Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

MEMóRIA > JEAN PIERRE MANZON (1954-2014)

Prezava as fotos com ângulos e luzes perfeitos

Por Andressa Taffarel em 14/10/2014 na edição 820
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 9/10/2014

Influenciado pelo pai, o cineasta e fotógrafo Jean Manzon, Jean Pierre andava com uma câmera para cima e para baixo já desde criança.

Aos 18 anos, abriu sua primeira produtora. Nunca abandonou a fotografia, mas sua preferência eram os vídeos.

Realizou documentários de Norte a Sul do país e em diversos outros países. Uma de suas obras-primas é o longa-metragem “O Novo Brasil”, que mostra a potência da indústria, da natureza e do povo brasileiros. Com ele, venceu o Festival de Chicago de 1992.

Também se destacou na publicidade. Durante anos, produziu filmes para a Varig.

Era um aficionado por imagens aéreas, que acabaram se tornando uma das marcas de seu trabalho. Várias delas integram o banco de fotografias da agência Getty Images.

Curiosamente, fez poucas imagens da família. “Ele gostava de fotos com ângulos e luzes perfeitos, não tinha essa de registrar só para guardar um momento. Então acho que não tinha paciência para esperar a gente ficar quieto”, conta Jean-Louis, que seguiu os passos do pai –e do avô.

Nem nas horas de folga Jean Pierre deixava a profissão de lado. Adorava falar sobre filmes –além de política e história– e de ir ao cinema, preferencialmente sozinho, pois não queria ser importunado com comentários durante uma cena importante.

Películas de cineastas como Sergio Leone, Akira Kurosawa e Francis Coppola faziam seus olhos brilharem.

Morreu no dia 26/9, aos 60 anos, devido a problemas no coração. Deixa os filhos, Jean-Louis, Sophie Caroline, Paul Edouard e Marie Isabelle.

******

Andressa Taffarel, da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem