Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

MALAGUETA DIGITAL > HENFIL (1944-1988)

Um diabo dum humorista

Por Cassio Loredano em 04/02/2014 na edição 784

Reproduzido do Globo.com, 2/2/2014

No começo não se sabia. Muitos diziam Hênfil, alguns aspirando o h: Rênfil. Que nome estranho. E que humor estranhíssimo. Tinha disso no Brasil – e ainda por cima em Minas? Sensacional. A surpresa escandalizou o Brasil, incendiou o Brasil em uma semana. Aí então, foi-se sabendo: Henrique de Souza Filho, de Belo Horizonte. Henrique Filho, hemofílico, a tônica era no i. Expondo sua própria chaga, ensinando o brasileiro a meter o dedo na própria ferida, radicalizando entre nós o aspecto fundamental do humorismo da segunda metade do século XX: a autocrítica, a autodenúncia valente, a investigação do espelho, o divã. Aponta-se menos o Outro. A solução, se solução há, está em mim. O Brasil era tudo o que era – e mais tudo o que não queria admitir.

Depois do Henfil, não foi mais possível ignorar, o Brasil era também o fradinho pequeno, perverso, racista, inescrupuloso. O Henfil tirou de debaixo do tapete tudo o que para lá tínhamos varrido zelosamente a nossa História inteira. Taí – mostrou. E obrigou-nos a olhar, e olhando pudemos ver. E como nos obrigou? De que recursos se valeu para nos puxar pelo nariz e nos atrair o olhar? De bizarríssimo instrumental que consistia no humor mais descarnado e impiedoso, sem complacência nenhuma, a serviço do qual empregou seu traço paradoxal, muito sujo, imundo – e limpo!!!, sem ornato algum; árido mas claro, desagradável e magnético a um só tempo. A unidade entre o enredo e o aspecto era perfeita, e o recado final se resume a isto: olhe aqui que feio.

O Henfil, ele próprio, não era nem fradinho nem graúna. Foi um diabo de um humorista e (tudo nele era assim tão contraditório) um anjo muito puro que por aqui passou feito um vendaval escaldante, mas deixando tudo arejado, ventilado. Foi muito rápido.

Leia também

70 anos do revolucionário do traço – Dênis de Moraes

O guerreiro que se foi muito cedo – Venício A. de Lima

Os 70 anos do cartunista – Maurício Meireles

******

Cassio Loredano é caricaturista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem