Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > ESTERCO EM PAUTA

TV paga, o debate rastaquera

Por Alberto Dines em 23/02/2010 na edição 578

Em pleno carnaval um arranca-rabo sobre o ‘esterco cultural’ produzido pela TV paga americana mobilizou os foliões da política & vizinhanças.

Tudo começou com o comentário do assessor internacional do presidente Lula, o professor Marco Aurélio Garcia, noticiado pelo Globo (ver abaixo), sobre a qualidade e teor da programação da TV paga americana, e terminou numa cruzada da Folha de S.Paulo em defesa da ‘produção independente’. Se o debate fosse travado numa mesa de botequim, regado a cerveja, seria mais profundo, veraz e produtivo. Em letra de forma virou samba do crioulo doido.

As opiniões de Garcia foram pinçadas de suas intervenções num debate sobre a política de relações internacionais do PT realizado em Brasília, no sábado (6/2), às vésperas do congresso nacional do partido, ao qual também compareceram o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, secretário de Assuntos Estratégicos, e o sociólogo Emir Sader. Mas o jornalismo da Era Kindle dispensa este tipo de referência: alguém disse que Garcia falou, tá falado – sapecam-se aspas e estamos conversados.

Os comunicadores do PT ou palacianos também não se deram ao trabalho de registrar no site do partido ou do governo o que foi efetivamente dito pelo assessor presidencial e assim evitar distorções. A turma do aparelho também merece uma folga.

Neste vácuo, já na edição de terça-feira (16/2, pág. A-6) da Folha entra em operação a infernal máquina da repercussão: uma repórter perguntou à ministra Dilma Rousseff se concordava com a opinião do professor Garcia segundo a qual existe hoje ‘um retraimento do pensamento crítico’ com um avanço da ‘subintelectualidade de direita’. Dilma concordou, óbvio. Paulo Francis aplaudiria de pé.

Esporte saudável

Na quinta-feira (18/2), a mesma Folha resolve esquentar o debate em duas páginas da ‘Ilustrada’ (ver ‘Que esterco é esse?‘). De repente, amplia-se a crítica de Garcia e o que ele disse a respeito da TV paga americana, num passe de mágica, passa a valer para toda a TV paga, inclusive a européia e a brasileira.

O professor exagerou, foi simplista e sabe disso: o jornalismo da Fox é nauseante, o da CNN é infantil, algumas séries são realmente estúpidas, mas outras são críticas e hilariantes. A programação dos canais de filmes em muitos casos equivale a de um cineclube. Os canais de documentários são de excelente nível, deveriam ser mostrados em nossas escolas. A baixaria televisiva americana está na TV aberta, sobretudo nos filmes. O assessor presidencial não poderia referir-se a eles porque também são exibidos em redes amigas como a Record, a Bandeirantes e o SBT.

Debater a mídia é um esporte salutar, próprio das sociedades desenvolvidas. Indispensável praticá-lo com fair-play e seriedade.

***

Marco Aurélio Garcia ataca programação de TV a cabo

Bernardo Mello Franco # reproduzido do Globo Online, 9/2/2010

 

Escalado para coordenar o programa de governo da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à presidência, o professor Marco Aurélio Garcia anda preocupado com a influência da TV a cabo sobre os corações e mentes dos brasileiros. No sábado [6/2], o assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para assuntos internacionais discursou sobre o tema em debate na sede nacional do PT. Em meio a discussões sobre política externa, ele surpreendeu com um libelo contra o que chamou de ‘hegemonia cultural dos Estados Unidos’.

Marco Aurélio comparou a influência da indústria de entretenimento ao poderio bélico da 4ª Frota, a divisão da Marinha americana que atua no Atlântico Sul.

– Hoje em dia, quase tão importante quanto a 4ª Frota são os canais de televisão a cabo que nós recebemos aqui. Eles realizam, de forma indolor, um processo de dominação muito eficiente. Despejam toda essa quantidade de esterco cultural – esbravejou.

Em tom de alerta, o assessor de Lula disse que a esquerda precisa reagir à difusão de valores capitalistas:

– Estamos vivendo um momento grave do ponto de vista de uma cultura de esquerda. A crise dos valores do chamado socialismo real e a emergência desse lixo cultural nos últimos anos nos deixaram numa situação grave.

O petista também reclamou de um suposto marasmo intelectual no Brasil, comparando os dias atuais a momentos de efervescência cultural das décadas de 1930 e 1950:

– Hoje vivemos uma transformação do ponto de vista econômico-social muito mais importante do que no passado. No entanto, temos um deserto de ideias, um deserto de produção cultural. Isso é um problema no qual temos que pensar.

O coordenador da campanha de Dilma disse que o Brasil foi programado para ser um país pequeno e defendeu o fortalecimento das estatais no governo Lula. Ao condenar o avanço da direita na Europa, fez uma recomendação à plateia:

– Nunca subestimem a estupidez humana. Quem subestimou a estupidez humana se deu mal na História.

Todos os comentários

  1. Comentou em 27/02/2010 Ney José Pereira

    Prolixidade: Pro lixo da fundamentalidade: Quem tem frota de quinta tem de facultar à (com crase ) Quarta Frota o patrulhamento do Atlântico Sul!. E quanta patrulha, hein!.

  2. Comentou em 25/02/2010 Roberto Ribeiro

    Bem, este me parece um dos casos de crase facultativa.

  3. Comentou em 24/02/2010 Max Suel

    Infelizmente o jornalista Paulo Francis não está mais entre nós e não pode responder à Sra. Professora Alice … mas respondo eu, que li várias vezes o Paulo Francis se penitenciando por ter sido grosseiro com a grande atriz Tônia Carrero … logo, não cabe mais a acusação contra ele, pois se arrependeu em vida. Isto é honestidade intelectual. Neste tempos bicudos petistas ele faz muita falta. Seria ótimo para o país se ele vivesse estes tempos lulistas e fizesse os comentários de sempre. (Max Suel)

  4. Comentou em 23/02/2010 Ramón Portal

    Marco Aurélio ‘Top Top’ Garcia, com certeza, deve preferir o esterco ideológico da TV Estatal, elaborado com dinheiro – e sem autorização – do contribuinte. A tal ‘4ª Frota’, pelo menos, é mantida com o aval espontâneo de seus assinantes.

  5. Comentou em 23/02/2010 Mauricio Cavadas

    Como Dines peneirou esterco de não-esterco nos canais americanos, é preciso saber fazer essa separação nos comentários dos políticos. Não precisamos usar tudo, mas precisamos ler tudo.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem