Traídos e traidores | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

MARCHA DO TEMPO > 1964 + 50

Traídos e traidores

Por Carlos Heitor Cony em 25/03/2014 na edição 791
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 23/3/2014; intertítulo do OI

Com a proximidade do 1º de abril, venho recebendo pedidos da mídia em geral para dar um depoimento sobre o gol- pe de 1964. Querem saber quem tinha mudado de lado, apoiado a deposição de João Goulart e depois se voltado contra o regime totalitário que os militares instauraram naquela data.

Em princípio, a maioria foi a favor do golpe, pelo menos até 13 de dezembro de 1968. Com a edição do AI-5, houve um golpe dentro do golpe, desgastada pelas violências e torturas, a mesma maioria passou a detestar o governo e os militares. Exemplo disso foi o próprio “Correio da Manhã”, que combatera Jango diariamente, inclusive publicando os famosos editoriais “Basta” e “Fora”. No entanto, já no dia seguinte, 2 de abril, publicou uma crônica que criticava o movimento da véspera.

Mais prisões

Dois jornalistas merecem destaque: Carlos Lacerda e Hélio Fernandes, os que mais elogiaram os golpes e passaram a combater a ditadura. Lacerda tinha sido o principal oponente de Jango. Com a vitória dos militares, participou da primeira reunião dos generais vitoriosos, acreditando que tomaria o poder, que lhe seria servido numa bandeja.

Recebeu um soco na mesa, dado por um general que ninguém conhecia, mas que assumiu a liderança daquilo que foi chamado de “Alto comando”, do qual saiu o nome de Castello Branco (por sinal, um lacerdista). Percebendo que não tomaria o poder, Lacerda passou a criticar com a violência costumeira o governo e o próprio Castello Branco, associando-o aos “anjos da rua Conde Lage”, zona do baixo meretrício, garantindo que ele era mais feio por dentro do que por fora.

Hélio Fernandes foi dedo-duro implacável, cobrando mais prisões e punições. Chegou a ser candidato a senador pela UDN, mas depois do AI-5 foi cassado e confinado em Fernando de Noronha.

******

Carlos Heitor Cony é colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem