Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

JORNALISMO LOCAL > Porto Velho

A visão da usina de Santo Antônio

04/07/2016 na edição 910
Reportagem de Diogo Magri, Fernanda Giacomassi e Victória Damasceno.  Edição de Angela Pimenta e  Edna Dantas

Sobre a correlação entre a construção da usina e a enchente de 2014 e a ações do consórcio Santo Antônio Energia (SAE), controlador da usina:

Resposta da SAE – A Hidrelétrica Santo Antônio não possui qualquer relação com a cheia histórica ocorrida em 2014, decorrente, de acordo com institutos especializados, das chuvas nas cabeceiras do rio Madeira. Como empresa estabelecida em Porto Velho e com forte parceria com a sociedade local, a Santo Antônio Energia  prestou apoio humanitário à Defesa Civil Municipal para o atendimento às famílias desabrigadas. Foram entregues mais de quatro mil cestas básicas, cerca de 30 mil litros de água mineral, mais de 13 mil litros de combustível e mais de 13 mil quilos de carne. Além disso, disponibilizou caminhonetes, caminhões baú, caminhões para mudança, materiais de apoio como impressoras e rádios comunicadores e ainda duas embarcações para o resgate de famílias no Baixo Madeira.


Leia mais:

Prioritária, cobertura sobre impacto das cheias do rio Madeira reflui na seca;

A visão de Marcelo Freire, editor-chefe do Diário da Amazônia, líder em Porto Velho;

A visão de João Marques Dutra, representante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB);

A visão de Raphael Luis Pereira Bevilaqua,  procurador da República em Rondônia;

–  Usinas acabam com deficit energético, mas impacto socioambiental ainda é incógnita.


 

Sobre a cobrança da defesa civil municipal de Porto Velho para a publicação de um plano conjunto de evacuação de emergência da cidade:

­– A aplicação para o setor elétrico da Lei da Política Nacional de Segurança de Barragens apenas foi regulamentada pela Aneel em 22 de dezembro de 2015, estabelecendo os critérios necessários para a elaboração do Plano de Segurança de Barragens. Esta regulamentação garante o prazo de dois anos para a elaboração e apresentação do relatório e do Plano de Segurança de Barragens da Hidrelétrica Santo Antônio.

A Santo Antônio Energia já iniciou a elaboração do referido plano de Segurança e apresentará o documento dentro do prazo estabelecido pela Aneel que é dezembro de 2017. Independente desta regulamentação, a Hidrelétrica Santo Antônio possui um sistema de monitoramento e supervisão da barragem, atendendo as atuais exigências dos órgãos do setor elétrico, que garante a total segurança do empreendimento.

Reiterando o compromisso da Hidrelétrica Santo Antônio com a sustentabilidade, informamos que o empreendimento funciona de acordo com a Licença de Operação (LO) e sua a implantação se deu com a mais estrita observância das condicionantes impostas no Licenciamento Ambiental, inexistindo qualquer irregularidade.

Salientamos que a Hidrelétrica Santo Antônio foi projetada e construída com base em critérios específicos e normas internacionais de engenharia, sendo absolutamente segura e dimensionada para suportar vazões muito superiores à provocada pela cheia histórica de 2014. Seu projeto foi concebido com base em rigorosos estudos estruturais e ambientais, acompanhados e aprovados por todos os órgãos competentes, tanto na concepção do projeto como durante toda a construção.

***

Diogo Magri, Fernanda Giacomassi e Victória Damasceno são alunos da disciplina de Ética, da Graduação em Jornalismo na Escola de Comunicações e Arte, da Universidade de São Paulo.

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem