Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

JORNAL DE DEBATES > FORA DO EIXO

Por que as redes assustam a imprensa

Por Luciano Martins Costa em 20/08/2013 na edição 760

Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 20/8/2013

Há centenas, talvez milhares, de importantes ações culturais coletivas pelo Brasil afora, reunindo gente de teatro, músicos, produtores de artes visuais, grupos de folclore e cultura indígena, centros de preservação de tradições de imigrantes e de afrodescendentes. A maior parte dessas iniciativas pode receber verbas federais, desde que o então ministro da Cultura Gilberto Gil criou, em 2004, o sistema de editais, que permitiu  descentralizar os recursos públicos e estimular pequenos grupos, com pouca estrutura e muita informalidade, a realizar seus projetos.

Em março de 2008, Gil criou o Observatório dos Editais, abrigado no site oficial do ministério (ver aqui), pelo qual os interessados se informam sobre as oportunidades de patrocínio. O processo é relativamente simples e tem um sistema de monitoramento que resulta, entre outras coisas, na profissionalização de produtores culturais e na consolidação de entidades que sobreviviam a duras penas antes do programa de apoio.

O Ministério da Cultura tem também uma Secretaria de Economia Criativa, que oferece treinamento para gestores de empreendimentos culturais, ajudando-os a usar com eficiência os recursos dos editais. Quem vasculhar alguns jornais regionais vai encontrar anúncios de festivais de música e dança, exposições, festas populares, fóruns de arte e outras iniciativas que movimentam centenas de milhões de reais.

Mais de 5.500 municípios estão incluídos num ranking que classifica as ações culturais, permitindo a pesquisadores avaliar a diversidade e quantidade de expressões artísticas em andamento, constatando a dinâmica dessas manifestações populares.

Os agentes culturais são organizados em mais de 2,5 mil Pontos de Cultura, que funcionam como mediadores entre o Estado e a sociedade em cerca de 1.200 cidades. Há sempre alguns grupos com dificuldades de gestão, mas o sistema de auditoria continua ativo e disponível no site do Ministério da Cultura.

A mídia tradicional nunca deu importância e essa iniciativa, que há quase dez anos estimula a diversidade cultural em todas as regiões do país. Numa dessas raras ocasiões, o Globo produziu, em março de 2012 (ver aqui), uma ampla reportagem afirmando que o atual governo estava esvaziando o programa do ex-ministro Gil.

Jornalismo orgânico

As Casas Fora do Eixo, coordenadas por Pablo Capilé, nasceram dessa política cultural. Elas formam uma constelação de produtores, que a partir dos Pontos de Cultura conseguem obter recursos dos editais de maneira mais organizada, o que ajuda a consolidar a maior parte de seus programas. Como todas as outras iniciativas, o Fora do Eixo está sujeito a atrasos no recebimento das verbas, desvios, erros de gestão e até mesmo má-fé.

A exposição despropositada de Capilé nos meios de comunicação, desde a eclosão das manifestações promovidas pelo Movimento Passe Livre, o transformou em objeto de minucioso escrutínio. Todo indivíduo ou organização, submetido às lentes fracionadas das redes sociais digitais, pode ser qualquer coisa, e por esse motivo as empresas precisam de especialistas para suas estratégias de marketing nesseambiente hipermediado.

A enorme complexidade e diversidade das interpretações a que qualquer tema é submetido nessas redes torna praticamente imprevisível o resultado da exposição intensa. No entanto, sabe-se que a mídia tradicional funciona como uma espécie de âncora para o conteúdo difuso das redes. Assim, se um colunista de jornal ou revista pinça determinado aspecto de um evento, essa ação vai desencadear reações em rede, geralmente de curta duração e muita intensidade.

O que está acontecendo com o Fora do Eixo é uma ação organizada, na qual agentes da mídia tradicional, apoiando-se em intelectuais pouco familiarizados com o ambiente digital, produzem o linchamento moral de Capilé e do Fora do Eixo. Mas tudo indica que o alvo principal não é o coletivo de produtores culturais: o objetivo é questionar a experiência derivada dessa iniciativa, o grupo denominado Mídia Ninja.

O que está em confronto é o jornalismo clássico, que se tornou refém da indústria da comunicação, e o midiativismo das redes. Não está em jogo a hipótese, improvável, de o midiativismo vir a substituir o jornalismo tradicional, mas, assim como na área cultural os coletivos não institucionalizados disputam com sucesso as verbas públicas com grandes produtoras, em algum momento um investidor inteligente pode descobrir o potencial de negócio implícito no jornalismo espontâneo e orgânico que acompanha as manifestações de protesto.

É esse temor que as corporações de comunicação não podem confessar.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem