Sábado, 18 de Janeiro de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1070
Menu

MEMóRIA >

Um publicitário dono de jornal

Por Leandro Vieira em 07/05/2013 na edição 745

Acurcio de Oliveira era um homem de hábitos simples. Contido, foi mais do sorriso discreto do que da grande gargalhada. Presenteava filhos de funcionários do Monitor Mercantil, jornal do qual era dono. Mesmo aos 84, ia todos os dias à Redação.

Nascido em Rio Bonito (RJ), Acurcio ficou órfão de pai ainda criança. Sua mãe, então, foi obrigada a sustentar os três filhos sozinha, o que fez com grande dificuldade.

No começo da adolescência, mudou-se para a capital fluminense atrás de oportunidades melhores. Logo começou a trabalhar na área de publicidade do jornal Última Hora, de Samuel Wainer.

Autodidata, aprendeu os macetes da profissão e fixou-se com sucesso. No jornal, pôde ouvir, ao vivo, os comentários das feras que trabalhavam na publicação. “Meu pai sempre falava das resenhas do cotidiano que ele ouvia de Nelson Rodrigues”, lembra o filho, Marcos de Oliveira, que trabalha no jornal do pai.

Depois, passou pelas revistas Manchete e Senhor e pelo jornal O Globo, sempre na área de publicidade.

Com a experiência adquirida em importantes veículos, montou em 1955 uma empresa de representação publicitária para publicações estrangeiras. Agenciou no Brasil, por exemplo, a revista americana Forbes, por 33 anos.

Em 1985, comprou o jornal Monitor Mercantil, fundado por Elysio de Carvalho, que circula no Rio e que cobre o noticiário econômico.

Acurcio de Oliveira morreu na quarta-feira (1/5), após sofrer um infarto. Deixa viúva, um filho (teve outro, Ricardo, que morreu em 2007, também de infarto) e duas netas.

******

Leandro Vieira, colaboração para a Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem