Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1054
Menu

MEIO AMBIENTE > Crise internacional

Ambiente: Bolsonaro semeou vento, mas vai colher tempestade

Por Carlos Wagner em 10/09/2019 na edição 1054

(Foto: Fotos Públicas)

Publicado originalmente no blog Histórias Mal Contadas

Logo que o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL-RJ), começou a mostrar a sua maneira de como iria administrar o Brasil, houve um aumento do volume de conversas entre os repórteres e suas fontes, na busca de informações para saber como as coisas iriam funcionar. Na minha área de trabalho – conflitos agrários (fazendeiros e sem-terra), disputa por garimpos (índios e garimpeiros), crime organizado de fronteira e migrações -, tudo indicava que o confronto com as organizações que lutam pela reforma agrária, em especial o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), seria intenso. Durante as conversas que tive, falei com o professor, pesquisador e sociólogo Ivaldo Gehlen, que foi da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) por muitos anos. Ele disse o seguinte: “Wagner, o grande enfrentamento do governo vai ser na questão do meio ambiente”. Tempos depois, o professor reafirmou sua posição em uma entrevista dada ao jornal Valor Econômico.

O andar da carroça mostrou que o professor estava certo. Estão aí as repercussões nacionais e internacionais das queimadas da Floresta Amazônica, onde autoridades e ecologistas ao redor do mundo apontam o dedo em direção a Bolsonaro, que é descrito como uma espécie de Nero Tropical – imperador romano em 54 a.C. que tocava harpa enquanto Roma queimava. Por que a questão ambiental cresceu tanto, a ponto de acontecer um bate-boca entre Bolsonaro e o presidente francês Emmanuel Macron? Busquei essa resposta conversando com os meus colegas repórteres que viajam ao redor do mundo fazendo coberturas. Eles me lembraram uma coisa: que eu havia vivido nos anos 1980, durante a cobertura dos conflitos agrários, e tinha esquecido. Existem dois temas que são manchetes nos noticiários dos grandes jornais e das redes de TV­­­ ao redor do mundo referentes ao Brasil: selva amazônica e questão indígena. O resto é canto de página.

Um velho e experiente repórter que escreve sobre política me alertou para o seguinte: não é por outro motivo que vários presidentes da República escolheram para ministro do Meio Ambiente pessoas com currículo respeitado mundialmente pelos ecologistas. Alguns dos presidentes da República: Fernando Collor de Mello (1990 a 1992) nomeou o agrônomo e ecologista José Lutzenberger, gaúcho falecido em 2002 e um dos pioneiros da defesa do meio ambiente. Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2003) colocou José Sarney Filho, um dos fundadores do Partido Verde. Luiz Inácio Lula da Silva (2003 a 2011) foi a Marina Silva, ecologista que ficou conhecida no mundo na época em que trabalhou com o seringueiro e sindicalista Chico Mendes, assassinado em 1988, em Xapuri, uma pequena cidade perdida no meio da Floresta Amazônica, no Acre.

Essas pessoas consolidaram a aliança entre o governo e as ONGs espalhadas ao redor do mundo. O resultado dessas alianças foi o surgimento de novos mercados para vários produtos brasileiros, principalmente na área das proteínas animais e vegetais. Bolsonaro assumiu o governo nomeando dois superministros: Paulo Guedes, na área econômica, e o ex-juiz Sergio Moro, na Justiça e Segurança Pública. A questão do meio ambiente foi usada por ele para ganhar votos na campanha com a proposta de flexibilizar as leis de proteção. Cumpriu a promessa e o resultado foram as queimadas na Floresta Amazônica. E sabe lá mais o que vem por aí. Por uma dessas ironias da história, a primeira vítima da política ambiental do governo será justamente quem o apoiou de maneira muito forte durante a campanha: vários empresários ligados ao agronegócio no interior do Brasil. Se os defensores do meio ambiente ao redor do mundo pressionarem os consumidores dos produtos brasileiros, principalmente de proteína vegetal e animal, vai ser muito complicado para o agronegócio. Bolsonaro semeou vento. Agora, vai colher tempestade. É simples assim.

***

Carlos Wagner é repórter.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem