Jornalista em vários formatos | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sábado, 18 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

MEMóRIA > RENATO POMPEU (1941-2014)

Jornalista em vários formatos

Por ‘FSP’ em 11/02/2014 na edição 785
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 10/2/2014

Em 2008, ao responder sobre quais conselhos daria a um jornalista iniciante, o jornalista e escritor paulista Renato Pompeu de Toledo [sic] recomendou abandonar imediatamente a profissão.

Em caso de insistência, disse ele à publicação “Observatório da Imprensa”, o melhor é se estabelecer de forma independente na internet. “Se isso também não foi possível, procurar manter a dignidade profissional e preparar-se para uma vida de sacrifícios.”

Ao longo de uma carreira iniciada em 1960 e que durou até a véspera de sua morte, o incansável Pompeu de Toledo [sic] seguiu um pouco de cada um desses conselhos.

Trabalhou em diversos meios de comunicação, entre os quais a Folha, a revista “Veja” e o “Jornal da Tarde”. Ganhou um Prêmio Esso de Jornalismo.

Quando não estava numa redação, Pompeu de Toledo [sic] se dedicava a escrever livros. Foram ao todo 22 obras, incluindo os romances “Quatro-Olhos” (1976) e “Samba-Enredo” (1992) e a biografia “Canhoteiro, o Homem que Driblou a Glória” (2002).

Desde 2009, Pompeu de Toledo [sic] também mantinha o blog do Renatão, onde publicou pela última vez anteontem [sábado, 8/2], sobre a importância da obra da antropóloga e primeira-dama Ruth Cardoso.

Horas depois, ele se sentiu mal e foi internado em um hospital de São Paulo.

Renato Pompeu de Toledo [sic] morreu ontem [domingo, 9] de manhã aos 72 anos, após uma parada cardíaca. Solteiro, ele não deixa filhos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem