás, a velha e carcomida imprensa brasileira é useira e vezeira na fabricação de noticias a serem utilizadas pelos tucanos. Começa com a Veja, vai ao JN, depois à Folha, Estadão, vai ao plenário da Câmara Federal e ao Senado. Depois a “notícia” faz o sentido inverso. A velha imprensa fez isso nos oito anos do governo Lula. O esquema está didaticamente demonstrado no blog do Prof. Hariovaldo. Agora, na hora em que um petista cita (uma veizinha que seja) uma minguada matéria desfavorável ao tucanato, logo se exige a prova provada.

  4. Comentou em 19/10/2010 Luciano Prado

    Quando Serra ou qualquer tucano cita matérias jornalísticas que acusam os petistas de algum malfeito ninguém exige dele que prove as denúncias. A acusação é tida como fato consumado e estamos conversados. Aliás, a velha e carcomida imprensa brasileira é useira e vezeira na fabricação de noticias a serem utilizadas pelos tucanos. Começa com a Veja, vai ao JN, depois à Folha, Estadão, vai ao plenário da Câmara Federal e ao Senado. Depois a “notícia” faz o sentido inverso. A velha imprensa fez isso nos oito anos do governo Lula. O esquema está didaticamente demonstrado no blog do Prof. Hariovaldo. Agora, na hora em que um petista cita (uma veizinha que seja) uma minguada matéria desfavorável ao tucanato, logo se exige a prova provada.

  5. Comentou em 16/10/2010 Herman Fulfaro

    Quando eu crescer quero ser jornalista que nem o Kotscho. Matou a cobra, mostrou o pau e com o que sobrou fez picadinho…

  6. Comentou em 16/10/2010 Afonso Gonçalves

    Quote:
    ‘Quando bate o pé e não fala ao Valor, alegando que o Valor é petista, ele está sugerindo que todos os outros para os quais faz o imenso favor de ditar suas sapientes declarações são todos tucanos.’
    Não creio ser papel do jornalista colocar palavras em boca alheia partindo de deduções próprias. Pergunta: Seguindo a mesma dedução, Serra não poderia estar sugerindo que todos os demais são neutros?

  7. Comentou em 16/10/2010 José Ximenes

    A recente edição da Isto É joga mais lenha na fogueira das denúncias que inquietam o ninho tucano. De acordo com o presidente do psdb, trata-se de uma ‘conspiração’ urdida pela grande imprensa lulista.

  8. Comentou em 15/10/2010 Kleber Carvalho

    Seu artigo é um arcabouço de sofismas, por que vc não trata a candidatura das aves de Serrismo? parece que vc anda lendo muito Josias de Souza, uma ave de carteirinha.

  9. Comentou em 07/04/2009 marcio ricardo

    Olá, gostaria de saber se posso enviar artigos sobre os jornais e materias veiculas pelos mesmos na cidade de Boa Vista, Roraima. Pois aqui a condição parece ser ainda de retrocesso quanto às informacoes dadas, me refiro não só ao aspecto da redações, algumas com muitos erros gramaticais e outras com parcialidade tremenda.
    Obrigado.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem