Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MEMóRIA > LUIZ PAULO HORTA (1943-2013)

Um jornalista clássico

Por Alberto Dines em 04/08/2013 na edição 757

Manso, suave, refinado – o oposto do estereótipo. Pianista, crítico musical, musicólogo, estudioso das Escrituras, rematado intelectual, jornalista meticuloso, altamente qualificado.

No falecido Jornal do Brasil participou do primeiro grupo do Departamento de Pesquisas, a “escola de sábios” que deu ao jornal a aura de inteligência e lá chegou a ocupar a subchefia.

Figura doce, “do bem”, sua espiritualidade e humanidade o converteram no “confessor” preferido dos colegas de Redação.

Anos depois, no Globo, dirigiu por longo tempo o Projeto Calandra, para treinamento de recém-diplomados. Formou algumas gerações de competentes jornalistas. Mais tarde, incorporou-se à editoria de Opinião, onde o texto preciso, claro e a sólida cultura produziram substanciosos editoriais e artigos de fundo.

Convite a amigos

Luiz Paulo Horta era o profissional sonhado por qualquer chefe de Redação: jornalista de classe, clássico, catalisador da seriedade, antídoto natural para ligeireza e imprudências.

Foi citado por este observador em texto postado em 30/7, e não por acaso. Na série de artigos diários consagrados à visita do papa Francisco seu ecumenismo e tolerância logo se destacaram.

A intensidade e as emoções da cobertura o fatigaram. Um dia antes de sofrer o infarto fatal ligou para a editora no Globo pedindo que o livrasse da obrigação de escrever o artigo da semana seguinte, estava cansado. A outros colegas convidou para a missa pelo seu 70º aniversário em 14 de agosto. Morreu na manhã seguinte, logo depois de acordar.

Leia também

Acima de tudo, um humanista – Merval Pereira

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem