Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

ENTRE ASPAS > MÍDIA & FAXINAS

Um grande faz de conta

Por Alberto Dines em 20/09/2011 na edição 660

Combinação ou casualidade: as denúncias da imprensa que derrubaram os quatro ministros ímprobos seguiram paradigmas diferentes do habitual. E os desfechos foram surpreendentemente velozes.

No caso do primeiro guilhotinado, Antonio Palocci, pela importância do acusado (ministro-chefe da Casa Civil, figura central no núcleo de ministros da Presidência da República) e a dimensão da infração (patrimônio aumentado 20 vezes em quatro anos), o caso foi trombeteado em manchete. Apesar do barulho, o jornal denunciador (Folha de S.Paulo) montou a matéria com uma fleuma britânica, rigorosamente objetiva.

As defenestrações seguintes (Alfredo Nascimento, Wagner Rossi e Pedro Novais) obedeceram ao mesmo estilo cirúrgico. Além da rapidez na punição, o que chama a atenção é a quase absoluta ausência de desdobramentos. Como se a malfeitoria se resumisse à presença do malfeitor no primeiro escalão e a sua demissão encerrasse o assunto.

O “jornalismo do século 21”, porventura, terá abolido as suítes, a continuidade, o fluxo contínuo de informações? O leitor saciou a sua curiosidade com tão pouco e nada mais quer saber? O cidadão indignado sente-se suficientemente acatado com o troca-troca de ministros cujos nomes sequer conhecia (exceto no caso de Palocci)?

Estado de Direito

São plenamente compreensíveis as razões que levam o governo a adotar esta estratégia soft de depuração: por um lado, atende às pressões da classe média que paga impostos e incomoda-se em ver o seu dinheiro no bolso dos corruptos; por outro, estabelece limites e regula os ímpetos denuncistas de uma imprensa que nos últimos anos vinha sendo ameaçada sempre que tentava exercer a sua parte no processo de fiscalização dos poderes.

O que nos leva a uma questão ainda não formulada com clareza: não estamos assistindo a um enorme faz de conta em que a imprensa finge que denuncia e o governo finge que respeita o seu trabalho?

Trocando em miúdos: está o governo efetivamente disposto a avançar na reforma moral? Com faxina ou sem faxina ministerial deve continuar o descalabro central?

A resposta estará fatalmente embutida na reação da Procuradoria Geral da República à decisão do Superior Tribunal de Justiça anulando as provas obtidas pela Polícia Federal contra a tribo dos Sarney na Operação Boi Barrica.

O egrégio tribunal tem todo o direito de rejeitar procedimentos judiciais de instâncias inferiores, mas o Estado brasileiro não pode cruzar os braços. Isso significa que a contestação ao STJ não pode resumir-se às justificadas apelações encaminhadas pelas associações de profissionais que servem na Polícia Federal.

O que está em jogo não são apenas os brios de uma corporação encarregada de garantir a segurança da sociedade. O que está em jogo é o próprio Estado de Direito e a imagem democrática do país, há dois anos enodoados pela ignominiosa censura judicial imposta ao jornal O Estado de S.Paulo.

 

Leia também

A corrupção e os fenômenos solares — A.D.

STJ anula investigação da PF contra a família Sarney – Andreza Matais e Filipe Coutinho [Folha de S.Paulo, 17/9/2011]

STJ anula provas obtidas pela PF em investigação sobre filho de Sarney – Mariângela Galucci [O Estado de S.Paulo, 18/9/2011]

O caminho está aberto para a impunidade – Fausto Macedo [OESP, 18/9/2011]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem