Domingo, 16 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1041
Menu

MEMóRIA >

Jornalista, advogado e professor

Por Estêvão Bertoni em 11/06/2013 na edição 750

Desde moço, quando já rabiscava poemas e contos, Edson Flosi queria viver da escrita. Virou jornalista em 1960.

Após trabalhar numa publicação do PCB e em dois veículos dos Diários Associados, entrou para a Folha de S.Paulo. Ficaria no jornal por cerca de 15 anos, divididos em duas passagens entre os anos 60 e 80.

Nesse meio tempo, passou pelo Jornal da Tarde e O Globo e teve uma agência de publicidade, que não engrenou, como conta o filho Edson.

Em seu blog, Flosi conta ter participado “da última geração do jornalismo romântico, praticado por intelectuais e autodidatas”. Um “jornalismo de rua”, como escreveu.

Era repórter de polícia. Aos 46 anos, porém, formou-se em direito –entrara na faculdade no mesmo ano que a filha Nancy, defensora pública– e virou advogado criminalista. Continuou como jornalista até 1990, quando encerrou a carreira no Notícias Populares.

A partir de 1996, o autor de livros como Por Trás da Notícia (2012), em que comenta suas reportagens, ensinou legislação e práticas judiciárias a estudantes de jornalismo da Cásper Líbero, onde também foi assessor da diretoria. O filho diz lamentar que o pai não tenha escrito um livro sobre a luta armada no Brasil, tema que dominava.

No ano passado, em tratamento contra um câncer, foi demitido da faculdade, o que gerou protesto dos alunos. A Cásper Líbero convidou-o a voltar, mas Flosi recusou.

Tratava um câncer de próstata há sete anos, sem largar o cigarro. Morreu ontem, aos 73, em decorrência da doença. Teve três filhos e quatro netos. A cremação está prevista para hoje [6/6], em São Paulo.

******

Estêvão Bertoni, da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem