Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

MEMóRIA > RAY BRADBURY (1920-2012)

Ele despertou a paixão pelo futuro

Por Alexandre Matias em 12/06/2012 na edição 698
Reproduzido do suplemento “Link” do Estado de S.Paulo, 11/6/2012; título original “Ray Bradbury: o autor que nos despertou a paixão pelo futuro”, intertítulo do OI

De todos os grandes nomes da ficção científica, Ray Bradbury, que morreu na semana passada, era o menos geek. Enquanto outros autores igualmente importantes se deixavam levar por devaneios científicos (como Asimov, Heinlein, Clarke) ou metáforas tecnológicas (K. Dick, Gibson, Farmer, Burroughs), Bradbury se via como um escritor, não como um visionário ou um filósofo. E foi assim que trouxe o futurismo distante que encantava o pequeno público inicial do gênero mais importante do século 20 para as massas.

Seu truque era contar boas histórias sem se ater a detalhes técnicos ou precisões tecnológicas. Veja o exemplo de seu título mais popular, As Crônicas Marcianas, coleção de contos que narrava como os terráqueos invadiram o planeta vermelho, invertendo a lógica do pioneiro H.G. Wells, que fez marcianos invadirem a Terra num dos primeiros clássicos do gênero (Guerra dos Mundos, de 1898). Mas, ao escrever sua saga, Bradbury tinha menos Wells em mente – e mais o John Steinbeck de As Vinhas da Ira. Pouco importava a tecnologia que era usada para colonizar o planeta ou problemas considerados críticos por escritores mais científicos (como gravidade ou atmosfera). O que Ray queria era usar a ficção científica como gancho para falar sobre relações humanas.

O mesmo vale para seu livro mais reconhecido, Farenheit 451, o clássico onde a queima de livros simboliza a destruição de toda uma cultura para a manutenção da autoridade de controle. Ele poderia estar falando do futuro, mas também estava falando de seu tempo – afinal, o livro foi lançado em 1953, quando o macartismo norte-americano gritava denúncias contra qualquer suspeita de comunismo e instaurava o clima de paranoia e caça às bruxas nos EUA.

Usar o futuro como metáfora para o presente não é uma das principais condições da ficção científica, embora muitos tenham usado deste recurso (até mesmo escritores que não pertenciam ao gênero, como n’As Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift, ou 1984, de George Orwell). Na verdade, Bradbury fazia o caminho inverso de uma das principais qualidades do gênero, que é permitir que cientistas, que normalmente se enfurnam em pesquisas e perdem o referencial externo, possam vislumbrar possibilidades criativas que não podiam cogitar antes. Com escritores deixando a imaginação correr solta, tecnologias e oportunidades que não haviam sido imaginadas anteriormente (como a viagem pelo espaço sideral, a teoria dos universos paralelos, a inteligência artificial, entre outros exemplos) passaram a entrar na rotina destes teóricos.

Defensor dos livros

Bradbury ia na contramão. Em vez de assustar ou encantar o público com suposições apocalípticas e fantásticas, preferia tratá-las com indiferença, fazendo com que o público não-geek pudesse imaginar um futuro em que, mesmo com a onipresença de tecnologias novas e inéditas, parecesse com o seu presente. Assim, foi aos poucos acostumando o planeta com um futuro implacável, que não era trágico ou impossível. “É bom renovar o encanto”, escreveu nas Crônicas Marcianas, “a viagem espacial nos tornou crianças novamente.”

E aos poucos nos fez crer que a inevitabilidade de novas tecnologias não era algo a ser temido, mas aceito, como um presente da humanidade para ela mesma no futuro. Um Edgar Allan Poe otimista, Ray Bradbury não temia o desconhecido, mas o aguardava como uma criança em véspera de Natal. Não fosse sua habilidade de fascinar o público, talvez fôssemos mais temerosos em relação às novidades que nos assolam diariamente. Muitos até podem se sentir saudosos com esse futuro neoludita que, felizmente, não aconteceu. Pois para cada problema e paranoia criada pelo século digital (ausência de privacidade, excesso de controle, consumismo, déficit de atenção), tantas outras soluções e possibilidades benéficas surgem a todo instante, transformando nosso presente numa velocidade nunca vista na história.

Tudo graças a este artista que, antes de tudo, era um defensor dos livros e das boas histórias. “Meu trabalho é fazer que você se apaixone”, dizia. E, graças a ele, nos apaixonamos pelo futuro.

***

[Alexandre Matias, do Estado de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem