A marcha dos insensatos | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

MARCHA DO TEMPO > 1964 + 50

A marcha dos insensatos

Por Luciano Martins Costa em 24/03/2014 na edição 790

Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 24/3/2014

Algumas centenas de pessoas ensaiaram sábado (22/3), no Rio e em São Paulo, uma reedição da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, ato que em março de 1964 animou os espíritos golpistas que acabaram derrubando o governo de João Goulart. No domingo (23/3), os jornais dedicaram às manifestações nada mais do que os relatos corriqueiros das curiosidades que acontecem nas cidades grandes. No fim de semana e na segunda-feira (24), seguem as reportagens especiais sobre o que foi aquele período da nossa história recente.

Há algumas lições a serem observadas nesse noticiário. A primeira delas é que, embora a imprensa hegemônica, aquela que ainda exerce uma influência considerável sobre as instituições, continue obcecada em derrubar o grupo político que governa o país desde 2003, está fora de cogitação apoiar um golpe antidemocrático. A conspiração se dá no dia a dia, nas escolhas editoriais que procuram demolir a autoconfiança dos brasileiros e, principalmente, pressionar por mudanças na orientação das políticas públicas.

Outra questão a ser observada é o cuidadoso trabalho de revisão histórica que os jornais estão produzindo a respeito das cinco décadas que se sucederam ao golpe de 1964. Mesmo se colocando em oposição declarada às políticas de incremento da renda dos mais pobres implementadas há dez anos, a imprensa finalmente reconhece que essas políticas resultaram em grande avanço na redução das desigualdades produzidas durante o período da ditadura militar.

Entre os títulos considerados de circulação nacional, o Globo é o diário que enfrenta com mais determinação a tarefa de corrigir a visão que a imprensa tentou impor aos brasileiros até aqui: o jornal carioca afirma que o Brasil levou cinquenta anos para “se recuperar do estrago que a política de arrocho salarial do regime militar e a inflação fizeram na distribuição de renda brasileira” (ver aqui e aqui).

O jornal afirma, explicitamente, que o principal resultado da política econômica da ditadura foi transferir pelo menos 70% do crescimento da riqueza para os 10% mais ricos.

Contrariando a doutrina

A recuperação da economia nacional só foi possível após o Plano Real, em 1994; ou seja, durante a maior parte do período que os economistas chamam de “os trinta anos gloriosos” do capitalismo, o Brasil produziu riqueza para os ricos e manteve a maioria da população em uma situação de extrema vulnerabilidade.

Embora os artigos dos jornais não abordem o assunto diretamente, os dados publicados indicam claramente que a recuperação da renda dos mais pobres se concentra no período iniciado pelo primeiro mandado do ex-presidente Lula da Silva. A retrospectiva também permite constatar como a intervenção militar na política teve como objetivo preservar os privilégios da oligarquia que sempre se apropriou da riqueza nacional.

Em fevereiro de 1964, o então presidente João Goulart havia aumentado o salário mínimo para R$ 1 mil, em valores atuais, tentando recuperar o poder de compra que os trabalhadores tinham em 1950. O golpe se acelerou após essa decisão, o que revela claramente o papel das Forças Armadas, na época, como guarda pretoriana submissa à oligarquia.

Alguns analistas citados pela imprensa consideram que a recuperação da renda dos mais pobres começou em 1995, com o aumento real do salário mínimo, mas só se consolidou quando o ex-presidente Lula da Silva criou os programas econômicos de proteção social. Era necessário romper a doutrina conservadora segundo a qual o Estado deve deixar que o mercado se regule naturalmente, de modo que o salário reflita a lei da oferta e da procura. Foi preciso usar a alavanca dos programas sociais, para que a desigualdade começasse a diminuir.

A terceira, mas não menos importante, lição a ser tomada das crônicas do fim de semana é que a imprensa sinalizou claramente que não compactua mais com soluções brutais como o golpe militar para superar períodos nos quais a política nacional contraria seus dogmas.

Embora algumas páginas nobres dos jornais ainda estejam tomadas por pitbulls da irracionalidade, suas pregações não foram capazes de produzir mais do que uma lacônica marcha de uns poucos insensatos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem