Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1067
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Revista quer dar lições a Lula

01/09/2009 na edição 553

A ‘bíblia’ do capitalismo, a revista semanal The Economist, editada em Londres desde setembro de 1843, resolveu semana passada dar orientações e prescrever uma linha política e econômica ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva. A capa da edição com data de 15 a 21 de agosto, pergunta: ‘De que lado está o Brasil?’ e estampa uma foto de corpo inteiro de Lula – feliz da vida – vestindo uma camisa vermelha, tentando dominar uma bola de futebol num campo verde, sob um fundo amarelo ouro.

No editorial, a revista passa a idéia de que os brasileiros e Lula em particular – vivem um grande momento em sua história – onde o ‘gigante adormecido’ passou a ser citado como um dos cinco ou seis países do mundo que têm protagonismo para o século 21. Diz a Economist que nenhuma reunião de cúpula que se realize hoje no mundo poderia prescindir da presença do Brasil e de Lula. Afinal de contas, cita a revista, ‘ele é o cara’, já disse Barack Obama numa reunião do G-20, enquanto Fidel Castro se referiu ao presidente brasileiro como ‘meu irmão Lula’.

Esta situação privilegiada é debitada pela revista ao período de ‘estabilização’ econômica colocada em prática por Lula e – pasmem – por seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso. Os editores esquecem que FHC deixou o país em 2002 à beira do abismo econômico. ‘O Brasil foi, entre as dez principais economias do planeta, a última a entrar em recessão e aparece agora como uma das primeiras a sair dela’… Afirma o editorial, para depois lembrar que foi a Goldman Sachs que caracterizou o grupo formado pelo Brasil, Rússia, Índia e China como o Bric, que segundo eles dominarão o mundo por volta de 2050. Nesta ocasião, lembra a revista, houve quem desconfiasse que o Brasil tivesse musculatura para pertencer a tal grupo.

Os parabéns pela vitória

Lula, ao tomar posse em 2003, continua a revista inglesa, ‘mostrou coragem política assumindo políticas responsáveis, ignorando posições à esquerda de seu próprio partido para suspender o pagamento da dívida externa, por exemplo. Seu instinto de racionalidade econômica o teria transformado de ‘protecionista’ em ‘campeão do livre-mercado’. Por outro lado, a revista reconhece que sua política social foi ousada e que com isso retirou cerca de 13 milhões de pessoas da pobreza, diminuindo as desigualdades de renda. Aqui, o editorial passa a atacar o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, dizendo que apesar de Lula ostentar altíssimos índices de aprovação da opinião pública, não tentou mudar a Constituição da República para concorrer a um terceiro mandato.

O sucesso em casa, garante a Economist, deu oxigênio a Lula de estruturar uma ambiciosa política externa – que pretende projetar o Brasil como grande potência, liderando a América Latina e se articulando com outras potências médias como a África do Sul e os Brics, assim chamados. Neste ponto, a revista tenta dar um xeque-mate nas pretensões de Lula, perguntando com quem o país quer efetivamente se aliar e afirmando que o Brasil tem posição ambígua, por exemplo, em sua atuação no âmbito da Organização Mundial do Comércio, quando perdeu o apoio importante da Índia na tentativa de retomar a Rodada de Doha.

Mesmo assim, a revista acaba elogiando Lula quando propõe uma reestruturação das instituições internacionais para que se adaptem às novas condições de poder mundial. Mas em seguida critica a posição brasileira sobre direitos humanos e democracia – acusando o país de se alinhar sistematicamente com Cuba e China, países que, segundo a revista, não se respeitam os direitos humanos. E, mais ainda, continua o ataque, lembrando que Lula foi um dos primeiros dirigentes mundiais a parabenizar o presidente do Irã, Mahamoud Ahmadinejad, pela sua vitória eleitoral.

Uma ‘nova guerra fria’

Por fim, a revista londrina se mostra admirada que uma potência como o Brasil tenha renunciado à utilização de armas nucleares, apesar, segundo ela, de os brasileiros não terem assinado o Tratado de Não Proliferação Nuclear, impedindo que inspetores de um organismo internacional de controle visitassem as instalações onde se constrói o submarino nuclear brasileiro. A revista alerta Lula que se o país passar a compor o Conselho de Segurança da ONU rotativamente, em janeiro próximo, terá que decidir entre apoiar ou condenar as pretensões nucleares do Irã.

A Economist afirma que em todos estes aspectos contraditórios existe subliminarmente um ‘anti-americanismo’ na posição do Brasil, numa região do mundo onde os ianques estão em declínio em matéria de influência política. Novamente passam a acusar Hugo Chávez de ser o mentor da instauração de uma ‘nova guerra fria’ no subcontinente, ao acusar a Colômbia de permitir a instalação de bases militares em seu território. Seria o caso de perguntar aos editores ingleses se não são exatamente os Estados Unidos – com a reativação da Quarta Frota, com as bases na Colômbia e com a derrubada do presidente eleito de Honduras (onde se poderiam instalar outras bases) – os maiores interessados em desestabilizar governos democráticos e populares em quantidade e qualidade como nunca se viu na história da América Latina…

******

Editor da revista Princípios

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem