Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

MONITOR DA IMPRENSA > LIBERDADE DE IMPRENSA

2006, o ano de todos os perigos

02/02/2007 na edição 418

A organização Repórteres Sem Fronteiras divulgou na quinta-feira (1/2) seu relatório anual sobre a liberdade de imprensa. A pesquisa analisa a liberdade de imprensa em 98 países – incluindo as principais violações dos direitos dos jornalistas em 2006 e aspectos regionais da liberdade da mídia e da internet. O documento completo (em inglês, francês, espanhol e árabe) pode ser lido no sítio da Repórteres Sem Fronteiras. A lista inclui ‘as piores violações em países repressivos, como Coréia do Norte, Eritréia, Cuba e Turcomenistão, e ao mesmo tempo aborda democracias, onde também é preciso progresso’, de acordo com a organização.


O relatório, já na introdução, ressalta que 2006 foi um ano extremamente letal para jornalistas, com número recorde de profissionais de imprensa mortos e presos em todo o mundo. ‘E nós já estamos preocupados com 2007, pois apenas em janeiro seis jornalistas e quatro assistentes de mídia foram mortos’, diz a RSF, acrescentando que, além dos números, há também a falta de interesse de países democráticos em ‘defender os valores que eles deveriam materializar’. A organização ressalta que, enquanto quase todos dizem acreditar nos direitos humanos, há muita omissão nesta área. ‘Nós imaginamos quem teria a autoridade moral necessária para tomar uma posição de princípios em favor destas liberdades’, diz o documento.


Panorama mundial


A publicação de cartuns do profeta Maomé em um jornal dinamarquês chamou a atenção do mundo em 2006 para questões como liberdade de expressão e respeito a crenças religiosas. Países democráticos não defenderam a Dinamarca, que teve embaixadas atacadas, e nem defenderam os jornalistas que foram ameaçados e presos. A Europa, especialmente, parece ter optado pelo silêncio por medo de ofender os regimes árabes ou muçulmanos, afirma a organização.


Por outro lado, profissionais de imprensa no Oriente Médio foram, mais uma vez, vítimas da instabilidade crônica da região. No Iraque, 65 jornalistas e assistentes de mídia foram mortos. Seqüestros se tornaram rotineiros no país e nos territórios palestinos. ‘Apesar das repetidas promessas’, diz a RSF, os governos da região não tiveram avanços na introdução de princípios democráticos.


Na América Latina, os freqüentes assassinatos de jornalistas no México, as dezenas de profissionais de imprensa que permanecem encarcerados por discordar do regime de Fidel Castro, em Cuba, e a difícil situação na Bolívia são sinais que devem ser observados pela comunidade internacional. [Ver aqui o capítulo dedicado ao Brasil.]


Os números relacionados às violações da liberdade de expressão na Ásia assustam: foram 16 profissionais de mídia mortos, pelo menos 328 presos, 517 atacados fisicamente ou ameaçados e 478 veículos censurados, em 2006.


Em muitos países africanos, há uma falta de confiança em veículos de comunicação e seus profissionais. Assassinos de jornalistas no continente acabam impunes e, pior, são protegidos por governos e políticos poderosos em países como Gâmbia e Burkina Fasso.


Na internet, a repressão parece avançar a cada ano. Hoje, são pelo menos 60 pessoas na prisão por fazer críticas online a seus governos. A China é a principal vilã, seguida pelo Vietnã, Síria, Tunísia, Líbia e Irã. Nestes países, cada vez mais blogueiros e ciberdissidentes acabam na cadeia por se expressar na rede.

Todos os comentários

  1. Comentou em 05/02/2007 Sérgio Henrique Cunha Zica

    Muito estranhos os comentãrios anteriores… Ou nem tanto. É preocupante se perceber uma mudança de viés para uma repressão cada vez maior à liberdade de expressão no mundo inteiro. Entretanto, note que uso a expressão ‘liberdade de expressão’ de propósito, em contraposição a ‘liberdade de imprensa’. Isso porque a mídia, em sua grande parte, tem se pautado pela cooptação por interesses no mínimo espúrios. A consequência imediata é uma perda de credibilidade alarmante, e a culpa é da própria mídia. Assim, surgem comentários desabonadores e talvez quase contentes com estes dados, o que me lembra o queda das torres gêmeoas do WTC. Quando o fato ocorreu, após o choque inicial, eu vi muita gente comentando na linha de ‘bem feito’ e ‘provaram do próprio remédio’. Enquanto não posso de maneira nehuma concordar ou endossar tais pensamentos, eles são compreensíveis num contexto de dominação econômico-cultural-militar imposto or aquele país. Assim, com a imprensa na ‘lona’, a hostilidade só tende a aumentar, guardem o que eu digo. Repito: não concordo com violência ou agressões levianas, mas a culpa existe é é da imprensa. Esperem por mais reações nesta linha… Infelizmente.

  2. Comentou em 04/02/2007 Marco Costa Costa

    Em todo o planeta a polícia matam milhares de trabalhadores sem eira e nem beira. Os profissionais de comunicação em geral não dão a mínima para essas mortes. As guerras patrocinadas pelos Norte Americanos milhares de soldados inocentes que lutam contra um inimigo que não é seu, são soldados que também são usados pela burguesia como bucha de canhão, ou seja, estão defendendo interesses dos poderosos, os quais tem interesses nas riquezas produzidas justamente pôr estes trabalhadores que em seguida são mortos gratuitamente pelo IMPERIALISMO. Onde esta a ONG dos jornalistas que se omitem sobre essas mortes covardes.

  3. Comentou em 04/02/2007 Dante Caleffi

    Repórteres Sem Caráter. Seria uma denominação mais adequada.Se os relatórios desta instituição, não constarem pelo menos Cuba, as subvenções baixam drasticamente,talvez até se extinguam.Quando se fala em Cuba,não se alude que a democracia cubana ,passa antes de tudo por Guantânamo.É la que se encontra o arbitrio,o totalitarismo,e
    o fascismo científico de fazer inveja aos seus pioneiros germânicos.
    O Iraque,preocupa o genocídio promovido pelos EUA, e que se espalha gradual e sutilmente pelo mundo.O governo alemão condenou, emitiu mandato de captura internacional contra agentes da CIA,que sequestraram e torturam cidadão alemão. Essa ONG como tantas outras,de idoneidade discutível agem de acordo com a vontade de seus doadores. Perguntem, qual foi a postura dos RSF, nas última eleições ,ocorridas no país.A Atuação da mídia não dignifica ,nem tampouco dignificou,as supostas tradições libertárias,objeto de acirradas campanhas da referida ONG.Quanto a Venezuela,onde estavam os Reporteres(?),enquanto amídia local rede de TV, conspiravam a favor de um golpe de estado?Já tivemos no passado esse tipo de organização,que interferia na soberania das nações.Os nomes mudam:
    IBAD, ; PONTO 4, IPES,etc.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem