Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MEMóRIA > PAULO AFFONSO GRISOLLI (1934-2004)

‘Curriculum vitae’ virou ‘causa mortis’. Zap!

Por Alberto Dines em 28/12/2004 na edição 309

Morreu na miséria, esta é a verdade. Sem subterfúgios ou eufemismos, é preciso encarar algo que não se detecta nas necropsias mas não pode ser omitido num necrológio: Grisolli morreu triste, humilhado. Ninguém é o culpado, nem mesmo o tal do ‘sistema’.

Não deu: estava em Portugal havia uma década, gostava do país, pai de uma filhinha portuguesa, quase neta. Não engrenou. Algo atrapalhava, o Brasil talvez lhe fizesse falta. Mas seu banzo era a falta de trabalho.

Com sérios problemas pulmonares e cardíacos, porém perfeitamente apto a enfrentar um computador durante algumas horas por dia, enfiar-se num estúdio ou ‘ilha’ de TV, melhor ainda num palco. Não deu, não lhe deram.

Cabeça tinindo, cheio de planos. Um deles, a quatro mãos, via internet, a colagem das comédias de Antônio José da Silva, o ‘Judeu’, para ser encenada em 2005, tricentenário de nascimento do poeta carioca executado pela Inquisição em Lisboa.

O saldo

Excelente jornalista, excelente teatrólogo e roteirista, excelente diretor de teatro, excelente diretor de TV – mas no seu caso as excelências de nada adiantaram. Ninguém lembrava quem era, o que fizera, os lugares estavam ocupados. Quem vai ao vento perde o assento, sobretudo quando se passa dos 40.

Começou jornalista e acabou jornalista. Sua atuação como editor do Caderno B do Jornal do Brasil marcou o último arranco do jornalismo cultural no Rio de Janeiro.

Seu último trabalho foi no Correio do Brasil, que se editou durante alguns meses em Portugal. E foi a pedido da diretora do semanário, Paula Ribeiro, que pouco antes de morrer, em novembro de 2004, sentou-se para registrar o seu curriculum vitae. No minguado saldo, talvez, a causa mortis.

Autobiografia convertida em auto-obituário. Zap!

***



Grisolli por ele mesmo

(Mantida a grafia original portuguesa)

Nome civil completo: Paulo Affonso Grisolli

Nascimento: 17/05/1934

Naturalidade: Bragança Paulista, SP, Brasil

Nacionalidade: Brasileira e portuguesa

Residência: Cascais – Portugal

Escolaridade: Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Brasil, até 3º ano (1953-55)

Director, produtor, realizador e guionista de televisão e de audio-visuais desde 1972

Cargos executivos na Rede Globo de Televisão (Rio de Janeiro, Brasil)

** director artístico do Sistema Globo de Séries (1981)

** director artístico do Núcleo Paulo Affonso Grisolli de Séries (1982)

** director-geral da Divisão de Teleteatro (1983)

** director-geral da Divisão de Minisséries (1984)

** director da Executiva I da Central Globo de Produções (1988)

** director da Divisão de Projectos Especiais da Central Globo de Produções (1989-1990)

Actividades criativas na televisão:

** realizador do programa mensal Viva Marília, com Marília Pera, na Rede Globo de Televisão (1972)

** realizador do programa semanal A Grande Família (texto de Oduvaldo Vianna Filho, Armando Costa, Paulo Pontes e outros), na Rede Globo de Televisão (1973-1975)

** realizador do telefilme Turma, Doce Turma, de Oduvaldo Vianna Filho, na Rede Globo de Televisão (1974)

** realizador do telefilme Exercício Findo de Jorge Andrade, na Rede Globo de Televisão (1974)

** realizador do seriado Azambuja & Cia. com Chico Anísio, na Rede Globo de Televisão (1975)

** guionista da novela infantil O Sítio do Picapau Amarelo, recriação da obra de Monteiro Lobato, parceria com Wilson Rocha, na Rede Globo de Televisão (1975-1977)

** integrante da equipa de criação do programa Brasil 78, com Bibi Ferreira, na Rede Globo de Televisão (1978)

** realizador do seriado Malu Mulher, com Regina Duarte, na Rede Globo de Televisão (1979)

** director-geral do programa Malu Mulher, na Rede Globo de Televisão (1980)

** realizador do telefilme Romeu e Julieta de William Shakespeare, adaptação livre de Walter George Durst, com Lucélia Santos e Fábio Junior, na Rede Globo de Televisão (1980)

** realizador do programa O Caminho das Estrelas, de Doc Comparato e Aguinaldo Silva, quatro episódios contínuos da série Plantão de Polícia, na Rede Globo de Televisão (1981)

** produtor e realizador de Lampião e Maria Bonita, com Nelson Xavier e Tânia Alves, primeira minissérie brasileira, em oito episódios, de Aguinaldo Silva e Doc Comparato, na Rede Globo de Televisão (1982)

** produtor e realizador do telefilme Otelo de Oliveira, com Roberto Bonfim e Julia Lemmertz, especial de Aguinaldo Silva, recriação de Othelo, o Mouro de Veneza de William Shakespeare, na Rede Globo de Televisão (1983)

** produtor e realizador de Padre Cícero, com Stênio Garcia e Débora Duarte, minissérie em 20 capítulos, de Aguinaldo Silva e Doc Comparato, na Rede Globo de Televisão (1984)

** produtor e realizador de Órfãos da Terra, com Tânia Alves, telefilme em 60 minutos de Aguinaldo Silva, na Rede Globo de Televisão (1984)

** produtor e realizador de Tenda dos Milagres, minissérie em 30 episódios, adaptação do romance de Jorge Amado, roteiro de Aguinaldo Silva e Regina Braga, na Rede Globo de Televisão (1985)

** produtor e realizador do telefilme O Natal da Grande Família, de Marcílio Morais, na Rede Globo de Televisão (1987)

** produtor e realizador do telefilme Mocinha e Bandido, de Aguinaldo Silva, na Rede Globo de Televisão (1988)

** produtor e realizador do telefilme O Boi Santo, de Dias Gomes, na Rede Globo de Televisão (1988)

** produtor e realizador do telefilme O Matador, de Oduvaldo Vianna Filho, na Rede Globo de Televisão (1988)

** realizador da série Pelé presents The Game of Billions, documental sobre futebol, em 12 capítulos, com Edson Arantes do Nascimento, produção Spectrum, Rio de Janeiro (1990).

** responsável pela concepção, pré-guionização, gravações, guionização final e realização de Hell in Paradise, documentário dramático em quatro episódios sobre a Amazónia brasileira. Spectrum, Rio de Janeiro (1990)

** realizador de Teresa Batista Cansada de Guerra, minissérie em 28 capítulos, adaptação da obra de Jorge Amado, na Rede Globo de Televisão (1991)

** responsável pela implantação, desenvolvimento, operacionalização e realização – em carácter de formação e desenvolvimento de guionistas, actores e técnicos – do seriado Clube Paraíso, de Álvaro Magalhães, Carlos Tê e José Soares Martins, em 20 capítulos. Radiotelevisão Portuguesa, Centro de Produção Porto, Portugal (1992/93).

** responsável pela implantação do seriado Os Andrades. Radiotelevisão Portuguesa, Centro de Produção Porto, Portugal (1993).

** realizador da série Esquadra de Polícia, de Moita Flores. em 26 episódios, produção NBP/Multicena para a RTP1, Lisboa, Portugal (1998-1999).

** Argumentista/guionista realizador da série Missão Segurança, 36 episódios em 3D dedicados a crianças sobre prevenção rodoviária. Patrocínio Nestlé, Brisa e Allianz. Produção ComSom, exibição SIC TV, Lisboa, Portugal (2002/2003)

Actividades em video

** Criador, guionista e realizador de Sobreviver, Crescer, Perpetuar, video institucional anual do grupo empresarial Odebrecht S.A. – Rio de Janeiro (1991/92/93). Prémio Melhor Institucional do Ano, Associação Brasileira de Propaganda, 1993.

Principais prémios internacionais de televisão

** Malu Mulher, seriado – Iris 79, da Associação Nacional de Programação de Televisão dos Estados Unidos da América (1979); Ondas 79, da Sociedade Espanhola de Radiodifusão e Rádio Barcelona, Espanha (1979)

** Lampião e Maria Bonita, minissérie – Medalha de Ouro, categoria drama, Festival Internacional de Filme e Televisão, Nova Iorque (1982)

** Órfãos da Terra, telefilme – Olho do Leopardo de Bronze, do Festival de Locarno, Suíça (1984); Tucano de Prata, Melhor Programa de Ficção, Festival Internacional de Cinema e Televisão do Rio de Janeiro (1984)

** Tenda dos Milagres, minissérie – Ondas 86, da Sociedade Espanhola de Radiodifusão e Radio Barcelona, Espanha (1986)

Actividades em multimeios

** autor e responsável pelo estudo de viabilização do projecto de multimeios Lusofalar ou O Falar de Muita Gente, sob patrocínio do grupo Odebrecht, Rio de Janeiro (1995/96).

** guionista do CD-ROM Calecut, Viagem com Vasco da Gama no Caminho da Índia, com apoio da Comissão Nacional dos Descobrimentos Portugueses, para a 0351 Arte & Cultura, Portugal (1997).

** guionista do CD-ROM O Brasil no Mar – De Cabral ao Almirante Alexandrino, de Telmo Gomes, produção Áquila, Lisboa (2000).

** autor e realizador geral do projecto de multimeios Cabral, O Viajante do Rei, para as comemorações do V Centenário do Brasil, Projecto Memória (Fundação Cultural Banco do Brasil – Odebrecht), produzido por Imagio, Rio de Janeiro (1997/2000).

** criador e realizador editorial da revista online Clube da Fisga, site na internet dedicado a crianças, visando à protecção ambiental. Com apoio institucional do Ministério do Ambiente, do Ministério da Agricultura e do Ministério da Cultura em Portugal, da Quercus e do Parque Sintra-Cascais.(Lisboa, 2001).

** criador, argumentista e guionista do projecto Deixa estar, jacaré!, DVD para crianças em idade pré-escolar, com apoio do ICAM, Ministério da Cultura. (Lisboa, 2001-2002)

** responsável pelo sector de ideias e argumentos da Endpoint – Tecnologia de Imagem (www.endpoint.pt), Lisboa (2003)

Encenador de teatro desde 1959

** bolseiro do Governo francês em 1962-1963, estagiou no Théâtre National Populaire em Paris (Jean Vilar) e no Théâtre de la Cité de Vileurbane (Roger Planchon)

** animador e realizador do Teatro da BIBSA Rio de Janeiro (1959-1962)

** fundador, animador e encenador do grupo Mambembe, Niterói, RJ (1963-1964)

** encenador e um dos fundadores do Teatro de Repertório, Rio de Janeiro (1965)

** criador e encenador da Comunidade, grupo de teatro de vanguarda instalado no Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1968-1969)

** fundador e director do grupo Zeca, Zico & Zoom, produtor de espectáculos infantis, Lisboa (2004)

Autor das peças

** A Sagrada Família, com Tite de Lemos – menção honrosa no concurso do Serviço Nacional de Teatro, Brasil (1966)

** A Parábola da Megera Indomável – encenação da Comunidade no Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1968)

** Alice no País Divino-Maravilhoso, com Sidney Miller, Tite de Lemos, Luiz Carlos Maciel e Marcos Flaksman – encenação no Teatro Casa Grande, Rio de Janeiro (1970)

** Por Mares Nunca De Antes Navegados (elegia a Camões), com Tite de Lemos – encenação no Teatro Municipal, Rio de Janeiro (1972)

** Avatar – leitura pública na Feira do Autor, Rio de Janeiro (1973); montagem no Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, encenação de Luiz Carlos Ripper (1974)

** Avatar, O Temente Senhor Jó e Palatravi Malac Mic foram publicadas conjuntamente sob o título Trilogia do Avatar, Editora Rio, Rio de Janeiro, 1975

** Palatravi Malac Mic (Não Me Maltrate, Robinson) (edição alemã da Suhrkamp Verlag, sob o título Armer König Robinson, tradução de Lorenz Thomerius, 1978) – encenação no Teatro SESC da Tijuca, Rio de Janeiro (1978); encenação no Teatro do Bexiga, São Paulo (1980); montagem pela ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve, encenação de José Louro, Faro, Portugal (1998).

** Apto para o Vôo (Archaeopterix) – poema para espetáculo de música cénica – montagem do Grupo de Dança Contemporânea da Universidade da Bahia, Salvador, música de Rufo Herrera e coreografia de Clyde Morgan (1975)

** Nau Catarineta (Barca do Povo) – texto-guia para espectáculo em torno de auto popular brasileiro – encenação no Teatro Fonte da Saudade, Rio de Janeiro (1976)

** E Quem Governa o Rei?, com Maurício Abud – encenação no Espaço Petite Galerie, Rio de Janeiro (1983)

** Tamen (ensaio dramático sobre a Inconfidência Mineira), com Theotonio de Paiva, Luiz Carlos Maciel e Armênio Graça Filho – encenação na Fundição Progresso, Rio de Janeiro (1989)

** O Embusteiro Leal (subvertidas aventuras de D. Juan e seu infiel companheiro Sonso) (1994)

** Asma não é Fantasma – opereta infanto juvenil, música de J. Morais, obra poatrocinada pela GSK Portugal

** Deixa Estar, Jacaré – espectáculo para crianças, com actores e marionetas, sobre história de Teresa Chaves e P. A. Grisolli, encenação do grupo Zeca, Zico & Zoom, Lisboa (2004)

Principais encenações teatrais

** Histórias para Serem Contadas, de O. Dragun – Teatro da BIBSA, Rio de Janeiro (1961)

** Quatro Séculos de Maus Costumes (Auto da Barca, de Gil Vicente e A Mulher de Gravata, de Leonardo Froes) – Teatro da BIBSA (1962)

** Electra, de Sófocles – grupo Mambembe. Niterói, RJ (1963)

** A Torre em Concurso, de J. M. de Macedo – Teatro de Arena da Guanabara, Rio de Janeiro (1964)

** George Dandin, de Molière – Les Comédiens de L´Orangérie, Teatro Maison de France, Rio de Janeiro (1964)

** Mortos Sem Sepultura, de Sartre, tradução de Jorge Amado – Teatro de Repertório, Rio de Janeiro (1965)

** A Vida Impressa em Dólar (Awake and Sing), de C. Odets – produção de Fábio Sabag, Teatro Dulcina, Rio de Janeiro (1965)

** Onde Canta o Sabiá, de G. Tojeiro, Teatro do Rio, Rio de Janeiro (1966)

** Terror e Miséria do Terceiro Reich, de B. Brecht – Teatro Serrador, Rio de Janeiro (1966)

** As Troianas, de Eurípedes/Sartre – Cia. Maria Fernanda, Teatro Glaucio Gill, Rio de Janeiro (1966)

** O Barbeiro de Sevilha, de Beaumarchais – Teatro Toneleros, Rio de Janeiro (1967)

** Vento nos Ramos de Sassafrás (Du Vent dans les Branches de Sassafras), de Obaldia – Les Comediens de l´Orangerie no Teatro Maison de France e produção de Renato Pedrosa no Teatro Dulcina, Rio de Janeiro (1968)

** Olho n´Amélia (Occuppe-toi d´Amelie), de Feydeau – Cia. Eva Tudor, Teatro Maison de France, Rio de Janeiro (1969)

** A Parábola da Megera Indomável, de Grisolli – Comunidade, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1968)

** Piquenique no Front (Pic-Nic en Campagne), de Arrabal – Comunidade, espectáculo volante para apresentação em escolas secundárias, iniciativa Procultura, Departamento de Cultura do Estado da Guanabara, Rio de Janeiro (1969)

** Alice no País Divino-Maravilhoso, de Grisolli/Miller/Flaksman/Lemos/Maciel – Teatro Casa Grande, Rio de Janeiro (1970)

** Por Mares Nunca De Antes Navegados, de Grisolli/Lemos – produção de Orlando Miranda, Teatro Municipal, Rio de Janeiro (1972)

** Raimunda, Raimunda, de Francisco Pereira da Silva – Cia. Maria Fernanda, Teatro Glaucio Gill (1973)

** Nau Catarineta (Barca do Povo) – com Fernando Lébeis e Cecília Conde e colaboração de Klauss Vianna, Teatro Fonte da Saudade no Rio de Janeiro, Palácio das Artes e Teatro Marília em Belo Horizonte e tournée pelo Brasil (1975-1976)

** A Kuka de Kamaiorá, de Leilah Assumpção – leitura pública no Teatro Cacilda Becker, Rio de Janeiro (1976)

** Não Me Maltrate, Robinson, de Grisolli – com Luiz Armando de Queiroz e Eduardo Tornaghi, Teatro SESC da Tijuca Rio de Janeiro (1978) e Teatro do Bexiga, São Paulo (1980)

** E Quem Governa o Rei?, de Grisolli/Abud – Espaço Petite Galerie, Rio de Janeiro (1983)

** Aumento de Salário, de Georges Perec – Teatro Cacilda Becker, Rio de Janeiro (1986)

** Tamen, de Grisolli/Paiva/Maciel/Graça Filho – Fundição Progresso, Rio de Janeiro (1989)

** O Jantar dos Otários, de Francis Weber – Teatro Princesa Isabel, Rio de Janeiro (1995)

** Deixa Estar, Jacaré – espectáculo para crianças, com actores e marionetas, sobre história de Teresa Chaves e P. A. Grisolli – encenação do grupo Zeca, Zico & Zoom, Lisboa (2004)

Autor e encenador dos seguintes shows musicais

** Catiti, Catiti) – Café-Concerto Casa Grande, Rio de Janeiro (1968)

** Yes, Nós Temos Braguinha) – Café-Concerto Casa Grande, Rio de Janeiro (1968)

** Carnavália) – Café-Concerto Casa Grande, Rio de Janeiro (1969); boite Grinzing, Rio de Janeiro (1970/71)

** MPB 4 – Café-Concerto Casa Grande, Rio de Janeiro (1970)

** Nara, Terra e Vila), com Nara Leão, Trio Terra e Martinho da Vila – boite Sucata, Rio de Janeiro (1970)

** Tem Piranha na Lagoa, revista teatral, produção de Nestor de Montemar, Circo da Lagoa, Rio de Janeiro (1971)

** Pala-Palavra: Sidney Miller – homenagem póstuma a Sidney Miller – Sala Funarte Sidney Miller, Rio de Janeiro (1983)

Jornalista profissional desde 1953

** repórter das Folhas (Folha da Manhã, Folha da Tarde e Folha da Noite) de São Paulo (1953-1956)

** redactor da revista Visão, São Paulo (1956-1958)

** chefe de reportagem da sucursal de O Globo em São Paulo (1958-1959)

** redactor do Diário da Noite, Rio de Janeiro (1959-1960)

** redactor e, depois, secretário de redacção da revista Fatos & Fotos, Rio de Janeiro (1960-1963)

** editor do Caderno B do Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (1964-1972)

** editor de Programa em Revista, publicação mensal de divulgação teatral do Rio de Janeiro e São Paulo (1971-1972)

** articulista da Folha de S.Paulo (1975)

** editor da revista Pesquisa e Música do Centro de Pós-Graduação e Pesquisa do Conservatório Brasileiro de Música, Rio de Janeiro (1985)

** editor-chefe da revista online Cabral, o Viajante do Rei (www.cabral.art.br), publicada na Internet (Projecto Memória -Odebrecht-Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro), para as comemorações do V Centenário do Brasil, produção Imagio, Rio de Janeiro (1998-2000)

** correspondente em Lisboa de Imagio Produções, Rio de Janeiro (1998-2003).

** colaborador permanente do semanário Correio do Brasil, Lisboa (2004)

Autor dos livros

** Um Leão em Perigo, literatura infanto-juvenil, Editora Salamandra, Rio de Janeiro (1985) – Prémio Jannart Moutinho Ribeiro, como revelação de autor de Literatura Infantil, Câmara Brasileira do Livro (l986)

** O Mito da Infância Feliz, participação na colectânea organizada por Fanny Abramovich, Editora Summus, São Paulo (1984)

** Moscalúnau – O Segredo das Letras, literatura juvenil, José Olympio Editora, Rio de Janeiro (1995)

** O Menino Verde Salva o Seu Planeta (aventura ecológica), literatura infanto-juvenil. Em planeamento editorial no Brasil – Versal Editores, Rio de Janeiro (2004)

** Luc & Tóti, série composta por cinco livros para crianças , de informação sobre a asma infantil – obra realizada sob patrocínio do laboratório GSK Portugal.

Outras actividades

** director-geral do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro (1975-1979)

** membro do Comité Nacional da Sociedade Brasileira de Educação Através da Arte – Sobrearte

** membro do Conselho Consultivo da Escolinha de Arte do Brasil, Rio de Janeiro

** assessor especial (coordenador de Programas Editoriais) da Fundação Nacional de Arte – Funarte, administração Roberto Parreira, Rio de Janeiro (1979-1980)

** criador e realizador do disco experimental Mário de Andrade, Poesia e Som, sobre a obra poética de Mário de Andrade, com a participação de Cecília Conde, Maria Thereza Medina e Fernando Lébeis – edição da CBC/Phonogram, selo Festa (1970); reedição em 1981

** actor no disco da sua autoria Mário de Andrade, Poesia e Som

** actor na sua encenação de A Parábola da Megera Indomável, na Comunidade, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1968)

** tradutor da peça Vento nos Ramos de Sassafrás (Du Vent dans les Branches de Sassafras) de Obaldia (1967)

** tradutor da peça Aumento de Salário (L´Augmentation) de Georges Perec (1986)

** professor no VI Festival de Inverno de Ouro Preto – secção de Teatro: curso com Klauss Vianna, ‘Expressão Corporal e Linguagem Dramática’ (1981)

** professor no Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, com Klauss Vianna e Sidney Miller – Curso ‘Corpo, Som, Palavra’ (1971)

** professor no IV Festival de Arte na Universidade da Bahia – curso ‘Linguagem e Expressão Ultra-Verbal’ (1973)

** membro da Comissão Paulista de Folclore (órgão do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura) (1954-1959)

** medalha Sílvio Romero (Ministério das Relações Exteriores, Brasil) por serviços prestados à defesa do folclore nacional (1958)

** administrador do Teatro de Arena de São Paulo (1959-1960)

** autor de comunicação no seminário ‘TV e Desenvolvimento Social’ na Quinzena da Televisão Brasileira, Centro George Pompidou, Paris (1984)

** autor de comunicação no seminário sobre ‘Lenguaje de TV’, Unión Nacional de Escritores, Havana, Cuba (1985)

** autor e animador do seminário ‘Dramaturgia y Lenguaje de TV’, Instituto de Comunicação, INDEX, Lima, Peru (1988)

** autor e animador do seminário ‘TV, al final para que sirve?’, Centro Técnico do Instituto Cubano de Radio y Televisión, Havana, Cuba (1988)

** autor e animador da oficina prática sobre Linguagem de Televisão, Instituto Peruano para America Latina – IPAL, Lima, Peru (1989)

** speaker convidado da Conferência sobre Televisão e Video na América Latina promovida pela Danchurchaid, Djursland, Dinamarca (1992)

** responsável pela criação e desenvolvimento do workshop sobre interpretação para televisão (‘Exercício para Nove Cabeças’) para os alunos do 3º ano da Academia Contemporânea do Espectáculo, Porto, Portugal (1998)

** autor de comunicação no painel ‘O Futuro da Língua Portuguesa – Encontro de Escritores’, nas IV Jornadas Universitárias Lusófonas, Associação Académica de Coimbra, Universidade de Coimbra, Portugal (1993)

** autor de comunicação sobre ‘Televisão e democracia’ no Forum de Lusofonia, Lisboa (1994).

** autor da comunicação ‘O Livro Vai Morrer? Viva o Livro!’ no XIII Encontro de Literatura para Crianças (A Literatura para Crianças no Século XXI), Serviço de Bibliotecas e Apoio à Leitura, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1998.

** presidente do Júri Internacional de Video do II Festival Internacional de Cinema, TV e Video, Rio de Janeiro (1985)

** presidente do Júri Internacional de Televisão do VII Festival del Nuevo Cine Latinoamericano, Havana, Cuba (1986)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem