Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

MEIO AMBIENTE > O verdadeiro culpado

Óleo nas praias do NE: criminoso é esse desgoverno de fake news

Por Ricardo Kotscho em 22/10/2019 na edição 1060

(Foto: Fotos Públicas – Gilberto Crispim)

Publicado originalmente no site Balaio do Kotscho

Sim, Bolsonaro, tanto as queimadas na Amazônia como o óleo nas praias do Nordeste são tragédias provocadas por criminosos, como você diz, e aponta culpados sem apresentar provas.

Na Amazônia, logo você veio com a história de que quem tacou fogo na mata foram os índios e as ONGs estrangeiras.

Quando nosso litoral foi tomado por um óleo negro, você insinuou que a culpa era da Venezuela, do teu inimigo Maduro.

Hoje sabemos que quem provocou as queimadas na Amazônia foram teus seguidores fanáticos das tropas da madeira, da mineração e do boi, que promoveram o “dia do fogo”, estopim da tragédia, no dia 10 de agosto.

Também sabemos hoje que tonéis de óleo com o emblema da Shell foram encontrados nas nossas águas, sem que até hoje o governo brasileiro tenha pedido desculpas à Venezuela.

Para que serve nossa gloriosa Marinha, que deveria defender a costa brasileira, se não é capaz de identificar a origem dos vazamentos de óleo que avançam sobre o litoral há mais de dois meses?

Criminoso, Bolsonaro, é esse teu desgoverno, como a Folha denuncia em sua manchete de sábado (19/10): “Governo extinguiu comitês contra desastres por óleo – Promotoria cobra Bolsonaro após maior desastre ambiental no litoral brasileiro”.

Fomos informados agora, pelo jornal, que em abril o governo Bolsonaro baixou um decreto extinguindo dois comitês responsáveis por identificar e coibir casos de poluição das águas por óleo.

Diante da omissão do governo, eleito e mantido por fake news, o Ministério Público Federal cobrou de Bolsonaro um plano nacional de contingência de incidentes com vazamento de petróleo.

Pois, como informa a Folha, são justamente esses dois comitês extintos por Bolsonaro que deveriam fazer parte deste plano de contingência.

A omissão do governo movido a notícias falsas já provocou estragos em 77 cidades nordestinas.

Enquanto isso, em seus delírios hitlerianos, o capitão-presidente especulou que pode ser um ato criminoso para prejudicar o leilão do pré-sal, o nosso tesouro sob as águas, que está na origem do golpe de 2016 para derrubar Dilma e prender Lula.

Foi para isso que a Lava Jato fez uma joint-venture com a justiça e a polícia do amigo Trump: entregar nossas reservas a preço de banana.

Sem se preocupar com os gravíssimos prejuízos econômicos, ambientais e sociais causados pela incúria governamental ao povo da região atingida, Bolsonaro fez mais uma grosseria com os nordestinos na sexta-feira (18/10).

Chamou de “espertalhão”o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, acusando-o de ter copiado sua proposta de dar um 13º salário aos beneficiários do Bolsa-Família.

Era mais uma mentira, pois, em sua campanha, Câmara já tinha apresentado essa medida em seu programa de governo.

Os nove governadores nordestinos reagiram imediatamente ao “descabido e desrespeitoso ataque” em carta assinada por todos eles.

Dizem os governadores: “Além de inverídica, a mensagem publicada possui um tom inaceitável, em qualquer situação, tornado-se ainda mais grave ao ser assinada pela mais alta autoridade do poder executivo”.

A irresponsabilidade do governo do ex-capitão afastado do Exército não tem limites.

Governa o país como se fosse o síndico de um condomínio de milicianos na Barra da Tijuca, não respeita ninguém e arruma uma confusão atrás da outra para governar sozinho com seus filhos e áulicos.

A boa notícia é que ele viajou para a Ásia, onde passará bastante tempo longe das crises, fabricando espuma e novos vexames.

No governo da vingança e do ódio, o povo nordestino que se dane. Quem mandou não votar no capitão de fancaria?

Vida que segue.

***

Ricardo Kotscho é jornalista.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem