Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > OBSERVAÇÃO DA MÍDIA

Por que retirei o artigo

Por Eduardo Guimarães em 23/01/2007 na edição 417

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que, diferentemente do que diz o título que encima este texto, quem retirou meu artigo do ar foi o Observatório da Imprensa e não eu, pois não tenho a prerrogativa de influir no que o site publica ou deixa de publicar. Contudo, até em benefício do OI, informo que a retirada do artigo ‘Para entender um observador’, publicado na edição nº 416 do site até sábado (20/1), foi feita a meu pedido por razões que explicarei mais adiante.


Uma explicação que julgo extremante pertinente dar é sobre a razão que me levou a escrever este texto. O que acontece é que colaboro com o OI (através de meus artigos) já faz uns três anos. Assim, estas palavras constituem, antes de tudo, uma manifestação de respeito pelos leitores do Observatório, pois alguns deles têm me enviado e-mails ou postado comentários em meu blog perguntando a razão da retirada de meu artigo do ar.


O texto de minha autoria supra mencionado foi escrito como uma espécie de homenagem a uma conduta do OI que, em minha opinião, contrabalançava a mutação sofrida pelo observador mor da imprensa Alberto Dines, que passou a observar prioritariamente o governo Lula, seu titular e seu partido. Tal conduta, vale explicar, deveria ser debitada na conta desse observador, pois é dele, em última instância, a prerrogativa de adotá-la. E a conduta a que me refiro é a de o OI ter voltado a permitir o contraditório em sua plenitude, depois de um período de meses em que eu, pelo menos, fui ‘inexplicavelmente’ barrado no veículo como articulista.


Entretanto, no decorrer da semana passada, surgiu uma polêmica que achei que valeria a pena aprofundar, porque tinha potencial de revelar quão espúria era uma argumentação que vinha ganhando corpo no Observatório. Leitores alinhados com a linha pró-tucana-pefelê-oposicionista e antilulista-petista de Alberto Dines, junto deste e de outros observadores da imprensa, passaram a fazer acusações de que a expressiva maioria de leitores do OI que vinha criticando Dines e o próprio OI às centenas era constituída de ‘petistas’. Tal argumentação visava claramente desqualificar a ‘legião’ de leitores discordantes, colocando-os num só balaio de partidários petistas engajados, possivelmente atuando a soldo do PT.


Apesar de minhas reiteradas declarações de que não tenho, nunca tive e pretendo nunca ter relações de qualquer espécie com a classe política – declarações feitas no mesmo sentido por muitos outros leitores ‘petistas’ –, continuamos, a maioria dos leitores do OI que se manifesta, sendo acusados de atuar de forma orquestrada naquele espaço.


Alguns pouquíssimos personagens (leitores-comentaristas das matérias do Observatório) alinhados com o pensamento político de Dines vêm se destacando por força da participação furiosa que têm apresentado, chegando ao ponto de conseguirem equilibrar o debate em número de comentários.


Outra característica desses personagens tem sido a acusação reiterada de que os leitores que se opõem a Dines seriam ‘petistas’. Assim, uma descoberta que fiz casualmente sobre um dos mais ativos ‘caçadores de petistas’, a transportei para os comentários de um dos artigos anti-PT de Dines que mais indignação causou à maioria do leitorado do OI.


A ‘polêmica Clerton’


Descobri que um dos leitores alinhados com Dines (chamado Clerton) que mais acusações tem feito de que os que pensam diferente dele seriam ‘petistas’, mantém relações, digamos, intensas com ao menos um político da oposição a Lula. Um leitor meu, indignado com as acusações jocosas de que seus contrários seriam ‘petistas’, postou comentário em meu blog relatando que havia pesquisado o nome completo de Clerton no Google e que havia encontrado a informação de que ele havia doado milhares de reais a um político do PPS (partido aliado do PSDB e do PFL) que responde a processo criminal e que chegou a ter sua candidatura nas eleições do ano passado cassada por esse motivo, mas que conseguiu reverter a cassação liminarmente porque o processo a que responde ainda está tramitando.


O que me parece importante extrair desse fato é que alguém que doa milhares de reais a um político da oposição a Lula e freqüenta sites variados sobre política para defender a oposição anti-Lula e PT e atacar a estes, pode fazer qualquer acusação a quem quer que seja, porém nunca a de que alguém atua sob motivações políticas. Assim, o discurso acusatório de alguns observadores da imprensa e de leitores como Clerton perdeu, no mínimo, a credibilidade.


Em meio à polêmica que o próprio Observatório classificou como ‘polêmica Clerton’, o dito-cujo, após insultar-me de todas as formas por conta da revelação sobre ele que fiz, reclamou de que eu alegava que ele teria doado ‘milhares de reais’, mas que eu não dizia quanto era isso. Em comentário postado no OI, dei a informação que o leitor reclamava. Até para mostrar que ninguém ‘investe’ uma quantia daquela na campanha de um político indiciado criminalmente se não tiver relações políticas muito bem consolidadas, e que, portanto, acusar os outros por manter tais relações não era correto.


Um testemunho


Apesar de minha atuação na ‘polêmica Clerton’ vir se pautando pela boa educação, conforme atestou o próprio Observatório (o que demonstrarei adiante), para minha surpresa meu comentário respondendo ao comentário de Clerton foi censurado. Perplexo, enviei mensagem ao OI pedindo explicações sobre tal absurdo. Vejam a resposta do veículo que me foi enviada por e-mail:




‘Caro Eduardo, seu comentário anterior sobre a `polêmica Clerton´ não foi publicado junto com alguns outros comentários feitos por outros leitores sobre este mesmo tema. Por mais que os seus comentários sejam educados, a maioria dos outros não é. As ofensas começaram a ficar pesadas e, para evitar que este espaço democrático se transforme em um bate-boca contínuo, resolvemos encerrar o assunto por aqui. Afinal, somos o Observatório da Imprensa, não o Xingatório dos Leitores. Espero que possamos contar com a sua compreensão. Cordialmente, a equipe do OI’


Respondi à ‘equipe do OI’ que não poderia contar com minha ‘compreensão’ porque era injusto porque alguém de quem julgo que a máscara caiu (o Clerton) havia dado a última palavra do debate insinuando que eu aludia a ‘milhares de reais’ que ele doou ao tal político da oposição a Lula porque o valor doado seria irrisório. Detalhe: o valor doado (ao menos o registrado) é de R$ 6 mil, quantia que estou certo de que raríssimos cidadãos brasileiros, mesmo que dela dispusessem, doariam a um político ‘desinteressadamente’ e com vistas a ‘participar da vida política da nação’. E, como se não bastasse, além de justo eu ser o censurado, Clerton continuou com suas acusações de que outros leitores eram ‘petistas’.


Em vista disso, do que considerei manipulação de um debate em que o cavalo de batalha de Alberto Dines e de uns poucos comentaristas havia sido derrubado fragorosamente, achei que o artigo em que homenageei o apoio à liberdade de expressão que Dines vem imprimindo ao OI havia sido irremediavelmente comprometido, o que tornava meu artigo sem sentido.


Concluo reiterando a informação de que este artigo foi escrito em respeito aos que me lêem no Observatório há alguns anos e, também, na forma de um testemunho de que se o OI censurou algo meu, não foi o artigo ‘Para entender um observador’, retirado do ar extemporaneamente.


***


N. do E.: O articulista demonstra não conhecer a história do Observatório, nem seu caráter plural de origem, quando afirma ter este veículo ‘voltado a permitir o contraditório em sua plenitude’. O contraditório sempre teve espaço no OI, já faz mais de dez anos. Considera-se ‘`inexplicavelmente´ barrado no veículo como articulista’, o que não é verdade: uma busca no site mostrará quantas vezes assinou matérias aqui. Talvez pretendesse que o OI reproduzisse tudo o que envia para nossa caixa postal, ou que habitualmente distribuiu em suas listas de e-mail, ou que publica em seu blog. Não foi, não é e nem será o caso. (Luiz Egypto)

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/01/2007 Clerton de Castro e Silva

    ‘Por que será que esta turma que tem blog vem ao Observatório postarem comentários desabonadores a algumas pessoas e principalmente ao OI, quase sempre com acusações levianas?’ Não são todas os blogueiros que agem desta maneira e sim uma pequena minoria. Mas uma vez mil desculpas aos blogueiros, meu comentário foi infeliz.

  2. Comentou em 27/01/2007 Marcelo del Questor

    Extensa essa discussão. Mas tal se entende dada a polêmica postura do OI. Leva a crer que isto aumenta o ibope do site. Deve portanto ser algo benéfico para o OI. Basta reparar esse comportamento errático deste Observatório, pois a natureza da discussão é justamente a censura seletiva que aqui existe. Em comentários postados abaixo, por exemplo, petistas e partidos de esquerda são chamados de mentirosos. Profissionais tem sua capacidade posta em dúvida, fazendo uso de um sarcasmo deseslegante. Eu próprio tive meu sobrenome trocado ‘inteligentemente’ para Castor(risos). Embora para mim, se tal crítica, em forma de gracejo, partisse de alguem merecedor de respeito, isto me incomodaria. Mas como é costumaz a pratica da agressão à falta de cultura, boa educação e argumentos sólidos para debate, nem considero tal como xingamento. É, pelo contrário, hilário. Existe um grupo de ‘profissionais’ liberais, que se colocam no patamar de ‘iluminados’, disparando suas ofensas a todos que discordam deles. Limitam a capacidade de entendimento de seus contrários em posicionamento, pela função que exercem. Fica notadamente claro que tais ataques são causados por suas frustrações, causadas pela incompetência de que acusam a outros, que os obrigam a bajular em busca de oportunidades que jamais serão alcançadas por esforço próprio. Dai, só me resta achar engraçado.
    :-))))

  3. Comentou em 27/01/2007 Clerton de Castro e Silva

    Caro José Carlos Lima, não entendo por que você insiste neste linha caluniosa. Vou te fazer uma simples pergunta: Qual a sua motivação para este seu comportamento infantil? Quem é José Carlos Lima para fazer este tipo de acusação? Vai participar do time de pessoas que só sabem agredir? Essa bobagens já estão chegando ao limite.Por que você não pergunta diretamente ao OI, já que você conhece tanto o sistema?

  4. Comentou em 27/01/2007 Mirna Vieira Vieira

    È… e depois querem falar de Hugo Chavez!
    Não se preocupa não Eduardo Guimarães… o que aconteceu contigo aqui acontece com todo mundo nos mais variados blogs e foruns de opinião, quando a opinião não é alinhada com o pensamento vigente, eles cortam mesmo! No blogo do Noblat então… huummmm experimente falar mal de algum politico tucano que vc vai ver o que te acontece!
    A verdade é que a imprensa começou o joguinho sujo, com o lacerdismo desmedido, com a pixação e a virulencia antilula que contaminou o debate nas eleições, fomentando a furia dos eleitores pros e contra Lula. Ao término das eleições, vendo que o jogo sujo não funcionou e Lula derrotando fragorosamente o candidato dos oligopólios, a imprensa passa a atacar o governo e quando esse reage até mesmo em forma de desabafo, é pixado como ditador…. Mas graças a Deus, Guimarães… temos visão para não nos deixar levar pela maré dos detratores do governo. Quer me chamar de petista, me chamem, não estou nem aí, ninguém tem o direito de me calar ou de me intimidar.
    A imprensa quis inventar um novo Lacerda, mas não teve talento para criar o personagem e agora se veem presos no monstro que eles próprios criaram e o resultado está aí, boa parte da população diz que não acredita mais em nenhum veiculo de comunicação.
    parabéns a imprensa… estão colhendo o que plantaram.

  5. Comentou em 26/01/2007 Ivan Moraes

    Revendo minhas perguntas(as outras eram subperguntas ou desenvolvimento do assunto): 1-O que significa ‘Talvez você não tenha prestado atenção mas o político que recebeu a minha doação é de oposição ao governo’ dentro do contexto de qualquer coisa que eu tenha falado, sugerido, pensado, ou planejado pensar? 2-qual foi o dia que essas mesmas CENTENAS de empresas ‘doadoras’ de dinheiro para campanhas publicitarias de (re)eleicao doaram tais quantidades para o desenvolvimento do Brasil? 3-nao era importante especificar que voce eh doador politico?! (i.e., dentro do contexto da reclamacao principal do Eduardo sobre ativistas partidarios de comportamento especifico que esta no quarto paragrafo) (Nao entendo como brasileiros vivem sem respostas! Felizmente eu sou sueco.) (Danka) Quem chamou quem de que nos outros comentarios abaixo nao vem ao caso pra maioria dos leitores, que adorariam voltar ao assunto e ver alguma conversa inteligente quanto aa narrativa do Eduardo e qual sequencia de fatos que deu aa luz o quarto paragrafo. Se as pessoas verem o bastante numero de vezes um nome d(digamos, PT) associados a um comportamento (digamos, infiltracao intelectual) as pessoas passam a associar ambos subliminarmente, e eu NAO ESTOU disposto a ser parte desse tipo de programacao de massas. Nos comentarios: petista varias e varias vezes, tucanos ou PMDB? Invisiveis? Nada mudou, mudou?

  6. Comentou em 26/01/2007 Paulo Bandarra

    O baixo nível de algumas pessoas se instalou tanto aqui que nem mais se envergonham de confessar perseguir os outros na Internet e bisbilhotar a vida alheia! Parece que as idéias estão escassas!

  7. Comentou em 26/01/2007 Cid Elias

    Apenas para ilustrar, segue exemplo de incorência gritante entre atos e palavras, uma das últimas ‘suposições’ desconstrutivas feitas a um dos comentaristas que discordou da posição do indivíduos: Cidadão X- Mestre Superior- Enviado em 24/1/2007 às 00 AM- O Sr. erico bastos , salvador-BA – se diz juiz de direito. Acho duvidoso. Um juiz de verdade não diria uma barbaridade destas: “porque nunca se reclamou…’ Mais uma vez o cidadão X diz ser falso testemunho a profissão informada por outro comentarista, mas…’ O Sr. Erico Bastos é Juiz de Direito, em…comarca de Gentio de Ouro, no estado da Bahia. Portanto, como fica ‘juiz de verdade não diria uma barbaridade destas’? O cidadão X acusou o Dr Érico de não falar a verdade quando disse ser juiz de direito. porém suas palavras serviram apenas para revelar quão distantes estão do modo correto de agir num debate.

  8. Comentou em 26/01/2007 jose carlos lima

    Para Clerton: e se…e se…e se eu disse o que disse…e seu eu não disse o que disse…e se disses o que eu disse…sabes duma coisa? você se dá uma dimensão que não tens…a depreender do que escreves nas caixas de comentários…

  9. Comentou em 26/01/2007 Marcelo del Questor

    Caro Eduardo. Como sempre admiro seus artigos e acho seus comentários bem fundamentados. Tendências existem e sempre existirão. É inerente a personalidade humana se aproximar do que lhe é benéfico ou simpático. A maneira como lidamos com tais tendências é que demonstra nosso caráter. Certo é que, ninguém defende ou favorece algo sem que haja ali interesse. Sem que haja retorno ou satisfação. Essa polêmica, se me permite é queimar vela com defunto barato. Não vai ai nenhuma ofensa a quem quer que seja. Digo porque todo o indivíduo tem o direito a opinar sobre o que quiser e demonstrar preferência pelo que melhor lhe parecer. Lamentável é quando entidades que deveriam primar por eqüidade adotam esta atitude. Não perderei tempo em pesquisas, mas o OI já publicou coisas do tipo: matilha, patrulheiros, burros, fascistas, e até a abjeta comparação de comentaristas à KKK. E a despeito disso, ainda assim foram publicados. O próprio Dines nos qualificou como ‘orquestrados e despreparados’. Se ele age assim, de forma arbitrária ao invés de dar exemplo de urbanidade e respeito e não é censurado, se o OI permite tal comportamento a alguns poucos e censura outros, fica difícil entender os critérios. Se Dines não é o dono, comporta-se como tal. De resto, a mídia através de alguns de seus empregados se comporta de forma desrespeitosa, rude e ofensiva, bem como alguns comentarístas.

  10. Comentou em 25/01/2007 Jesus Baccaro

    Nada disso estaria acontecendo, se o Observatório da Imprensa, fosse realmente para discutir a imprensa. Este local tornou-se uma trincheira tucana, onde não se publica nada que possa arranhar a imagem dos politicos alinhados coma oposição ao Presidente Lula e ao PT.
    As maiores canalhices tem sido publicadas na ‘imprensa livre’ contra qualquer um que apoie o governo e o OI simplesmente faz que não é com ele.
    Não vejo criticas a imprensa alinhada aos tucanos, mas basta algum veiculo publicar algo favoravel ao governo e lá vem o Dines e sua tropa. Isso não é imprensa livre, isso é ação entre amigos.
    Espero que não censurem.

  11. Comentou em 25/01/2007 Bruno Silveira

    Poucas vezes participei da “turma do deixa disso”, mas a situação está pedindo a intervenção de bombeiros. Já não há mais graça nessa discussão. Continuar pra quê? Aqui não temos o sistema de “freios e contrapesos” do Estado (que funciona porcamente, eu sei), então só podemos apelar para o bom senso. Eu ia escrever um comentário achando engraçado o postado pelo Ivan (posições políticas à parte), às 12h47, mas desisti. Perdeu a graça. Vamos descansar um pouco, falar sobre o tubarão-cobra ou mal do ACM, que disso todo mundo concorda.

  12. Comentou em 25/01/2007 Eduardo Ramos

    Puxa, e eu que só fiquei sabendo disso agora. Já havia percebido a queda no nível de Observação aqui , mas não imaginava que fosse tanto. Uma pena.

    Mas não desanima não xará. Continua escrevendo. A sua clareza e coragem são importantes para diminuir a opacidade que reina por aqui. Um dia, quando se restabelecer dessa triste condição, o próprio Dines irá agradecê-lo por ter impedido que o OI se transformasse de vez num espaço exclusivo de tucanos e pefelistas. São contribuições como a tua, de Malin e outros articulistas independentes, que ainda tornam possível a leitura do OI. Obrigado.

  13. Comentou em 24/01/2007 Clerton de Castro e Silva

    Esta história de sentir-se ofendido por ter sido chamado de petista é pura balela. Lembro-me que quando o Bruno te chamou de petista você ficou todo orgulho. Será por eu ter doado a um candidato, cujo partido é aliado dos partidos de oposição ao Presidente Lula, te ofendeu tanto assim, Eduardo? Também acho difícil. Será por que você não suporta quem te contradiz? Acho que é por este caminho. Sua vaidade não permite que um anônimo tenha a última palavra.A última palavra tem que ser da ‘Celebridade’. O único realmente que se acha valorizado aqui é você. Eu sempre ‘ACUSO’ genericamente? Então a afirmação que você fez que eu te acusei de ser petista é mentirosa e leviana, pois você não pode provar. Eu e o Dines viramos as vítimas preferidas dos seus ataques. O Dines eu até entendo que você tente fazê-lo de escada para dar IBOPE ao seu blog, mas o Clerton deve ser somente por prazer pessoal.

  14. Comentou em 24/01/2007 Clerton de Castro e Silva

    Esta história de sentir-se ofendido por ter sido chamado de petista é pura balela. Lembro-me que quando o Bruno te chamou de petista você ficou todo orgulho. Será por eu ter doado a um candidato, cujo partido é aliado dos partidos de oposição ao Presidente Lula, te ofendeu tanto assim, Eduardo? Também acho difícil. Será por que você não suporta quem te contradiz? Acho que é por este caminho. Sua vaidade não permite que um anônimo tenha a última palavra.A última palavra tem que ser da ‘Celebridade’. O único realmente que se acha valorizado aqui é você. Eu sempre ‘ACUSO’ genericamente? Então a afirmação que você fez que eu te acusei de ser petista é mentirosa e leviana, pois você não pode provar. Eu e o Dines viramos as vítimas preferidas dos seus ataques. O Dines eu até entendo que você tente fazê-lo de escada para dar IBOPE ao seu blog, mas o Clerton deve ser somente por prazer pessoal.

  15. Comentou em 15/08/2006 João Carlos Amaral

    Caro Dines! A participação dos ientrevistados está sendo um lugar comum de críticas ao sistema que parece propaganda eleitoral. A pergunta que faço para todos voçes, é a seguinte:
    -PORQUE A IMPRENSA SÓ FICA MELINDRADA QUANDO É ATACADO UM JORNALISTA?
    -QUANDO DO CASO TIMLOPES FOI UM ‘AUÊ’ DANADO, CAINDO JÁ NO ESQUECIMENTO.
    -PORQUE ESSA FRENTE DA IMPRENSA CONTRA O CRIME ORGANIZADO SÓ HOJE FOI VEINCULADO?
    – SÓ JORNALISTA É CIDADÃO? QUANTOS CIDADÃOS ‘COMUNS’ NÃO TIVERAM O MESMO DESTAQUE DESSA MESMA IMPRENSA, HOJE ‘PSEUDO-INDIGNADA?
    TENHO DITO!

    João Carlos do Amaral- Andradina-SP

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem