Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Sobre lagartixas e dinossauros

Por Alberto Dines em 10/02/2009 na edição 524

Por que foi tão fácil liquidar a fatura com o deputado-corregedor Edmar Moreira (DEM-MG)? Em menos de uma semana, o ilustre desconhecido do baixo clero ficou conhecido nacionalmente como ‘Aos amigos tudo’; além disso, perdeu o cargo de corregedor, perdeu o de 2º vice-presidente da Câmara, vai perder a legenda (Democrata) e ainda corre o risco de perder o mandato.


A explicação para a vertiginosa velocidade padrão Primeiro Mundo está no seguinte cronograma: eleito na segunda-feira (2/2), Edmar Moreira fez as estapafúrdias declarações sobre o ‘vício insanável da amizade’ na terça, O Globo deu chamada na primeira página da quarta-feira, no dia seguinte publicou (ainda na primeira página) a foto do castelo medieval e, na sexta-feira (6/2), o homem estava liquidado.


O Globo foi o autor da façanha. Parabéns efusivos. Mas sem a entrada da TV, Edmar Moreira e seus asseclas não teriam desistido tão facilmente. A TV Globo foi decisiva mas a imagem do castelo falava sozinha.


‘Vontade editorial’


Pergunta que não quer calar: o imortal senador José Sarney (PMBB-AP) será abatido com a mesma determinação e facilidade?


A eleição para presidir o Senado (a terceira que ele ganha, em 14 anos) ocorreu na fatídica segunda-feira (2/2), até repercutiu no exterior (foi chamado de ‘dinossauro’ pela mais importante revista de informações do mundo, The Economist), e no domingo (8/2) sofreu um abalo inédito: a Folha de S. Paulo, jornal onde escreve uma coluna semanal há quase duas décadas, publicou a transcrição de um grampo da Polícia Federal que flagrou o senador dando instruções ao filho Fernando, encarregado de gerir o império midiático da família, sobre como enfrentar o adversário Jackson Lago na TV Mirante.


Sarney era até aquele dia um intocável – não propriamente um pária indiano, mas um privilegiado marajá acima de qualquer suspeita ou denúncia. Mas a Folha não poderia recusar o generoso material oferecido pela Polícia Federal envolvendo uma das figuras mais importantes da República. Se o fizesse seria excluída do rodízio de distribuição de ‘primícias’.


A Folha tem sido a campeã na luta contra o ‘coronelismo eletrônico’ (a mafiosa distribuição de concessões de radiodifusão a parlamentares). E esta conversa entre os dois Sarney é talvez a prova mais contundente do ‘vício das concessões’ que avilta o Congresso: o presidente do Congresso assume-se como dono da emissora e a utiliza em benefício dos seus interesses políticos.


A matéria da Folha provocou um certo frisson nos bastidores das redações: será que o jornalão vai, finalmente, obedecer ao que preconiza o seu manual e livrar-se de um dos colaboradores que mais comprometem a sua imagem?


A edição da Folha no dia seguinte (segunda, 9/2), foi decepcionante: nem uma linha sobre o grampo da PF, como se o jornal nada tivesse noticiado na véspera. O Estado de S.Paulo entrou no assunto com alguma vontade (pág. A-8), dificilmente agüentará sozinho. O Globo ficou de fora. Idem, a TV Globo.


Conclusão: Sarney não é Edmar Moreira. As semelhanças são apenas simbólicas. O império feudal do dinossauro maranhense não tem castelos e sem imagens espetaculares um caso desses fica difícil de explicar para o telespectador médio. A não ser quando há uma ‘vontade editorial’ (expressão usada pelo ombudsman da Folha, Carlos Eduardo Lins da Silva). Em 2002, quando a PF estourou uma empresa da sua filha e genro em São Luis (MA), as fotos da montanha de dinheiro tiveram efeito limitado – Roseana Sarney saiu do páreo presidencial, mas o caso foi encaminhado à justiça maranhense. Foram inocentados.


Bola-de-neve


Para abalar Sarney só um tsunami de grandes proporções. Sarney é um poderoso chefão, o capo da mídia brasileira. Além de afiliado da Rede Globo é o queridinho dos demais grupos de mídia eletrônica e dos respectivos coronéis interioranos. Foi ele, na condição de presidente da República, com a ajuda entusiasmada de Antonio Carlos Magalhães, seu ministro das Comunicações, quem começou a farta distribuição de concessões de radiodifusão a parlamentares. A pedido das grandes empresas de mídia, sobretudo eletrônicas, Sarney segurou ao longo de 14 anos a criação do Conselho de Comunicação Social. E quando o Conselho foi criado à sua revelia, deu um jeito para fechá-lo dois anos depois.


Sarney abalou-se com a matéria da Economist por vaidade. A imagem de dinossauro estraga a sua figura enfatiotada pelos jaquetões, confronta a imagem que tem de si mesmo. Além disso, não pode esquecer que a sua força começa no próprio quintal, por isso não pode dar trégua ao bando adversário.


Se a reportagem da Economist focalizasse com destaque o império midiático de Sarney ou a vergonhosa questão das concessões, a bola-de-neve poderia enfim rolar. No sexto parágrafo de uma matéria de oito, a aberração fica amenizada.


Edmar Moreira foi esmagado porque é apenas uma lagartixa. Sarney é um dinossauro. Vai sobreviver porque não é único.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem