Sábado, 25 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

MEMóRIA > ARMÊNIO GUEDES (1918-2015)

‘Sempre questionava o autoritarismo’

Por Luiz Awazu Pereira em 16/03/2015 na edição 842
Reproduzido do Valor Econômico, 13/3/2015

Conheci Armênio Guedes como “Júlio”, eu jovem adolescente filho de exilado, ele cercado da áurea e da mítica imagem de “apparatich” do Partidão. Era em Paris, onde estava exilada uma grande parte da situação e da oposição de hoje, todos unidos pela redemocratização do nosso país.

Tempos antigos de causas maiores.

Armênio é o último representante dessa geração que viveu o começo e a travessia dos períodos de lutas claras, das necessárias e heroicas decisões de vida ou de morte onde a emoção coincidia exatamente com a razão. Dizem que era mais fácil então pela simplicidade. Não era. Nunca foi e está sendo menos ainda.

Já naquela época, Armênio entendia que por detrás do preto e do branco, do vermelho da outra bandeira, das dicotomias reconfortantes com suas certezas absolutas, havia nuances. Cores pastel, tonalidades e pequenas dúvidas, o indispensável ingrediente da democracia.

Perguntas que sempre levaram Armênio a questionar o argumento autoritário e seus proponentes, quaisquer que fossem. Sem violência jamais, sempre com a vontade de convencer o outro, de construir mais consenso. Perguntas insidiosas que talvez o prejudicaram mas o tornaram a quintessência do democrata militante, livre­ pensador mas combatente consequente, cético mas não pusilânime, “comunista avulso” como ele dizia.

E sobretudo brasileiro, amante do nosso país, acreditando nele e enxergando sempre nossos progressos, sem idolatria mas tampouco sem pessimismo.

Na minha ingenuidade, antes de encontrá­-lo em pessoa, imaginava­-o pela lenda como o revolucionário envolto na capa de couro preto, fumando charutos imensos e carregando sua Kalachnikov escondida.

Que bela surpresa, quando meu pai o apresentou, foi descobri­-lo sem esses sinais de caricatura, simples, mas forte, tão humano, sorridente com seus olhos infinitamente azuis transparentes e sua fala mansa de baiano do Rio de Janeiro. Com o tempo, os laços se estreitaram, as conversas fluíram sobre política, história, sociedade e muito futebol. Nasceu a amizade e acabei ganhando um segundo pai.

As coisas boas da vida têm prazo, sabemos disso, mas nunca estamos na verdade completamente preparados. Até breve Armênio. Descanse, pois você merece.

******

Luiz Awazu Pereira é diretor de Política Econômica e Assuntos Internacionais do Banco Central

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem