Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1058
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Revolução com retrocesso

Por Marcos Fabrício Lopes da Silva em 14/07/2015 na edição 859

A principal transformação recente nas sociedades contemporâneas envolve uma verdadeira revolução digital em que são dissolvidas as fronteiras entre telecomunicações, meios de comunicação de massa e informática. Convencionou-se nomear esse novo ciclo histórico de Sociedade da Informação, cuja principal marca é o surgimento de complexas redes profissionais e tecnológicas voltadas para a produção e uso da informação, que alcançam ainda sua distribuição através do mercado, bem como as formas de utilização desse bem para gerar conhecimento e riqueza.

Para a Sociedade da Informação se transformar em Sociedade do Conhecimento, faz-se necessário investir em educação e cultura como agentes formadores do cidadão esclarecido e bem-intencionado. Educar não é somente qualificar para o emprego, nem arte é apenas adorno que aguça a sensibilidade. Há uma dimensão humana que, sem educação e cultura, nada agrega como experiência coletiva, nem alcança a plenitude como experiência individual capaz de discernir e ser livre para escolher. E, sem isso, não podemos dizer que somos realmente humanos.

Formar o cidadão é dar-lhe a dimensão dos seus direitos e deveres em relação à sua família, em relação à sua comunidade, em relação à vida política, em relação ao seu trabalho e em relação à sua pátria. Como pensar em cidadania no último país a abolir a escravidão? Em vez de escravizados, deveríamos ter estudantes, professores, trabalhadores, intelectuais, artistas, ombro a ombro, exigindo o direito de todos ao saber e à plenitude da experiência de estar no mundo. A educação, entendida exclusivamente como formação profissional, abandonando a formação do cidadão e do ser humano, fica reduzida ao papel subalterno de adestramento para a produção, preparação de mão-de-obra amesquinhada, linha auxiliar do acirramento da já perversa concentração de renda. A respeito, tem razão o escritor Ferréz, ao destacar, em Cronista de um tempo ruim (2009), que “somos manobrados, de uma religião até o time preferido, e só inteligência e a criatividade para nos manter vivos em primeira instância, e depois proliferando o grande plano de controle a que estamos submetidos, nos tiraram tudo, e hoje quando sentamos em frente a uma praça nos sentimos culpados, parados, devíamos estar trabalhando, produzindo, lutando, comprando, é para isso que servimos, recarga do capitalismo”.

O grotesco medíocre e a falência da crítica

Conjuntura trágica eleva-se ao quadrado quando deparamos com a insuficiente escolarização da população, a ineficiência do modelo educacional, a esquizofrênica separação entre educação e cultura e a elitização da cultura. Infiltrando-se simultâneas, funcionam como uma bomba com o silencioso rastilho aceso. Na crônica “Desordem do mundo” (Jornal de Notícias, em 26/06/1948), Cecília Meireles aponta para a existência de uma Sociedade do Ruído, na qual o grotesco da fala devora o sublime da escuta:

“O mundo é uma grande casa em desordem, onde todos se sentem com o direito de gritar. Os que gritam não se entendem; e os poucos que saboreiam falar proveitosamente, como poderão ser ouvidos, em tamanha confusão? De tal modo cresceu e generalizou o hábito da queixa e do protesto que os que sofrem em silêncio passam a ser malvistos. Como nas cenas de desastre, o mais atingido ou geme baixinho: mas em redor dele a vizinhança vadia comenta, discute, esbraveja e encontra uma gloriosa vingança em perder tempo com loquacidade. Todos opinam; o prazer da opinião parece mesmo estar em proporção direta com o desconhecimento do assunto.”

Sem educação e cultura, existe a comunicação do desenvolvimento, porém o desenvolvimento da comunicação fica a ver navios. O desenvolvimento da comunicação se dá com a liberdade de expressão qualificada pela responsabilidade argumentativa. A cultura e a educação não podem se resignar às migalhas que caem da mesa do poder, interessado predominantemente na exploração marqueteira dos valores do espírito para alavancar o prestígio de suntuosas nulidades e o narcisismo de obscuros embusteiros. A respeito, Karla Saraiva, doutora em Educação pela UFRGS, no artigo “Identidades na Babel eletrônica” (Identidades no contexto escolar, 2013), expressa parecer importante para o entendimento do assunto em destaque: “Se as mídias unidirecionais promovem a exibição de uma legião crescente de celebridades instantâneas (que têm os 15 minutos de fama preconizados por Warhol), na internet cada um pode promover a si mesmo a celebridade. Cada um pode produzir o seu próprio show do eu.”

O “show do eu” dói em nós. O que dizer do legado cultural e educacional deixado por Cristiano Araújo, músico sertanejo falecido recentemente? A intimidade como espetáculo idiota: “Bará bará bará/Berê berê berê/Bará bará bará/Berê berê berê/Cristiano Araújo fazendo bará, berê/E quando eu te pegar, você vai ficar louca/Vai ficar doidinha, doidinha dentro da roupa/Quando eu te pegar vou fazer diferente/Tenho certeza vai pirar a sua mente/A bebida tá subindo, a cabeça enlouquecendo/O clima tá esquentando, só vai dar eu e você/Pra gente então fazer/Bará bará bará,/Berê berê berê”. A respeito, explica-se, conjunturalmente, que, no espectro cultural brasileiro, entre a arte popular e a arte tradicional, irrompeu a indústria audiovisual de entretenimento, hoje hegemônica. O público, além de introjetar esse engodo semântico disseminado midiaticamente, assiste à contaminação da cultura do espírito e da cultura popular pela anódina cultura pasteurizada. Lembro-me do saudoso Itamar Assumpção, em Cultura Lira Paulistana (1998), chamando a atenção para a calamidade pública em tela: “Porcaria na cultura tanto bate até que fura”. Portanto, a Sociedade da Informação só vai se transformar em Sociedade do Conhecimento se ela priorizar, como forma e conteúdo, a arte de transgredir a ordem do grotesco medíocre e da falência da crítica.

***

Marcos Fabrício Lopes da Silva é professor da Faculdade JK, jornalista, poeta e doutor em Estudos Literários

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem