O grande Joelmir | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sábado, 18 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

MEMóRIA > JOELMIR BETING (1937-2012)

O grande Joelmir

Por Lúcio Flávio Pinto em 11/12/2012 na edição 724
Reproduzido do Jornal Pessoal nº 526, 2ª quinzena de dezembro/2012

Foi uma honra e um privilégio ter sido contemporâneo de jornalistas como Aloysio Biondi e Joelmir Betting, que morreu no dia 29/11, em São Paulo, aos 75 anos. A notícia deve ter causado forte abalo a todos que, além de admirá-lo, tinham por ele uma grande estima pessoal. Como Aloysio, Joelmir abriu uma nova senda no jornalismo brasileiro: escrever de forma clara e inteligível sobre temas econômicos.

Enquanto a maioria ainda recorria a códigos, jargões e linguagem viciada como forma de exclusivismo e de suspeita autoconsideração, eles não só traduziam o economiquês como, através de paralelos e contextos, além de exemplificações ao alcance de todos, porque extraídos do cotidiano, traziam a ciência elitista para a realidade do comum dos mortais.

Depois de ter desbastado os parasitas da inteligibilidade em sua coluna de jornal, Joelmir levou essa autêntica revolução para a televisão. Valeu-se de sua boa dicção, didática e marcante, como a de Paulo Francis, só que destituída de teatralidade. O coloquialismo na fala era o mesmo da escrita.

Não era diluição aquosa. Joelmir foi um dos pioneiros na busca pelo conhecimento sistematizado na academia. Tinha base científica, valorizada por jamais ter perdido a preocupação jornalística pela compreensão do leitor.

Aloysio Biondi fez época ao agregar ao noticiário do dia as ramificações dos fatos com os seus antecedentes e consequências, o que fez com maestria em jornais menores, como o Diário Comércio e Indústria, depois de ter deixado sua marca em Opinião, com Marcos Gomes e Ricardo Bueno. Foi uma era de competência, criatividade, compromisso com o ofício e bom humor. Era que Joemir Betting expressou por inteiro.

Leia também

Punição imerecida. E esquecida – Alberto Dines

O sociólogo que inovou a linguagem jornalística – Reinaldo Cabral

Joelmir – Celso Ming

Traduziu o economês sem trair a economia – João Batista Natali

O tradutor do economês – José Maria Mayrink

Carta ao pai – Mauro Beting

***

[Lúcio Flávio Pinto é jornalista, editor do Jornal Pessoal (Belém, PA)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem