Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

JORNAL DE DEBATES > TELETIPO

Presos suspeitos da morte de ucraniano

08/03/2005 na edição 319

O presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, acusou seu predecessor, Leonid Kuchma, de acobertar o assassinato do jornalista Georgiy Gongadze, um dos maiores críticos do governo do ex-presidente. Gongadze foi decapitado em uma floresta perto de Kiev em novembro de 2000. Yushchenko anunciou, na semana passada, que suspeitos do assassinato foram detidos, e insinuou que eles teriam confessado o crime. O caso tornou-se um escândalo internacional depois que um ex-segurança divulgou gravações de áudio em que o então presidente dizia que queria se livrar do jornalista. Kuchma nega qualquer envolvimento na morte de Gongadze. Yushchenko diz crer que o assassinato tenha tido motivação política, e ressalta que o governo anterior nada fez para esclarecê-lo. O presidente não revelou detalhes sobre os suspeitos, mas o ministro do Interior, Yuri Lutsenko, disse que identificou um grupo de policiais que teriam seqüestrado Gongadze em setembro de 2000. A agência de notícias Interfax, citando uma fonte anônima, reportou que três altos oficiais do ministério do Interior de Kuchma, entre eles um general, teriam sido detidos. Informações de Tom Warner [The Financial Times, 1/3/05].

Leia também

Jornalista morto assombra presidente



Cubano libertado depois de três anos

Foi libertado, depois de cumprir pena de três anos, o jornalista Carlos Brizuela Yera, do Colegio de Periodistas Independientes de Camagüey, uma agência de notícias independente de Cuba. Yera foi preso com outras oito pessoas, em 2002 – um ano antes da ofensiva do governo cubano – que levou à detenção de 75 pessoas – contra a imprensa independente e intelectuais dissidentes ao regime. O jornalista foi condenado por desobediência, recusar-se a dar atenção a autoridades, perturbar a paz e insultar o presidente. Segundo o diretor da Fundação Cubana pelos Direitos Humanos, Juan Carlos Gonzales Leyva, Yera está muito fraco, com doenças de pele e problemas de memória, apesar de ter apenas 30 anos. Informações dos Repórteres Sem Fronteiras [3/3/05].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem