Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MEMóRIA > RODOLFO KONDER (1938-2014)

Jornalista, denunciou assassinato de Herzog

Por José Marques em 06/05/2014 na edição 797
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 3/5/2014

Em 1975, quando Vladimir Herzog foi morto, Rodolfo Konder também estava preso em uma cela no DOI-Codi. Quando foi solto, foi o primeiro a denunciar o assassinato do amigo, enquanto o regime militar tentava emplacar a versão de suicídio.

Konder era um opositor da ditadura que militou pelo Partido Comunista Brasileiro. Também já havia se exilado e retornado ao Brasil para trabalhar como jornalista. Com a redemocratização, tornou-se presidente da ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e fundou a Anistia Internacional no Brasil.

Konder trabalhou e colaborou para quase todas as grandes redações do país. Apesar da formação de esquerda, foi secretário municipal de Cultura de São Paulo nos governos de Paulo Maluf (1993-1996) e de Celso Pitta (1997-2000). Segundo o irmão, Leandro Konder, Rodolfo sempre consultava os amigos para tomar suas decisões na pasta.

Foi diretor do Masp, professor de jornalismo e escritor com 33 livros publicados. É lembrado pela família e por amigos como alguém irreverente, irônico e charmoso. Atualmente, era membro da ABI e do Conselho Municipal de Educação.

Ele morreu na quinta-feira (1/5), de câncer de pulmão. O corpo foi cremado em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. Além de Leandro, Rodolfo deixa uma irmã, um filho e a mulher, Silvia Gyuru, com quem foi casado por quase 40 anos.

Em nota, o Instituto Vladimir Herzog disse que Konder desempenhou papel de fundamental importância na derrocada da ditadura no Brasil.

******

José Marques, para a Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem