Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

MARCHA DO TEMPO > HISTÓRIA RECUPERADA

O caso Edgardo Mortara

Por Deonisio da Silva em 27/02/2007 na edição 422

Na noite de 23 de junho de 1858, na cidade de Bologna, na Itália, um menino judeu de apenas 6 anos foi arrancado dos braços dos pais e levado para Roma por policiais do Vaticano. Eles disseram que cumpriam ordens do papa Pio IX. E era verdade.

O caso resultou em muita polêmica, resumida em dois livros básicos: um é O seqüestro de Edgardo Mortara, de David I. Kertzer, publicado nos EUA, em 1998, pela editora Random, e uma peça, escrita pelo vencedor do prestigioso prêmio Pulitzer, Alfred Uhry, que se baseou no relato de Kertzer.

Nenhum deles provavelmente escreveria o que escreveu, não fosse o próprio menino dar a sua versão do seqüestro quando, já velho monge, aguardava calmamente a morte num mosteiro belga, onde veio a falecer em 1940, aos 89 anos.

Idas e vindas

Por que o papa ordenou o seqüestro? Porque uma empregada da família Mortara contou a uma amiga que batizara o menino de quem cuidava pois, estando os pais ausentes, ele passou mal e ela pensou que ele fosse morrer. Católica praticante que era, batizou o pirralho para que ele não morresse em pecado. A notícia chegou ao Vaticano e forças poderosas viram no caso uma oportunidade de reforçar a autoridade dos estados pontifícios, que Bologna integrava.

O pai de Edgardo mobilizou todos os recursos de que dispunha e foi aos tribunais para reaver o seu filho. O papa concordou em recebê-lo no Vaticano. O pai testemunhou que o menino estava sendo muito bem tratado. Foram permitidas diversas visitas ao menino, mas a condição para devolvê-lo ao seio da família era que seus pais se convertessem ao catolicismo.

Depois de idas e vindas, o papa Pio IX disse que o menino poderia escolher. E ele escolheu, diante de um pai surpresíssimo e atordoado, ficar no Vaticano e não voltar para casa.

Levou então vida de seminarista, formou-se monge e ao final da vida contou a própria história.

Pouco conhecido

Napoleão III tentou, sem sucesso, persuadir o papa a modernizar seu Estado. As notícias do seqüestro do menino judeu em Bologna o irritaram muito. Também os Rothschild se mobilizaram libertar o menino. Tudo em vão. Na Sardenha, o conde Camillo Cavour, primeiro-ministro e idealizador da Itália unificada pelo rei Vittorio Emanuelle II, escreveu cartas condenando o seqüestro.

Uma tragédia na vida da família Mortara acentuou as cores deste caso. O pai de Edgardo foi acusado de assassinar outra empregada de sua casa, Rosa Tognazzi, e foi preso injustamente. Em 1871, quando foi finalmente inocentado, morreu.

O History Channel apresentou recentemente um belo documentário sobre o caso famoso, infelizmente do conhecimento de poucos em nosso católico Brasil.

******

Escritor, doutor em Letras pela USP, professor da Universidade Estácio de Sá, onde dirige o Instituto da Palavra; www.deonisio.com.br

Todos os comentários

  1. Comentou em 06/05/2007 Luiz do Nascimento Pereira

    O que mais me impressionou, foi saber que os ‘tentáculos’ da inquisição tenham chegado até meados do século 19 !

    Creio que o critianismo atual católico e reformado, notadamente os de países mais ricos e poderosos, poderiam compensar parte deste mal feito, mandando a frente de seus missionários, missões humanitárias com comida água e remédios. Acho que este gesto faria com que esses povos sofridos vissem, para depois tentarem compreender, parte do maior mandamento do Cristianismo, que é o amor, tolerância e compaixão para com o próximo.

    É difícil passarmos por um fato como este sem fazer um juizo, por isso é melhor pedir que Deus tenha misericórdia de todos nós !

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem