Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1071
Menu

KNIGHT CENTER > América Latina

Veículos digitais da Venezuela lançam plataforma de jornalismo colaborativo para unir recursos, investigar e driblar a censura

Por Paola Nalvarte em 03/12/2019 na edição 1066

(Foto: Divulgação)

Publicado originalmente no blog Jornalismo nas Américas

Para enfrentar os muitos desafios que existem atualmente na Venezuela, muitos meios de comunicação consideraram necessário formar alianças para continuar informando e investigando.

Com esse objetivo, os veículos digitais El Pitazo, Tal Cual e Runrun.es acabam de lançar a Aliança Rebelde Investiga (ARI). Com essa aliança, eles não apenas continuarão a disseminar seu conteúdo juntos – como parte da aliança comercial inicial que estabeleceram desde 1º de dezembro de 2016 -, mas também trabalharão juntos no nível editorial.

César Batiz, diretor do El Pitazo, disse ao Knight Center que a aliança editorial estava ocorrendo progressivamente ao longo dos anos, pois, inicialmente, a estratégia de publicidade dos três meios, chamada Aliança rebelde, “se deu para melhorar a divulgação e o escopo de suas informações, o impacto delas e seu significado”.

Eles já cobriram coordenadamente eventos políticos, como protestos ou eleições, acrescentou, mas, do ponto de vista investigativo, este é o primeiro passo.

“Vimos também que tínhamos três equipes de investigação que, em algumas ocasiões, estavam investigando o mesmo, e decidimos dar o passo para integrar as três”, disse ele.

Lisseth Boon, coordenadora da unidade de investigação da Runrun.es e, agora, também coordenadora editorial da ARI, disse ao Centro Knight que esse é um projeto experimental, localizado na Venezuela, que se insere na tendência regional de trabalhar o jornalismo investigativo em aliança.

E, para ter uma participação real dos três veículos, estão desenvolvendo um manual de procedimentos para delimitar as funções e papéis dos participantes, a fim de esclarecer como distribuir o trabalho ou a atribuição de tarefas.

Segundo Batiz, a ideia é publicarem juntos pelo menos uma reportagem investigativa por mês.

Da aliança, esses três veículos concordam em linhas de investigação e compartilham recursos humanos, incluindo doze jornalistas, quatro infografistas e designers, três fotógrafos, sete editores e videógrafos e uma equipe de logística, conforme informaram ao anunciar o lançamento.

Com essa aliança, esperam aprofundar e melhorar a qualidade de seu jornalismo investigativo, ajudar na formação de suas equipes e fazer reportagens de “mais força, mais impacto”, que podem ser disseminadas com um maior alcance de usuários nacionais e internacionais, afirmou Batiz.

As reportagens serão publicadas simultaneamente, mas cada veículo adaptará o conteúdo à sua linha editorial para respeitar a diversidade de seu público, bastante diverso. Segundo Boon, o perfil dos leitores do Runrun.es é de classe média e classe média alta. E “o [perfil do leitor] de Tal Qué é de uma classe média que busca mais opinião, formando opinião”, afirmou Batiz. “O foco de El Pitazo são os setores D e E da população”, para os quais eles também tiveram que criar alguns formatos offline para compartilhar as informações com seu público.

Batiz calcula que o número de visualizações diárias que obteriam as reportagens investigativas publicadas pela aliança seria entre 8 e 10 milhões de usuários, nacional e internacionalmente.

Desde que eles estabeleceram uma colaboração comercial e de divulgação, os três veículos produzem o podcast “3 em 1”, com um resumo semanal das notícias e reportagens mais destacadas de cada um. Agora, o “3 em 1” também divulga as investigações conjuntas que começaram a ser trabalhadas em parceria. Há uma semana, lançaram e publicaram simultaneamente sua primeira reportagem investigativa, “Canaima, o paraíso envenenado por ouro“.

A próxima reportagem, que será publicada no início de dezembro, discutirá a fazenda de bots que existe na Venezuela, disse Batiz.

Ao mesmo tempo, eles começaram uma investigação sobre corrupção na Venezuela. “Temos outro projeto sobre o mapeamento da grande corrupção desses [últimos] vinte anos”, disse Boon. “A Venezuela já entrou na categoria de grande corrupção. Não é mais uma cleptocracia, a situação já excede qualquer modelo existente no mundo, por isso queremos fazer um ótimo mapa disso.”

Em relação a essa investigação, Boon disse que já está construindo um banco de dados para coletar os grandes casos de corrupção, a fim de classificá-los e, ao mesmo tempo, identificar os organismos envolvidos e as áreas onde existem mais desses casos. “Tudo o que estamos processando. Isso será acompanhado, é claro, por relatórios que interpretam todo esse banco de dados que estamos montando.”

Eles planejam publicar essa reportagem nos primeiros meses de 2020.

Quanto à parte gráfica, Elsy Torres, comunicadora especializada em design e infográficos em El Pitazo, será a coordenadora da área visual da ARI. Torres disse ao Centro Knight que seu trabalho será conectar-se aos designers das três mídias para fazer com que as peças gráficas, como infográficos ou especiais da investigação, trabalhem juntas. Além disso, peças gráficas serão trabalhadas para “traduzir” dados densos de pesquisa, para que possam ser disseminados nas redes sociais, acrescentou.

Sobre as expectativas desse novo estágio na aliança das três mídias, Torres disse que é uma oportunidade de crescimento do ponto de vista humano e jornalístico. Como equipe multidisciplinar, “seremos mais críticos, teremos uma revisão mais oportuna das coisas, seremos músculos (…). Acreditamos que isso irá alimentar todos nós ”, disse.

Nos últimos vinte anos, a Venezuela sofreu o fechamento de 32 estações de rádio e jornais impressos, que ficaram sem material de impressão para continuar publicando por embargo do governo, como foi o caso do jornal El Nacional. Além disso, sites jornalísticos que tiveram uma opinião crítica com o governo de Hugo Chávez (1999-2013) e, agora, com Nicolás Maduro, sofreram bloqueios e ataques digitais. O assédio judicial contra jornalistas e a repressão à liberdade de imprensa e expressão também permanecem constantes no país.

***

Paola Nalvarte é jornalista peruana e mora em Austin, Texas.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem